Novo exame de sangue pode prever cancro da mama com 5 anos de antecedência

1 41

Já imaginou se um simples exame de sangue conseguisse prevenir o cancro de mama?

Pois é exatamente disso que se trata uma pesquisa dinamarquesa.

Segundo esta pesquisa, além de prever o desenvolvimento da doença, o exame é ainda mais preciso que uma mamografia: pode prever até 5 anos antes do cancro se desenvolver e ainda tem um nível de precisão de 80%, enquanto os exames de mamografia são de 75% e só depois que a pessoa já desenvolveu a doença.

Essa grande descoberta deve-se ao desejo de pesquisadores da Universidade de Copenhaga quererem encontrar uma melhor opção para o rastreamento do cancro de mama que não só fosse mais preciso, mas também resolvesse o problema de falsos positivos que tem assombrado a mamografia durante anos.

No ano passado, um estudo envolvendo 13.000 mulheres descobriu que o rastreio através de mamografia perde mais de 2.000 casos de cancro de mama por ano só no Reino Unido, enquanto falsamente alertava outras mulheres sobre a doença.

Mas porque a mamografia é tão imprecisa?

O grande problema encontrado por esse exame, é lidar com diferentes tipos biológicos de cada mulher. Sendo assim, as que possuem, tecido mamário mais denso – cerca de 1 em cada 3 mulheres, são as mais prejudicadas.

Além delas terem um grande risco de desenvolver câncer de mama, o tecido mamário mais denso dificulta a sensibilidade do exame como a percepção de nódulos. Os pesquisadores aconselham nesses casos, ao uso conjunto de ultra-som para alcançar uma melhor precisão.

Mas talvez o uso do exame de sangue possa mudar tudo isso. Ele se basearia em “medir todos os compostos no sangue para construir um perfil metabólico de um indivíduo, a fim de detectar mudanças na forma como os produtos químicos são processados, durante a fase pré-cancerosa”, diz Laura Donnelly, uma das pesquisadoras, ao Telegraph.

O conceito é o mesmo usado por pesquisadores da Universidade de Harvard nos EUA para prever doenças como leucemia, linfoma e síndrome mielodisplásica. A extração de exames de sangue possibilitou a observação de mutações nas células e, com isso, a percepção dos sintomas dessas doenças.

Para testar a eficácia do novo exame de sangue ao câncer de mama, os pesquisadores dinamarqueses observaram 57.000 participantes ao longo de 20 anos, recolhendo amostras de sangue ao longo do caminho. Desse total, foi retirada uma amostra de 800 mulheres, dividida em dois grupos – aqueles que permaneceram saudáveis ​​durante todo o processo, e aqueles que desenvolveram cancro de mama no prazo de 7 anos de sua primeira amostra de sangue.

As amostra de cada uma dessas mulheres foram comparadas e os respectivos perfis metabólicos construídos.

Os pesquisadores descobriram que eles foram capazes de prever, com precisão de 80%, que os pacientes seriam afetados pela doença só de olhar para os perfis metabólicos. É claro que a precisão de 100% é sempre o almejado, mas a grande vantagem deste teste é que dá as mulheres em risco um avanço no combate à doença.

A detecção precoce é fundamental para o cancro de mama – se for descoberto precocemente, como no estágio 2, a chance de sobrevivência é de 93 a 100%. Já no estágio 3, o número cai para 72% e no estágio 4, para 22%.

Essa é a função do exame de sangue: ajudar a prevenir futuros possíveis cânceres de mama, tornando o combate e sobrevivência para cada mulher próximo de 100%.

Fonte: sciencealert.com.

O melhor da PortalEnf...

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...
Share This Article:

close

Segue-nos nas redes sociais!

Partilha isto com um amigo