Estudar lágrimas de doentes ajuda a detectar Alzheimer “mais cedo”

0 12

O Centro de Investigação de Enfermidades Neurológicas, de Espanha, vai estudar lágrimas de 90 doentes com Alzheimer de Leão e da Associação de Familiares de Doentes de Soria (AFA Soria) para “diagnosticar mais cedo e melhor” a doença, avança a agência Lusa, citada pelo Diário Digital.

O director do projecto de investigação, Alberto Rábano, explicou, em conferência de imprensa, que o estudo visa encontrar a proteína TAU, que é “muito abundante” no sistema nervoso, está relacionada com o “envelhecimento cerebral” e serve como um “biomarcador” da doença, noticiou a agência Efe.

Desta forma, podiam se evitados métodos mais agressivos para a análise de detecção desta proteína, como a punção lombar para retirar líquido cefalorraquidiano, que apresenta “riscos” embora seja um método comum nas investigações realizadas em países do norte da Europa.

O investigador explicou que a investigação parte da hipótese de que nas lágrimas se pode estudar essa proteína, comparando-a em pessoas em estados menos avançados de patologias demenciais com outras em estados intermédios ou em situação extrema da doença.

Por isso é que foi escolhida Leão para captar voluntários, mediante uma consulta prévia, por uma questão de organização, já que se trata de uma região onde existem “pacientes com diferentes graus de afecção cognitiva”, explicou.

Com este estudo, podemos começar a perceber “que grupos populacionais estão em risco”, disse o director da investigação, sublinhando que o objectivo não é estabelecer medidas preventivas, mas sim abrir um novo caminho de pesquisa para que, no futuro, obtenham “novas possibilidades de tratamento”.

Os resultados do estudo seriam adicionados a outras formas de encontrar os primeiros sintomas que podem resultar no aparecimento de Alzheimer, como a análise genética, a fim de saber que tipo de população apresenta mais riscos.

Até agora, sabe-se que as pessoas com mais de 65 anos têm mais probabilidades de apresentar a doença – com predominância na população feminina -, a qual os investigadores vão “percebendo pouco a pouco” e cujos estudos apontam para a existência de grupos populacionais com riscos acrescidos.

O Centro de Investigação de Enfermidades Neurológicas (CIEN) é uma fundação do sector público relacionada com a Fundação Rainha Sofia e supervisionada e coordenada pelo Instituto Carlos III, que conta com vários projectos sobre a doença de Alzheimer.

Para a responsável do núcleo de Alzheimer de Leão, Milagros García, há que apostar na investigação e formação sobre a doença, porque para tratar os pacientes “há que saber entendê-los”.

Fonte: Lusa/Diário Digital
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=708778

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina aqui a nossa Newsletter e recebe todas as novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinar. Vais receber um mail... verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo