Saúde e bem-estar

Porque andam exaustos os nossos enfermeiros? Resposta da OE

Após as “infelizes” palavras do Ministro da Saúde na tentativa de explicar a exaustão dos Enfermeiros, justificando-se com a acumulação de funções no setor privado e social (ver notícia), vem agora a Ordem dos Enfermeiros responder através de um comunicado publicado no site da OE e veiculado via mail.

Nesse comunicado, a OE responsabiliza “os decisores políticos pelas consequências que podem advir para a qualidade e segurança dos cuidados de enfermagem se continuarem a ser ignorados os sinais de exaustão dos profissionais”.

Os serviços de saúde em Portugal “estão em clara ruptura” pela falta de preocupação dos decisores políticos, refere a Ordem, que apela ao ministro da Saúde “para que reconheça a influência destes factores na segurança e qualidade dos cuidados a que os cidadãos têm constitucionalmente direito, não os banalizando e confundindo com factores económicos”.

A Ordem dos Enfermeiros lembra um estudo Europeu publicado recentemente pela Universidade Católica, que identificou um nível de exaustão muito elevado nos enfermeiros portugueses, bem como uma enorme insatisfação com a progressão na carreira e com o seu nível salarial que, faço questão de salientar, é bem mais baixo que as outras classes com o mesmo grau académico.

Nesse comunicado também há referência a outros estudos que relacionam os níveis de exaustão dos enfermeiros com resultados negativos para os doentes, identificando maiores riscos de erro, quase-erro ou resultados aquém do esperado.

Pode ler-se no comunicado um conjunto de factores que justificam a exaustão dos enfermeiros tais como:

– elevada responsabilidade relacionada com o cuidar de doentes complexos;
– constante contacto com a morte e com o processo de luto;
– turnos longos (por falta de enfermeiros nas instituições);
– elevado número de doentes por enfermeiro (quanto maior o número, maiores os níveis de stress);
– o trabalho por turnos (e a impossibilidade de criar hábitos regulares);
– a realização de turnos noturnos e o seu impacto negativo na saúde e na relação trabalho/família/amigos/vida pessoal;
– sujeição a abusos verbais e físicos frequentes amplamente subnotificados;
– incapacidade dos gestores resolverem questões práticas de cariz profissional do quotidiano do enfermeiro;
– condições de trabalho desadequadas;
– falta de perspetiva de progressão na carreira;
– défice de reconhecimento de competência adquiridas;
– remuneração não compatível com as competências e responsabilidades;
– cargas de trabalho excessivas por baixas dotações de enfermeiros.

Aproveito para acrescentar aqui a lei das 40 horas semanais que não tem em conta a penosidade da classe, o que obriga muitas vezes a que os enfermeiros trabalhem continuamente durante semanas com apenas uma única folga por semana e por vezes com apenas 8 horas entre turnos diferentes. E isto não é em acumulação de funções… é a realidade!

Pode consultar o comunicado aqui… (link)

Veja também a Resposta de alguns enfermeiros a estas declarações do Ministro da Saúde no artigo “Onda de indignação dos enfermeiros nas redes sociais!

Looks like you have blocked notifications!
Pub

Portalenf Comunidade de Saúde

Artigos e Notícias de Saúde e de Enfermagem

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Permainan judi slot online terbaik

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.
Partilha isto com um amigo
pasaran togel