Cuidados de Enfermagem no Acidente Vascular Cerebral (AVC)

-1
4 min de leitura

O AVC é uma redução repentina da circulação sanguínea no cérebro, sendo assim é interrompido ou diminuído o suprimento de oxigênio no cérebro, levando a lesão ou necrose de tecidos cerebrais. Por isso é essencial que a circulação volte ao normal o mais rápido possível.

Geralmente quem sofre um AVC tem lesões e incapacidades permanentes e pode ter uma recidiva. Apesar de acometer idosos com maior freqüência, o AVC pode ocorrer em qualquer idade, principalmente em homens.

Aproximadamente 80% dos acidentes vasculares cerebrais (AVC) são causados por um baixo fluxo sangüíneo cerebral (isquemia) e outros 20% por hemorragias tanto intraparenquimatosas como subaracnóideas (Neto 2002).

Fatores de Riscos

  • Hipertensão arterial sistêmica (HAS);
  • Diabetes;
  • Dislipidemia e obesidade;
  • Tabagismo;
  • Álcool;
  • Anticoncepcional oral;
  • Doenças associadas que acarretem aumento no estado de coagulabilidade do indivíduo.

Causas

As principais causas do AVC são trombose, embolia e hemorragias cerebrais, respectivamente.

Na trombose ocorre obstrução de um vaso sanguíneo, geralmente extracerebrais, sendo mais comum na meia-idade e em idosos.

A embolia não apresenta Sinai premonitórios, o êmbolo se forma num tempo de 10 a 20 segundos, geralmente na artéria cerebral média, pode ocorrer em qualquer idade, com especial atenção aos pacientes cardiopatas, com endocardites e arritmias.

Nas hemorragias cerebrais ocorre ruptura súbita de uma artéria cerebral provocada por aneurismas ou hipertensão crônica, e pode ocorrer repentinamente em qualquer idade.

Avaliação

A história do cliente pode apresentar perda de consciência, tontura, distúrbios mentais, convulsões, hemiparesia ou hemiplegia. O cliente pode estar inconsciente ou com alterações de consciência; quando consciente, pode apresentar ansiedade e distúrbios de mobilidade. Ao conversar com o cliente pode ser verificada dificuldade de comunicação como afasia ou disfasia, disartria e/ou apraxia. A inspeção pode verificar incontinência urinária.

Os testes de visão detectam hemianopsia do lado afetado; e problemas visuoespaciais quando ocorre hemiplegia do lado esquerdo. Testes da função sensorial podem detectar perdas sensoriais, dificuldade de interpretar estímulos visuais, táteis e auditivos. Testes de função motora e força muscular detectam perda do controle muscular voluntário e hemiparesia/hemiplegia em um dos lados.

Atenção!

  • Quando o AVC ocorre no hemisfério esquerdo sinais e sintomas aparecem no lado direito e quando ocorrem no lado direito eles aparecem no lado direito!
  • E se o AVC causar lesão nos nervos cranianos a disfunção do nervo ocorrerá do mesmo lado da lesão!

Complicações

Pode acometer o paciente uma instabilidade da pressão arterial, devido a perda do controle vasomotor; distúrbios do equilíbrio hidreletrolítico; desnutrição; défivit sensorial; infeccçõs como encefalite, abscesso cerebral e pneumonia; alteraçõe do nível do consciência; broncoaspiração; contraturas; e embolia pulmonar.

Tratamento

Em geral, o tratamento inclui reabilitação física, dieta e fármacos para reduzir os fatores de risco, e em alguns casos, cirurgia e cuidados que ajudem ao cliente a adaptar-se a déficits específicos. Os fármacos utilizados são:

  • Anticonvulsivantes como fenobarbital ou fenitoína;
  • Emolientes fecais, para evita esforço ao defecar;
  • Corticóides para diminuir o edema cerebral;
  • Analgésicos em caso de cefaléia por AVC hemorrágico;
  • Anticoagulantes como heparina, warfarina, e ácido acetilsalicílico em AVC relacionado a tombo ou êmbolo;
  • Dipiridamol que reduz a agressão plaquetária.

Diagnósticos de enfermagem

  • Manutenção do lar alterada, relacionada com déficits neurológicos irreversíveis secundários ao AVC, caracterizado por (dificuldade de locomoção, baixo auto-estima, visão debilitada).
  • Comunicação verbal prejudicada, relacionada com lesão neurológica do centro cerebral da fala secundária ao AVC, caracterizada por (afasia ou disfasia, disartria, apraxia).
  • Risco de baixo auto-estima relacionado a alteração súbita da função corporal.

