Códigos de Ética de 16 hospitais já proíbem funcionários de aceitar prendas

0 6

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Dezasseis hospitais públicos já têm códigos de ética que proíbem a todos os funcionários receber ofertas ou bonificações pelo exercício das suas funções. A intenção do governo de tornar obrigatórios em todo o SNS códigos de ética com regras como esta foi conhecida na semana, com a divulgação de um projecto de despacho sobre esta matéria. O governo ainda não clarificou que ofertas pretende regular e nos documentos em vigor há diferentes abordagens, avança o jornal i.

O Hospital Amadora-Sintra, por exemplo, admite “ofertas de valor simbólico” de doentes ou familiares mas também patrocínios de formação individual ou colectiva assumidos por fornecedores, desde que autorizados. Já o Hospital de Santarém é o único a explicitar que a recusa abrange ofertas de fornecedores mas também de doentes, avança o i.

Uma análise do i aos sites dos 45 centros hospitalares do SNS revela que 19 instituições têm códigos aprovados e publicitados nas suas páginas, os mais antigos de 2010. A maioria prevê sanções disciplinares em caso de violação do estabelecido em matéria de deveres e direitos.

Entre as unidades com códigos aprovados, apenas três não referem o dever de “abster-se de aceitar” ou de recusar ofertas. É o caso do Centro Hospitalar Lisboa Central, Unidade Local de Saúde da Guarda e IPO de Coimbra. Nos códigos das restantes unidades, essa obrigação surge como princípio de “integridade” e em alguns casos restringe-se a ofertas passíveis de influenciar o comportamento.

Na Unidade Local de Saúde de Matosinhos, o impedimento de aceitar bonificações que possam ser consideradas ou interpretadas como tentativa de influenciar o profissional no favorecimento de terceiros estende-se à participação em eventos com fins lúdicos.

O projecto de despacho da tutela estabelece que nos futuros códigos de ética a elaborar internamente com base num quadro de referência nacional, além de os colaboradores não poderem “solicitar ou aceitar, directa ou indirectamente, dádivas e gratificações, em virtude do exercício das suas funções”, todos os bens recebidos deverão ser entregues à Secretaria-Geral do Ministério da Saúde para doação. Este ponto do projecto já motivou críticas da Ordem e do Sindicato Independente dos Médicos, que no seu site questionou a logística que tal operação vai implicar.

Também o bastonário dos Médicos acusa o governo de não saber avaliar as “consequências e possibilidades das suas iniciativas legislativas”. “Vai instituir um sistema nacional de recolha de livros, de esferográficas, de galinhas, de ovos e de couves”, reagiu na página da Ordem José Manuel Silva.

Há uma semana que o i questiona a tutela sobre se haverá algum limite máximo para as ofertas e se será proibida a recepção de ofertas de doentes, uma vez que o projecto de despacho refere “ofertas institucionais.” Até ontem não houve resposta.

Fonte: i
http://www.ionline.pt/artigos/portugal/codigos-etica-de16-hospitais-ja-p…

Gostar
Seguir
google

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina a nossa Newsletter e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo