Saúde e bem-estar

Há “iniquidades” no sistema de saúde e dois mundos: o real e o oficial

A coordenadora do Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS), Ana Escoval defendeu que o Plano Nacional de Saúde, publicado na sexta-feira, é “preocupante” e que acentua a ideia de que é necessário desenvolver “planos locais de saúde” que “considerem as reais necessidades da população”. As assimetrias regionais no acesso à saúde, para além das desigualdades sociais, foram denunciadas por vários médicos, durante a apresentação do Relatório de Primavera 2014, em Lisboa, intitulado este ano “Saúde – Síndroma de Negação”, avança o jornal Público.

Ana Escoval alerta para a existência “ iniquidades no sistema de saúde” e, embora ressalvando que se trata de uma primeira leitura, considera que “a plausibilidade das metas” para 2016 do Plano Nacional de Saúde é “desastrosa em vários indicadores”: “Este documento acentua a ideia que temos defendido sobre a necessidade de operacionalizar a estratégia nacional em planos locais de saúde inteligentes e que considerem as reais necessidades da população”, defendeu, acrescentando que existem relatos diários sobre “dificuldades e sofrimento dos cidadãos”.

Na apresentação do estudo, Ana Escoval, considerou que prevalece em Portugal e na Europa “o silêncio”, tentando-se demonstrar que “não há impacto negativo da crise de forma significativa para a saúde das pessoas”: “Porque será?”, questionou. E acrescentou que continua a haver dois mundos sobre esta realidade: “O oficial, dos poderes, onde, de acordo com a leitura formal, as coisas vão mais ou menos bem, previsivelmente melhorando a curto prazo, e um outro da experiência real das pessoas, conjugadamente com o facto de qualquer notícia menos boa ser prontamente desvalorizada ou atalhada com respostas tardias e pouco realistas.” A coordenadora defende ainda que “os efeitos económicos da crise sobre a saúde são evitáveis se se investir simultaneamente na protecção social e na saúde pública.”

Também na coordenação deste observatório, Manuel Lopes, alertou para o facto de não haver “discussão sobre o impacto da crise na saúde, havendo diferenças entre o discurso político e a prática. Este coordenador queria que houvesse uma ““relação adulta com quem está na posse dos dados”. Entre alguns dos aspectos negativos evidenciados pelo relatório, salientou o facto de o centralismo poder ser “muito prejudicial à saúde” e o facto de haver “incapacidade de resposta dos recursos humanos”. Esta atitude de “não discussão” tem consequências na vida das “pessoas mais vulneráveis”.

Na cerimónia, a presidente da comissão parlamentar de saúde, Maria Antónia Almeida Santos, considerou que o título do relatório “apropriado” e mostrou-se preocupada com o facto de haver “dificuldade” da parte dos investigadores em obterem dados “ao longo dos anos”: “Não sabemos o verdadeiro impacto da crise económica e financeira na saúde dos portugueses”, disse, acrescentando que lhe chegam, por exemplo, de associações de doente “testemunhos preocupantes”. Questionado pelos jornalistas à margem da cerimónia, o director-geral de Saúde, Francisco George disse apenas que irá analisar o relatório e que estão “em contacto com os autores para ver das eventuais dificuldades de acesso a dados”: “ “Isso tem de ser corrigido.”

País real

O médico Francisco Amaral, que é presidente de Câmara de Castro Marim e já foi em Alcoutim, descreveu a dificuldade que as pessoas da serra algarvia têm para se deslocarem em determinadas áreas do país e que “o verdadeiro Ministério da Solidariedade Social são as autarquias”: “As pessoas batem-nos à porta para financiar óculos, medicamentos…” Criticou o tempo de espera a consultas de neurocirurgia no Algarve, “dois a três anos”, e o facto de haver quem possa fazer exames no privado – como ressonâncias magnéticas que custam 400 euros – e quem não possa.

Queixou- se também de como autarca “não ser tido nem achado” sobre as decisões do Ministério da Saúde no que se refere, por exemplo, ao encerramento de extensões de saúde.

Publicidade

A endocrinologista Isabel do Carmo também defendeu que “as decisões têm de ser locais”. A especialista alertou para “desigualdades” e “deficiências” no acesso aos serviços de saúde e sublinhou que em Portugal mais de 30% dos custos com a saúde saem do bolso dos particulares: “Mas há os que têm dinheiro para sair do bolso e os que não têm”, disse, frisando também haver “diferenças” no acesso aos meios de diagnóstico. Sobre a portaria de Abril que classifica os hospitais, salientou que, segundo o documento, “não há abaixo do Tejo nenhum hospital com todas as especialidades”: “Há uma enorme desigualdade no país.” Isabel do Carmo considerou ainda que há “altas precoces” nos hospitais, sobretudo desde 2011, devido à “supressão de camas hospitalares”: “E há diferença entre quem pode ter um doente em convalescença em casa e quem não pode.”

Já o psiquiatra José Fidalgo de Freitas criticou a burocracia necessária para obter, entre outros documentos, por exemplo credenciais: “É um circuito infernal para os doentes.” E defendeu mesmo que muitas baixas consideradas fraudulentas pelas juntas não o são – o que acontece é que as pessoas não levam a documentação necessária devido à burocracia e devido às dificuldades de “acessibilidade” fora dos grandes centros: “O acesso dos doentes é complicadíssimo.” O especialista aproveitou ainda para ironizar: “A maioria não tem um amigo médico, enfermeiro, amigo do administrador para ter acesso ao hospital.”

Sobre as assimetrias regionais, o psiquiatra considerou “afrontoso ver os recursos” que há, por exemplo, em Coimbra: “Deve ser a área concelhia do mundo com mais médicos por habitante”, disse, acrescentando que estas “assimetrias são antidemocráticas e imorais”.

Também presente no debate, o fundador do Observatório e professor de Economia da Universidade de Coimbra, Pedro Lopes Ferreira, aproveitou para lembrar que os portugueses são “dos cidadãos europeus que mais pagam” para se manterem saudáveis e considerou que as “dificuldades em aceder aos dados” devem-se a não querer pôr em causa a imagem da saúde. O docente defendeu ainda que há um “não acompanhamento regular das medidas” tomadas e frisou que o que se espera “ duma boa governação” é que seja transparente e previna os impactos da crise na saúde.

Fonte: Público
http://www.publico.pt/sociedade/noticia/ha-iniquidades-no-sistema-de-sau…

Looks like you have blocked notifications!

Pub

wolfspell

Administrador da PortalEnf e apaixonado pela Enfermagem. Queres ser Editor da PortalEnf e publicar artigos e notícias? Contata-nos!

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Permainan judi slot online terbaik

Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi