Acesso às urgências complicado e internamentos bloqueados nalguns hospitais

0 11

O acesso aos serviços de urgências de alguns hospitais do país complicou-se nos últimos dias, com tempos de espera que chegam a atingir as 18 horas, situação agravada pelo bloqueio no internamento nalgumas unidades por falta de camas.

No Grande Porto, os serviços de urgência dos hospitais de Gaia, Santo António e São João (Porto) estavam hoje ao final da manhã com uma afluência acima do normal, mas, contactados pela Lusa, todos referiram que a situação não é caótica.

No Hospital de Gaia o principal problema é a falta de camas para internamento. De acordo com uma fonte hospitalar, os doentes são obrigados a permanecer horas em observação no serviço de urgência até que seja possível transferi-los.

A mesma fonte referiu que se encontram nesta situação cerca de meia centena de doentes.

No Hospital de Santo António, a urgência regista também uma procura acima da média, mas o serviço “não está caótico”.

Fonte hospitalar referiu que foi decidido reforçar o número de camas de internamento, o que tem permitido encaminhar os doentes sempre que necessário. Na passada sexta-feira, que foi considerado “um dos piores dias”, foram atendidas 424 pessoas, quando a média é de 300.

No Hospital de São João, de acordo com o diretor do Serviço de Urgência, João Sá, “a situação é idêntica” ao que se está a passar a nível nacional.

“Nos últimos dias, tivemos doentes urgentes que esperaram, em média, quatro horas para serem atendidos”, lamentou o responsável.

João Sá considerou que “o aumento da procura é tradicional desta época, mas o aumento da procura interligado ao problema da escassez de recursos humanos faz com que a situação se agrave. Aconteceu agora e vai continuar a acontecer, se não se mudarem as regras de contratação de profissionais para as urgências”.

No Hospital Padre Américo, em Penafiel, interior do distrito do Porto, a segunda maior urgência médico-cirúrgica do norte do país, a situação é considerada “normal para a época”, confirmando-se uma forte afluência de doentes.

Barros da Silva, diretor clínico, disse à Lusa que nos últimos dias foram reforçadas as equipas nas urgências “para fazer face aos picos de afluência que já eram esperados”.

Fonte da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM) disse à Lusa que “apesar de um aumento do número de admissões no serviço de urgência, a situação ainda não compromete significativamente os tempos de espera para a primeira observação médica”.

“Comparando com o período homólogo de 2013 (correspondendo aos dados aproximados da última semana de 2014 e início de 2015) constatou-se globalmente um aumento do número de admissões no serviço de urgência da ULSAM”, explicou.

A ULSAM integra os hospitais de Viana do Castelo e Ponte de Lima, além de 13 centros de saúde.

No Centro Hospitalar da Cova da Beira, que agrega os hospitais da Covilhã e do Fundão, tem havido um ligeiro aumento da procura do serviço de urgências e, logo, um maior tempo de espera para o atendimento.

O presidente da Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, Vieira Pires, disse hoje à Lusa que o serviço de urgência do Hospital Amato Lusitano (HAL) está a funcionar “sem problemas”, apesar de uma afluência de doentes “acima da média”, tendo o serviço de urgência sido reforçado com mais médicos desde o dia 01 de janeiro”.

Já em Loures, segundo fonte hospitalar, hoje de manhã havia 30 doentes para internar e, apesar de estar a 100%, ainda havia capacidade para internamentos devido às altas de outros doentes.

Na segunda-feira havia 18 médicos na urgência devido a um “reforço normal que acontece às segundas-feiras, enquanto hoje estão 17 médicos ao serviço”.

A maior parte dos casos de urgência são doenças respiratórias, pessoas mais velhas, doenças crónicas que se agravam, acrescentou a fonte.

No hospital de Abrantes, unidade que agrega as urgências dos hospitais de Tomar e Torres Novas, do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT), distrito de Santarém, os bombeiros debatem-se “de forma recorrente” com o problema da falta de macas.

Em declarações à Lusa, o comandante dos Bombeiros Voluntários de Abrantes, António Jesus, disse que as ambulâncias, e respetiva tripulação, ficam “retidos no hospital por falta de macas durante várias horas e de forma recorrente, comprometendo o socorro às populações”.

Questionado pela agência Lusa, o Conselho de Administração do CHMT, através da ARS de Lisboa e Vale do Tejo, disse que, no período entre o dia 1 e 4 de janeiro, o número de atendimentos no Serviço de Urgência Médico Cirúrgica do CHMT foi de 607 episódios, com um tempo médio de espera entre a triagem e o atendimento médico de uma hora e 23 minutos.

No Centro Hospitalar do Baixo Vouga, que integra as unidades de Estarreja, Aveiro e Águeda, a Urgência do Hospital de Aveiro registou na manhã de hoje alguns picos de afluência, que obrigaram a um reforço de meios e à transferência de alguns doentes para o Hospital de Águeda, que socorreu a unidade de Aveiro também em macas.

“Para já, ainda não está nenhum cenário grave e temos conseguido dar resposta aos bombeiros. Estava uma corporação em espera, mas nós já providenciamos mais quatro marcas, que fomos buscar a Águeda, e esse problema vai deixar de existir”, disse a responsável pela comunicação.

Segundo descreveu à Lusa, verificaram-se alguns picos de afluência, sobretudo de pessoas idosas, adiantando que três doentes foram transferidos para o Hospital de Águeda, para conseguir libertar camas, dada a dificuldade de escoamento, sentida sobretudo na área da Medicina.

No Hospital de Aveiro permanecem dezenas de doentes à espera de vaga nos cuidados continuados, cujas camas são necessárias para escoar os doentes da urgência e, segundo Rosa Aparício, “foi pedido ao serviço social para fazer novo contacto com essas unidades”.

Já no Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga, a principal unidade, o Hospital de São Sebastião, em Santa Maria da Feira, a situação foi descrita como normal para a época do ano pelas relações públicas.

Nos últimos dias, a afluência ao Serviço de Urgência do Hospital de Beja também “tem sido normal para a época” e o atendimento aos doentes tem acontecido “dentro dos tempos previsíveis”, segundo fonte oficial da unidade hospital.

O mesmo não aconteceu em Évora, onde, entre sexta-feira e sábado, houve “um aumento do tempo de espera” por parte dos utentes, ultrapassando o recomendado”, devido à falta de médicos, segundo reconheceu o gabinete de comunicação.

Entre sexta-feira e sábado, utentes das urgências do hospital alentejano esperaram mais de 18 horas para serem atendidos, disseram à agência Lusa fontes da unidade de saúde, apontando como um dos motivos a falta de médicos.

Nas urgências do Centro Hospitalar do Algarve, que engloba as unidades de Faro, Portimão e Lagos, não tem havido registo de problemas e os tempos de espera estão “dentro do aceitável” para a época, segundo o diretor do departamento de Urgência, Emergência e Cuidados Intensivos.

De acordo com Luís Pereira, o tempo de espera para os doentes urgentes não ultrapassava os 60 minutos hoje de manhã no hospital de Faro, o maior dos três.

Segundo o médico, começaram hoje a ser integrados nas urgências do centro hospitalar 121 médicos internos, que vão contribuir para “agilizar procedimentos” e para um atendimento mais rápido.

Fonte: Diário Digital

O melhor da PortalEnf...

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...
Share This Article:

close

Segue-nos nas redes sociais!

Partilha isto com um amigo