Atividade física e riscos cardiovasculares

0 14

Como a atividade física influencia o risco CV em pessoas com pouca tolerância à glicose?

Introdução

A extensão em que mudanças na atividade física podem modificar o risco de doença cardiovascular em pessoas com alto risco cardiovascular não é certa. Investigamos se o nível no baseline e mudanças na atividade ambulatorial avaliada objetivamente estão associados ao risco de evento cardiovascular em indivíduos com alto risco cardiovascular e baixa tolerância à glicose.

Métodos

Avaliamos dados prospectivos do estudo NAVIGATOR, que incluiu 9306 indivíduos com baixa tolerância à glicose recrutados em 40 países entre janeiro de 2002 e janeiro de 2004. Os participantes tinham doença cardiovascular instalada (se idade ≥50 anos) ou pelo menos um fator de risco cardiovascular adicional (se idade ≥55 anos). Os participantes foram acompanhados para eventos cardiovasculares (definidos como mortalidade cardiovascular, AVC não fatal ou infarto do miocárdio) por 6 anos em média e foram submetidos à avaliação da atividade ambulatorial pelo uso de pedômetro no baseline e após 12 meses. Os modelos de risco proporcional ajustado de Cox quantificaram a associação das medidas no baseline e mudanças na atividade ambulatorial (do baseline para dali a 12 meses) com eventos cardiovasculares subsequentes, após ajuste para cada uma das variáveis de viés em potencial. Este estudo está registrado em ClinicalTrials.gov com o número NCT00097786.

Achados

Durante 45 211 pessoas-anos de acompanhamento, ocorreram 531 eventos cardiovasculares. A atividade ambulatorial no baseline (razão de risco [HR] por 2000 passos por dia 0·90, IC 95% 0·84—0·96) e as mudanças na atividade ambulatorial (0·92, 0·86—0·99) foram inversamente associadas ao risco de evento cardiovascular. Os resultados para mudança na atividade ambulatorial não foram afetados quando ajustados também para mudanças de índice de massa corporal e outras variáveis de viés em potencial após 12 meses.

Interpretação

Em indivíduos com risco cardiovascular alto e baixa tolerância à glicose, tanto os níveis no baseline de atividade ambulatorial diária como as mudanças na atividade ambulatorial mostram uma associação inversa graduada com o risco subsequente de evento cardiovascular.

Ler artigo completo

Acesso ao artigo completo em The Lancet

Fonte: Univadis

O melhor da PortalEnf...

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...
Share This Article:

close

Segue-nos nas redes sociais!

Partilha isto com um amigo