Saúde e bem-estar

Dois terços dos doentes não deviam estar no hospital revela estudo

A comissão da Fundação Calouste Gulbenkian que no último ano e meio se dedicou a estudar o quebra-cabeças da sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde concluiu que dois terços dos doentes atendidos nos hospitais devia antes ter acesso a mais cuidados de proximidade, como apoios no domicílio. A comissão vai agora lançar três projectos para mostrar que é possível uma mudança de paradigma, estimando poupanças para o Estado superiores a 200 milhões de euros por ano. Os peritos defendem que esta mudança é mais vital para a sustentabilidade financeira do SNS do que haver mais dinheiro.

O trabalho da Gulbenkian, esta semana apresentado a Cavaco Silva, ao governo e aos deputados, faz recomendações em sete áreas. Se os autores admitem que muitas conclusões não são novidade, destacam um “défice de implementação” de medidas que tem mantido inalteradas incoerências no sistema, como os hospitais ficarem com mais de metade das verbas para a saúde enquanto as doenças crónicas somam 70% dos encargos.

Os três projectos, destinados a reduzir as infecções contraídas nos hospitais, a diabetes e a promover melhorias na saúde e bem-estar das crianças, acabam por reflectir as ideias chave defendidas pelos peritos. “Queremos provar que é possível mudar”, resumiu ao i Nigel Crisp, mentor de reformas de saúde no Reino Unido e coordenador dos trabalhos.

Um dos projectos, que a fundação tenciona implementar em dez hospitais já em 2015, visa a redução das infecções contraídas nos hospitais a metade em três anos. Os peritos defendem que todos os hospitais devem começar a divulgar mensalmente a percentagem de doentes que acaba por apanhar uma infecção durante o internamento, complicando o prognóstico. Com base nessa informação, as unidades com melhor desempenho poderão “apadrinhar” os piores e debater boas práticas. Nigel Crisp adianta que, em Inglaterra, as taxas de infecção chegam a ser afixadas à porta das instituições, para serem do conhecimento de profissionais e utentes. O mesmo já é feito com taxas de mortalidade em tratamentos, o que defende que seria vantajoso em Portugal.

Um segundo projecto visa prevenir 50 mil novos casos de diabetes até 2020 e assenta em sinergias entre associações doentes e autarquias, outro princípio defendido pela comissão. Nesta área, a intenção da Gulbenkian é apoiar iniciativas a nível local que incentivem a alimentação saudável e o exercício. Já o terceiro projecto, de longo prazo, corporiza a ideia de que a saúde não depende apenas do SNS. O objectivo da comissão é juntar académicos, profissionais de saúde, escolas e pais na definição de um programa de desenvolvimento infantil que permita avaliar o bem-estar nas crianças e ajude a prevenir problemas como obesidade.

Se a obesidade e pobreza infantil mereceram uma chamada de atenção dos peritos, há uma área em que consideram que o país enfrenta um desafio tão grande como foi o da redução da mortalidade infantil nos últimos 40 anos: aos 65 anos, um português pode esperar viver apenas mais seis anos saudável enquanto na Noruega a expectativa são mais 15.

FUNDO DE TRANSIÇÃO Mais do que soluções fechadas, a comissão apresenta projectos internacionais e nacionais que ajudaram a resolver lacunas agora identificadas em Portugal, por exemplo “um manual do doente”, que na Noruega melhorou a interacção dando pistas de perguntas a fazer numa ida ao médico. Portugal é dos países com uma nível de literacia em saúde mais problemático, sobre o qual a comissão defende que importa intervir. Os peritos sublinham que o aumento da informação sobre saúde deve ser promovida porque, tal como a qualidade, reduz custos. Estimam que um doente que se envolve nos cuidados custe menos 20%.

A Gulbenkian defende que a mudança no sistema para uma organização mais centrada nas pessoas não pode esperar. Embora garantam que, a longo prazo, pagar-se-á a si própria, admitem que para já é preciso investimento. Propõem por isso a criação de um fundo de transição, verbas extra enquanto não se percebe que vagas são abertas nos hospitais por mais cuidados de proximidade.

A criação de um organismo independente para supervisionar a qualidade dos cuidados, maior acesso dos utentes à sua informação clínica e maior envolvimento das autarquias na oferta de cuidados são outras propostas da comissão. Como é que os municípios aumentarão o investimento na actual conjuntura é pergunta que fica sem resposta, ou com a resposta compatível com o estudo. Para a Gulbenkian, trata-se de um plano de reforma do sistema a 25 anos. Nesse sentido pedem mesmo um novo pacto nacional nesta área, em linha com apelos recentes de Marcelo Rebelo de Sousa ou António Arnaut. A ideia é que o planeamento da saúde e uma visão consensual para o futuro seja imune aos ciclos políticos.

 

Programas

Três projectos da Gulbenkian para a saúde sustentável

Reduzir infecções hospitalares para metade 

A Fundação pretende apoiar dez hospitais na redução das taxas de infecção hospitalar para metade num prazo de três anos. O projecto passaria por uma maior monitorização e por um sistema de tutoria: os hospitais com melhor desempenho apadrinhariam as unidades com mais dificuldades na redução dos casos de infecção contraídos no hospital. A Gulbenkian estima que um programa desta natureza poderia representar anualmente uma poupança de 140 milhões de euros, dado que a demora nas altas por causa de complicações que resultam de infecções evitáveis custa ao SNS 280 milhões por ano.
Menos 50 mil casos de diabetes
Portugal tem a taxa de diabetes do tipo 2 mais elevada da Europa (afecta 14% da população) e todos os anos surgem 60 mil novos casos. Um dos programas que a Gulbenkian pretende lançar em 2015 visa evitar que 50 mil pessoas  em risco desenvolvam a doença nos próximos anos, o que levaria a uma poupança anual de 45 milhões de euros. O objectivo é apoiar a Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal na criação de coligações da diabetes, iniciativas a nível local de sensibilização e alteração de factores
de risco, como má alimentação ou sedentarismo, que juntem serviços  de saúde, autarquias e empresas.
Saúde e bem-estar das crianças 
Depois da redução da mortalidade infantil nas últimas décadas, a Gulbenkian defende ser necessário melhorar outros indicadores, como a elevada taxa de pobreza infantil – associada a piores indicadores de saúde ao longo da vida – mas também obesidade. Uma das inspirações para o projecto que pretendem lançar é a iniciativa escocesa Early Years Collaborative: definiu objectivos de desenvolvimento e todas as crianças são avaliadas a cada 17/30 meses em áreas como nutrição mas também desempenho escolar, de forma a promover iniciativas direccionadas às principais lacunas. A iniciativa envolve serviços de saúde, escolas mas também associações de pais. A Gulbenkian estima que um programa deste género em Portugal poderia poupar 80 milhões de euros por ano ao longo da vida da geração de crianças que hoje têm até 5 anos.
Fonte: Ionline

Looks like you have blocked notifications!

Pub

Portalenf Comunidade de Saúde

Artigos e Notícias de Saúde e de Enfermagem

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Permainan judi slot online terbaik

Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi
error: Alert: Content is protected !!