Intervenção de Enfermagem

 

  • Na fase aguda deve-se afrouxar as roupas apertadas e manter a oxigenação adequada; caso o cliente esteja inconsciente ele deve ser deitada em posição de segurança, se necessário, aspirar as secreções; auxiliar na introdução de uma via respiratória artificial e administrar oxigênio suplementar, se for necessário.
  • O equilíbrio hidreletrolítico deve ser mantido, administrar líquido IV de acordo com a prescrição, vagarosamente; oferecer ingestão de líquido dentro das restrições.
  • Oferecer a cada 2 horas o urinol ou a comadre, em caso de incontinência urinária, oferecer a cada hora, caso seja de extrema necessidade, utilizar cateter urinário, utilizar-se de cuidados para evitar infecção.
  • Assegurar-se de que o cliente está tendo uma nutrição adequada e de acordo com a prescrição da nutricionista, o cliente deve visualizar a bandeja de alimento e sentar-se ereto com a cabeça inclinada ligeiramente para frente; se necessário utilizar sonda nasogástrica.
  • Evite que o cliente faça esforço para defeca, modifique a dieta do cliente , utilize emolientes fecais e , se necessário, laxantes; se o cliente vomitar deve-se mantê-lo em posição de segurança.
  • A higiene oral deve ser completa e cuidadosamente feita, se o cliente utilizar próteses dentárias elas devem ser bem limpas. A higiene ocular também deve ser feita cuidadosamente, utilize colírios de acordo com a prescrição e aplique tampão se o cliente não Fo capaz de fechar a pálpebra.
  • Administrar os fármacos de acordo com a prescrição médica.
  • Deve ser feitas atividades de mobilização ativa e passiva tanto com o lado normal quanto com o lado afetado. A comunicação com o cliente deve ser mantida, mesmo se ele estiver afásico. E lembre-se sempre de que mesmo que ele não posa falar ele pode ouvir!
  • Estabelecer com o cliente metas realistas, fazer com que a família participe sempre que possível, deixar que o cliente participe como puder para diminuir o sentimento de dependência, oferecer apoio psicológico e compreender as mudanças de humor. Proteja o cliente contra acidentes.
  • Preparar o cliente para cirurgia, se houve indicação (Sônia Regina de Souza 2004).

Prescrição de Enfermagem

“1- Realizar exercícios passivos nos membros afetados. Fazer os exercícios lentamente, para permitir que os músculos tenham tempo de relaxar e apoiar extremidades acima e abaixo da articulação para prevenir lesões nas articulações e nos tecidos;

2- Durante os exercícios, os braços e as pernas do cliente devem ser movimentados delicadamente no limite de sua intolerância à dor e realizar o exercício lentamente, permitindo o relaxamento muscular;

3- Ensinar o cliente a realizar exercícios ativos nos membros não afetados, no mínimo quatro vezes por semana;

4- Apoiar as extremidades com travesseiros, para evitar ou reduzir o edema;

5- Posicionar em alinhamento para prevenir complicações. •Usar apoio para os pés;

• Evitar períodos prolongados sentado ou deitado na mesma posição;

•Mudar a posição das articulações do ombro a cada 24 horas;

•Apoiar a mão e o punho em alinhamento natural;

•Usar talas de mão e pulso.

6- Proporcionar mobilização progressiva;

• Auxiliar lentamente para a posição sentada;

• Permitir que as pernas fiquem suspensa sobre a lateral da cama por alguns minutos antes de ficar em pé;

• Limitar em 15’, três vezes por dia as primeiras saídas da cama;

• Aumentar o tempo fora da cama em 15’ conforme o tolerado;

• Evoluir para a deambulação com ou sem auxílio;

• Encorajar a deambulação por períodos curtos e freqüentes;

• Aumentar progressivamente as caminhadas a cada dia.

7- Implementar as precauções de segurança;

• Proteger as áreas com sensibilidade diminuída dos extremos de frio e calor;

• Orientar quanto às complicações da imobilidade:

-Flebite;

-Escara de decúbito;

-Comprometimento neurovascular.

8- Auxiliar nos cuidados diários como higiene geral, vestir-se, alimentar se.

9 – Administrar medicações conforme prescrição medica;

10 – Aferir sinais vitais.” (Hoverney Quaresma Soares, 2008)

Assina as nossas notificações e fica actualizado

Ajuda a Manter a PortalEnf com 1 €

Podes ajudar a manter a informação independente com um pequeno donativo!(sabe mais aqui!)

 

Segue-nos:

Este artigo foi útil? 

	
-1

 

Looks like you have blocked notifications!
91,435Fans
627Seguidores
276seguidores
 seguidores
 Seguidores
89Subscritores
3,426Membros
16,609Assinantes
 Segue o nosso canal
Faz um DonativoFaz um donativo
Queres receber as nossas notificações?
Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades e analisar o nosso tráfego. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. Aceitar Ler mais

Segue-nos
Segue a Tua Comunidade PortalEnf e recebe as Novidades!
Assina a nossa newsletter
Segue-nos
Segue a Tua Comunidade PortalEnf e recebe as Novidades!
ASsina a nossa newsletter
error: Alert: Content is protected !!
Partilha isto com um amigo