Saúde e bem-estar

Médicos pedem ao Ministério que reactive antigo sistema de prescrição

Um médico gasta em média 20% mais de tempo numa consulta à custa do actual sistema de prescrição electrónica de medicamentos. Os bloqueios constantes e a desactualização das bases de dados então entre as queixas que levam os profissionais de saúde a apelar ao Governo para que reactive o link que permite o acesso ao antigo sistema de receitas electrónicas. O Ministério da Saúde ainda não respondeu, mas Paulo Macedo já reconheceu publicamente as falhas do sistema, avança o jornal Público.

 

As Unidades Funcionais (UF) do Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS) Baixo Vouga e a Ordem dos Médicos apresentaram esta quarta-feira um apelo formal a Paulo Macedo para que aprove a reactivação do link que permite que, via SAM (Sistema de Apoio ao Médico), os médicos tenham acesso à prescrição electrónica anteriormente utilizada, em alternativa ao actual sistema de Prescrição Electrónica Médica (PEM).

 

Em causa estão as constantes falhas do PEM e a convicção dos profissionais de saúde de que “não estão reunidas as condições técnicas para que o programa possa ser utilizado de forma eficiente”. As queixas relativamente ao sistema de receitas electrónicas acumulam-se desde a sua entrada em vigor em 2013. As falhas do sistema e a desactualização das bases de dados de medicamentos são apontadas como as principais lacunas.

 

José Manuel Silva, bastonário da Ordem dos Médicos, explica que “de norte a sul, todos os médicos repetem as mesmas dificuldades e solução seria simples: repor o anterior sistema. É uma questão de bom senso”, conclui.

 

No documento apresentado pelo ACeS Baixo Vouga e subscrito pela Ordem dos Médicos, os profissionais alegam que as falhas do PEM comportam “graves implicações na produtividade, na eficiência e sobretudo na qualidade da assistência” aos utentes. Os profissionais apontam, desde logo, o tempo despendido com o programa electrónico, que corresponde a 20% mais do que o tempo normal da consulta e, muitas vezes, a situação agrava-se quando o ecrã bloqueia e não permite efectuar qualquer outra operação. São também frequentes os casos em que o sistema duplica ou omite o fármaco prescrito na receita ou ainda aqueles em que não é permitido o acesso aos medicamentos de doentes crónicos.

 

Além de médicos e utentes, a situação afecta as farmácias. De acordo com José Manuel Silva, a desactualização das bases de dados e a “dificuldade de acesso ao interface do Infarmed” fazem com o que o médico prescreva ao doente um determinado medicamento, com respectivo preço associado, que depois pode não estar disponível na farmácia. O utente vê-se assim obrigado, na maior parte dos casos, a optar por um substituto mais caro e essa situação faz com que se sinta enganado pelo farmacêutico.

 

Atrasos nas consultas

 

Os atrasos constantes nas consultas por conta do sistema informático também revoltam os doentes e obrigam o médico a acatar uma responsabilidade que não é sua. José Manuel Silva diz que com o actual sistema “o médico preocupa-se mais com o computador do que com o doente” o que inverte completamente os objectivos da consulta. O documento chega mesmo a referir casos em que, solidário com o médico, o utente se disponibiliza para passar mais tarde na unidade de saúde para ir buscar a receita.

 

Os profissionais de saúde acusam ainda o Ministério de não respeitar o princípio da igualdade de tratamento dos médicos e dos utentes uma vez que, em certas unidades funcionais, ainda é possível prescrever através do antigo sistema. Essas funcionam com normalidade, ao contrário das que apenas podem recorrer ao PEM, que estão sujeitas a falhas, erros e atrasos.

 

A ACeS e a Ordem dos Médicos reconhecem que o PEM é uma aplicação informática com uma “arquitectura interessante” mas a falta de condições técnicas para o funcionamento eficiente do programa justifica que haja uma alternativa. É nesse sentido solicitada “com a máxima urgência” a reactivação do antigo link para que, via SAM, todas as equipas tenham acesso à prescrição electrónica anteriormente utilizada.

 

O software de prescrição electrónica de medicamentos está a cargo dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS). O portal online do serviço disponibiliza um local específico em que profissionais de saúde e utentes podem reportar situações em que o PEM não tenha funcionado correctamente. Também o ministro Paulo Macedo já veio reconhecer publicamente as falhas do novo sistema de prescrição electrónica, garantindo que a tutela está a trabalhar para melhorar o programa o mais rapidamente possível. José Manuel Silva explica, no entanto, que as queixas sucessivas da Ordem nunca tiveram qualquer resposta e que espera agora ver o resultado do apelo dirigido ao Ministério.

 

Fonte: Público
http://www.publico.pt/sociedade/noticia/medicos-pedem-ao-ministerio-da-s…

Looks like you have blocked notifications!
Pub

wolfspell

Administrador da PortalEnf e apaixonado pela Enfermagem. Queres ser Editor da PortalEnf e publicar artigos e notícias? Contata-nos!

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Permainan judi slot online terbaik

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.
Partilha isto com um amigo
pasaran togel