Saúde e bem-estar

A ORDEM E OS ESPECIALIZADOS

A ORDEM E OS ESPECIALIZADOS

LAMENTÁVEL
1 – TEREM OS ESPECIALIZADOS DE RECORRER À ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA.
2 – TER A ORDEM DE FAZER O QUE UM SINDICATO DESFEZ COM ERA CONFUSA A DELIMITAÇÃO ENTRE AMBOS. E NÃO SE PENDE QUE ESTA ALARVICE, MAIS UMA, FOI FEITA POR ACASO...

05-03-2014
Ordem dos Enfermeiros pronuncia-se sobre petição para reintegração da categoria de enfermeiro especialista na carreira especial de Enfermagem
A pedido da Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública, da Assembleia da República, a Ordem dos Enfermeiros pronunciou-se sobre a Petição 323/XII/3.ª, iniciativa de um grupo de enfermeiros que pede o reconhecimento da categoria de enfermeiro especialista na carreira especial de Enfermagem.
A Ordem dos Enfermeiros (OE), como entidade reguladora da profissão de Enfermagem, atribui dois títulos – enfermeiro e enfermeiro especialista
. Esta atribuição depende de inscrição e deliberação positiva face aos pressupostos legais existentes no Artigo 6º e 7º do Estatuto da Ordem dos Enfermeiros (EOE) aprovado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de abril, alterado e republicado em Anexo à Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro.

Como estabelece o n.º 1 do Artigo 7º do EOE, «O título de enfermeiro reconhece competência científica, técnica e humana para a prestação de cuidados de Enfermagem gerais ao indivíduo, à família e à comunidade, nos três níveis de prevenção».

O n.º 3 do mesmo artigo determina que «O título de enfermeiro especialista reconhece competência científica, técnica e humana para prestar, além de cuidados gerais, cuidados de Enfermagem especializados em áreas específicas de Enfermagem».

Pub

A publicação, em Diário da República, dos Regulamentos das Competências Comuns do Enfermeiro Especialista e das Competências Específicas de cada área de especialidade em Enfermagem veio reforçar o Decreto-lei n.º 161/96, de 4 de setembro, que aprovou o Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros.

O Decreto-lei nº 437/91, de 8 de novembro, definia o anterior regime legal da carreira de Enfermagem, no qual existiam sete categorias – enfermeiro, enfermeiro graduado, enfermeiro especialista, enfermeiro chefe, enfermeiro supervisor, enfermeiro assessor técnico regional e enfermeiro assessor técnico. Com a entrada em vigor dos Decretos-lei nº 247/2009 e nº 248/2009, de 22 de setembro, passam a existir apenas duas categorias – enfermeiro e enfermeiro principal. O enfermeiro especialista passa a ser reconhecido e integrado na categoria de enfermeiro [alínea j) a p) do Art.º 9 de ambos os diplomas]. Considerando a publicação, em 2011, em Diário da República dos Regulamentos das Competências Comuns do Enfermeiro Especialista e das Competências Específicas de cada área de especialidade em Enfermagem, o conteúdo funcional destes diplomas encontra-se desatualizado.

Ambos os diplomas criaram o contexto para a desregulação do exercício especializado em Enfermagem nos serviços do Estado e com consequências negativas, nomeadamente na prestação de cuidados. Atualmente, a ausência de relação entre a habilitação para o exercício especializado e a progressão na carreira tem criado as seguintes situações nos contextos clínicos:

1 – Enfermeiros especialistas que exercem como enfermeiros generalistas por:

Pub

– decisão própria (por falta reconhecimento financeiro/contratual);

– imposição do serviço (falta de enquadramento da prática especializada nas dinâmicas do serviço).

2 – Enfermeiros que realizam formação pós-graduada que permite a atribuição de título de enfermeiro especialista, mas que optam por não pedir à OE a respetiva atribuição;

3 – Enfermeiros especialistas que exercem Enfermagem especializada em:

– serviços que, de forma correta, enquadraram a prática especializada nas dinâmicas dos serviços, nomeadamente permitindo o acesso do cidadão a cuidados de Enfermagem especializados, com os registos clínicos adequados e criando os respetivos indicadores de processo e resultado;

– serviços sem enquadramento da prática especializada, onde os enfermeiros exercem com base no seu entendimento individual e com processos de registo ad hoc.

4 – Enfermeiros especialistas que são transferidos para serviços fora da sua área de especialidade, sendo obrigados a regressar à prática como enfermeiros de cuidados gerais, desperdiçando a respetiva formação.

A OE entende que o desenvolvimento profissional, a aquisição e aprofundamento de competências deve ser valorizado e não pode em momento algum, significar a regressão do reconhecimento do papel e mais-valias, para a população, das intervenções especializadas em Enfermagem, bem como das condições laborais. Quando isto acontece subverte-se a lógica de desenvolvimento profissional e estimula-se a estagnação dos profissionais.

Pub

Também a Diretiva 2013/55/UE do Parlamento Europeu e do Conselho de 20 de novembro de 2013 – que aguarda transposição para o ordenamento jurídico nacional – faz referência ao «desenvolvimento profissional contínuo para médicos, médicos especialistas, clínicos gerais, enfermeiros responsáveis por cuidados gerais, dentistas, dentistas especialistas, veterinários, parteiras, farmacêuticos e arquitetos. (…) O desenvolvimento profissional contínuo deverá abranger os desenvolvimentos técnicos, científicos, regulamentares e éticos e motivar os profissionais a participarem na aprendizagem ao longo da vida relevante para a sua profissão».

Em síntese:

– a diferenciação dos enfermeiros especialistas não é reconhecida adequadamente pelos atuais diplomas relativos às carreiras de Enfermagem, pelo que se concorda com a exposição apresentada pelos peticionários;

– os diplomas estão desadequados no que às funções e competências dos enfermeiros diz respeito e promovem a desregulação e estagnação profissional contrária aos interesses do cidadão;

– existe uma proporção significativa de cidadãos com necessidades em cuidados de Enfermagem especializados que não podem usufruir dos mesmos por incoerência legislativa. A legislação existente prevê formação em Enfermagem especializada e a atribuição de título de enfermeiro especialista, mas não lhe reconhece um espaço de atuação próprio;

– existe uma discricionariedade significativa na gestão das instituições de saúde que cria uma profunda desregulação da prática especializada em Enfermagem, que urge ser resolvida.

O Bastonário da Ordem dos Enfermeiros,

Enf. Germano Couto

Pub
José Correia Azevedo
Fonte : http://sersindicalista.blogspot.pt/2014/03/a-ordem-e-os-especializados.html?m=1
Looks like you have blocked notifications!

wolfspell

Administrador da PortalEnf e apaixonado pela Enfermagem. Queres ser Editor da PortalEnf e publicar artigos e notícias? Contata-nos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Permainan judi slot online terbaik

Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi
error: Alert: Conteúdo protegido !!