Erros de Enfermagem: Regra ou Exceção?

0 24

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Erros de Enfermagem: Regra ou Exceção?

A enfermagem é uma profissão que ao longo dos anos vem conquistando seu espaço na área de saúde. Motivada pelo avanço técnico-científico e aumento da demanda dos serviços de saúde, amplia suas atividades e autonomia em relação aos procedimentos e com isso assume mais responsabilidades com os cliente/pacientes.
Nos últimos anos a oferta do número de cursos de Enfermagem aumentou, mas nem todos com a qualidade necessária para preparar os profissionais para a atuação, refletindo, portanto, no número de profissionais despreparados disponíveis no mercado de trabalho. A mídia tem divulgado o crescente número de erros cometidos principalmente por técnicos e auxiliares de enfermagem já que permanecem mais tempo prestando assistência direta ao paciente e são a maioria na profissão.
O Código de Ética que regulamenta o exercício profissional diz que a Enfermagem é uma profissão comprometida com a saúde do ser humano. A assistência deve ser livre de danos decorrentes de imperícia, imprudência e negligência e o profissional deve manter-se atualizado e principalmente responsabilizar-se pela falta cometida, seja individual ou em equipe.
No entanto, por imperícia ou imprudência, erros na maioria das vezes fatais, ocorrem durante procedimentos simples, ou seja, o profissional realiza a técnica sem habilidade e competência para fazê-la ou ainda realizando-a de forma desatenta ou insensata, pondo em risco a segurança e a qualidade da assistência que presta ao cliente. Mas afinal a quem culpar?
É certo que a estrutura dos locais de trabalho principalmente na rede pública de saúde é precária, somando-se a isso, sobrecarga de trabalho, estresse e baixa remuneração… Mas isso não isenta a culpa. A ocorrência de erros e infrações se dá principalmente por falta de informação e conhecimento pelo profissional, despreparo diante de competências e atribuições, falta de experiência e treinamento admissional.
Por fim, as penalidades podem não funcionar efetivamente como condutas preventivas, uma vez que o erro já foi cometido. O poder público deve investir na qualidade da estrutura dos estabelecimentos de saúde, na qualificação permanente de todos os profissionais e remuneração compatível com a jornada de trabalho. Além disso, é importante fiscalizar e vetar a abertura de cursos técnicos e superiores sem condições de funcionamento, evita a banalização e desvalorização dos cursos de enfermagem.
E finalmente a assistência de enfermagem deve ser entendida como um trabalho em equipe, sem disputas. Cabe ao profissional conhecer o Código de Ética de Enfermagem e atuar de acordo com os seus deveres e responsabilidades e afinal ter diploma de um curso técnico ou de graduação apenas não é suficiente, se não houver formação moral, se não houver a consciência de que ao lidar com vidas, qualquer ato por banal que seja pode ser a diferença entre a vida e a morte do paciente.
In: http://portalinfoenfe.blogspot.pt/2013/02/erros-de-enfermagem-regra-ou-excecao.html
Gostar
Seguir
google

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina a nossa Newsletter e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo