Saúde e bem-estar

Health Cluster Portugal saúda a nova Lei da Investigação Clínica

O HCP felicita, em comunicado de imprensa o Governo e o Parlamento Português pela aprovação da Lei da Investigação Clínica (Lei n.º 21/2014 de 16 de Abril), publicada hoje em Diário da República (https://dre.pt/pdf1sdip/2014/04/07500/0245002465.pdf).
A investigação clínica é uma actividade fundamental no processo de desenvolvimento e introdução no mercado de novos medicamentos e de tecnologias de diagnóstico e terapêutica, e assume um papel de grande relevância no desempenho das unidades de saúde, quer ao nível da prestação de cuidados, quer também aos níveis científico, educacional e organizacional. Os ensaios clínicos, em particular, garantem o acesso precoce, por parte dos participantes, a novas soluções terapêuticas, constituindo igualmente um importante contributo para o equilíbrio financeiro das unidades de saúde e, por decorrência, para a sustentabilidade dos sistemas de saúde. As actividades de investigação clínica representam ainda impactos positivos para a economia, quer pela geração de valor no tecido empresarial e pela atracção de investimento estrangeiro, quer pela criação de emprego qualificado.

 

De acordo com o Presidente da Direcção do HCP, Luís Portela, “é por todos reconhecido que a investigação clínica em Portugal, e especificamente o desenvolvimento de ensaios clínicos, tem contribuído para a melhoria das unidades de saúde e dos cuidados prestados. Contudo, não deixa de ser preocupante que, por uma menor adequação das condições da envolvente, o nosso país tenha vindo, de forma assinalável, a perder competitividade neste domínio ao longo dos últimos anos. Neste contexto, esta nova Lei inclui aspectos francamente positivos no sentido de impulsionar e agilizar os projectos de investigação clínica e de tornar Portugal mais competitivo nesta área, no contexto europeu e global. E, nesta medida, o HCP congratula-se pela aprovação da presente Lei”.

 

Desde a sua criação, o HCP tem vindo a trabalhar na reflexão e na procura de caminhos para a concretização deste desígnio, sendo a sua acção focada em quatro eixos chave:
1) Promover a colaboração mutuamente vantajosa entre as autoridades de saúde e as empresas do sector, tendo como foco o benefício do doente, pelo reconhecimento público das vantagens da investigação clínica e dos ensaios clínicos.
2) Potenciar e ampliar o apoio dos agentes públicos e reguladores à inovação em Saúde, pela adopção das melhores práticas e pela eliminação de barreiras burocráticas, de forma a tornar os processos de aprovação cada vez mais céleres, e pela motivação e capacitação dos atores, num quadro de ampla colaboração entre as empresas, o sistema nacional de Saúde, as entidades reguladoras e o Governo.
3) Promover a capacitação e o enquadramento nas estruturas hospitalares das equipas de trabalho responsáveis pela negociação, gestão e implementação dos ensaios clínicos, conciliando a sua actividade com a prática clínica corrente das entidades hospitalares.
4) Fazer com que a mudança aconteça, através de iniciativas que mobilizem os agentes do sector e que promovam internacionalmente Portugal como um player competitivo neste domínio – casos, por exemplo, da rede “TRIS-HCP | Translational and Clinical Research Infrastructures Specialisation Platform – Health Cluster Portugal” (http://healthportugal.com/tris-hcp), e da plataforma SciPort (www.scienceportugal.com).

 

Alguns dos aspectos positivos a destacar na nova Lei, de acordo com o HCP:
1) Criação de um enquadramento legal mais abrangente e harmonizado.
▪ A Lei contempla outros tipos de estudos para além dos relativos aos medicamentos de uso humano, como sejam os estudos clínicos de dispositivos médicos, e estudos clínicos sem intervenção.
2) Criação do Registo Nacional de Estudos Clínicos (RNEC)
▪ Registo transparente de todos os stakeholders e submissão electrónica dos estudos clínicos.
▪ Permite uma análise continuada do status de avaliação dos estudos clínicos pelas diferentes entidades.
▪ Permite a divulgação da investigação clínica nacional ao público em geral, aos profissionais e aos investigadores.
3) Criação da Rede Nacional de Comissões de Ética para a Saúde (RNCES)
• Especialmente relevante na promoção da harmonização das avaliações dos estudos clínicos e o reconhecimento mútuo entre Comissões de Ética para a Saúde (CES) e
Comissões de Ética Competentes (CEC).
4) Prazos mais competitivos
▪ Redução de prazos de avaliação/aprovação – nos casos da CEIC e do INFARMED.
▪ Inclusão de prazos de aprovação – no caso da CNPD.
▪ Definição de prazos para decidir a aprovação dos contratos financeiros ao nível dos Centros de Estudos Clínicos.
Ao preconizar princípios de simplificação, de agilização, de harmonização e de uma cada vez maior transparência nos processos e nas práticas associadas à investigação clínica e ao seu enquadramento legal e regulamentar, a nova Lei antecipa, em certa medida, uma desejável aproximação à proposta de Regulamento Europeu (“Clinical Trials Regulation” – http://ec.europa.eu/health/human-use/clinical-trials/index_en.htm#rlctd;http://register.consilium.europa.eu/doc/srv?l=EN&t=PDF&gc=true&sc=false&…), que num futuro próximo redefinirá o cenário da investigação clínica na Europa.

 

Publicidade

Reconhecendo a importância da nova Lei para a competitividade de Portugal no domínio da investigação clínica, o HCP está também ciente de que a sua efectiva implementação será um processo exigente. Por um lado, as alterações previstas irão requerer um reajustamento das capacidades dos vários intervenientes. Por outro, a transição para este novo enquadramento e a capacidade de explorar plenamente o seu potencial exigirão uma articulação muito próxima entre todos os atores, sobretudo à luz de um quadro regulamentar europeu também ele em fase de eminente e profunda mutação.

 

O HCP continuará a desenvolver todos os esforços no sentido de potenciar os resultados da implementação da nova Lei da Investigação Clínica, contribuindo para o estabelecimento de pontes entre todas as partes interessadas e, na medida da sua vocação, apoiando as actividades dos agentes do sector – sobretudo dos seus associados –, dando assim cumprimento à sua missão de transformar Portugal num player competitivo na investigação, concepção, desenvolvimento, fabrico e comercialização de produtos e serviços associados à Saúde.

 

Fonte : rcmpharma

Este artigo é útil?

Sim Não
×

O que está errado?

Este artigo contém informação errada.

Este artigo não contém a informação que eu procuro

×

Como podemos melhorar?

×

Agradecemos o seu feedback!

A sua resposta irá servir para melhorarmos o conteúdo da PortalEnf!

Segue-nos nas redes sociais::

Facebook Pinterest
Looks like you have blocked notifications!

Pub

wolfspell

Administrador da PortalEnf e apaixonado pela Enfermagem. Queres ser Editor da PortalEnf e publicar artigos e notícias? Contata-nos!

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Permainan judi slot online terbaik

Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi