Nova terapia genética faz células de cancro cometerem «suicídio»

0 13

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Uma nova terapia genética permitiu modificar células de cancro da próstata para que o corpo do paciente possa atacá-las e matá-las. A técnica descoberta por cientistas americanos induz o tumor a autodestruir-se – daí o nome «terapia do gene suicida».

A pesquisa identificou um aumento de 20% no índice de sobrevivência de pacientes com cancro da próstata após cinco anos de tratamento.

Mas um especialista em cancro consultado pela BBC disse que estudos adicionais são necessários para comprovar a eficácia do tratamento.

O estudo, conduzido por investigadores do Hospital Metodista de Houston, no Texas, parece mostrar que essa «terapia do gene suicida», combinada com radioterapia, pode ser um tratamento promissor para o cancro da próstata no futuro.

A técnica envolve a modificação genética de células cancerígenas, que passam a emitir um «sinal» para o sistema imunológico para atacá-las.

Em geral, o corpo não reconhece células cancerígenas como inimigas, porque estas desenvolvem-se a partir de células saudáveis comuns. Diferentemente de uma infecção, que motiva a reacção do corpo, o sistema imunológico não reage para matar células cancerígenas.

Usando um vírus para transportar a terapia genética até ao tumor, o resultado é que as células se autodestruam, alertando o sistema imunológico do paciente para lançar um ataque em massa.

Em dois grupos de 62 pacientes, um recebeu a terapia genética duas vezes e o outro grupo – todos com uma forma agressiva de cancro da próstata – foi tratado três vezes. Os dois grupos também receberam radioterapia.

As taxas de sobrevivência após cinco anos foram de 97% e 94%, respectivamente. Embora o estudo não tenha empregado grupo de controlo, os pesquisadores dizem que os resultados mostram um avanço de 5% a 20% em relação a estudos anteriores sobre tratamentos de cancro da próstata. Biopsias realizadas dois anos após o estudo deram negativo em 83% e 79% dos pacientes dos dois grupos.

Brian Butler, da equipa do Hospital Metodista de Houston, disse que a descoberta poderá mudar a forma como o cancro de próstata é tratado.

«Poderemos injectar o agente directamente no tumor e deixar o corpo matar as células cancerosas. Uma vez que o sistema imunológico tenha conhecimento das células malignas, se estas voltarem, o corpo saberá como matá-las.»

Kevin Harrington, professor de imunoterapia oncológica no Instituto para Pesquisa do Cancro, em Londres, disse que os resultados são «muito interessantes», mas citou a necessidade de mais estudos.

«Podemos precisar de um teste aleatório para mostrar se esse tratamento é melhor do que apenas a radioterapia. Os vírus usados nesse estudo não se reproduzem. A nova geração de terapias virais pode se replicar selectivamente em células cancerígenas – algo que pode matar o cancro de forma direta – e também ajudar a espalhar o vírus para células cancerígenas vizinhas», afirmou.

Harrington disse ainda que seria «interessante» testar o tratamento com vírus que podem se reproduzir, para verificar se os resultados podem ser ainda mais efectivos.

Fonte: Diário Digital

Gostar
Seguir
google

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina a nossa Newsletter e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo