VERTIGEM, DESMAIO E CRISE CONVULSIVA

0 12.009

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

VERTIGEM

É o tipo mais frequente de tontura e também pode ser chamada de zonzeira.
Pessoas que apresentam vertigem têm sintomas, como “visão dupla”, olhos embaçados e fraqueza. Na vertigem, há uma ilusão de que o corpo e/ou o ambiente estão em movimento, principalmente em sentido rotatório, ou seja, girando. Frequentemente, essas sensações estão associadas a sintomas, como náusea, vômito, suor, palidez e sensação de desmaio.

DESMAIO
O desmaio, também conhecido como síncope, consiste na perda transitória e súbita da consciência e da força muscular, fazendo com que a vítima caia no chão. Pode ser causado por vários fatores, como subnutrição, cansaço, excesso de sol e estresse, e ser precipitado por nervosismo, angústia e emoções fortes, além de ser um sinal comum a muitas outras doenças. Antes de desmaiar, a pessoa pode apresentar alguns sintomas, tais como tontura, sensação de mal-estar, pele fria e pálida e suor frio.
Como ocorre o processo de desmaio no organismo? A pressão sanguínea cai e, com isso, o fluxo de sangue não consegue subir ao cérebro. Sem irrigação sanguínea e oxigênio em níveis adequados ao funcionamento do cérebro, há uma redução da consciência e a pessoa entra em um estado de relaxamento completo, ocasionando a perda dos sentidos e a queda. Ao cair, a posição deitada auxilia a passagem do sangue até o cérebro, que retoma, aos poucos, suas funções normais.
O desmaio pode ser provocado por diversos fatores e consiste em uma redução do fluxo de sangue em direção ao cérebro, o que faz o organismo entrar em um estado de economia de energia, diminuindo o nível de consciência e o tônus muscular.

CRISE CONVULSIVA
A crise convulsiva, ou simplesmente convulsão, é a perda súbita da consciência, acompanhada de contrações bruscas e involuntárias. A pessoa apresenta expressões faciais agressivas, com olhos revirados para cima e salivação abundante. Há queda abrupta da vítima e contorção ou contração de uma parte do corpo ou do corpo todo. Em alguns casos, há vômito e a vítima pode evacuar e urinar.
A convulsão pode ser causada por febre muito alta, epilepsia, traumatismo na cabeça e intoxicações. O doente, ao despertar, não se lembra do que aconteceu durante a crise e sente-se muito cansado, indisposto e sonolento.
Ao sofrer uma crise convulsiva, a vítima cai imediatamente no chão, devido à perda da consciência e à ocorrência de contrações musculares rápidas e involuntárias.

AS PRINCIPAIS CAUSAS DE VERTIGEM, DESMAIO E CRISE CONVULSIVA

Normalmente, a vertigem está associada a um distúrbio no labirinto. É isso mesmo, labirinto!No entanto, não é aquele jogo em que a pessoa tem de encontrar a única saída correta, no meio de diversos caminhos errados que só servem para confundir. Labirinto é uma estrutura do ouvido interno que possui funções relacionadas tanto com a audição quanto com o equilíbrio. O processo inflamatório que afeta os labirintos – chamado labirintite – provoca vertigens, desequilíbrios e, algumas vezes, movimentos involuntários dos olhos.
O desmaio pode ser causado por vários fatores, como subnutrição, cansaço, excesso d
e sol e situações de estresse. Nervosismo, angústia e emoções fortes também causam desmaio. Além disso, ele pode ser produto de muitas outras doenças, como a hipoglicemia (redução do nível de glicose no sangue, abaixo de um nível crítico).
A crise convulsiva pode ter como origem um acidente de carro, uma queda ou um trauma na cabeça. Meningite e hipoglicemia são doenças que podem levar o paciente a ter crises convulsivas. Intoxicações e reações a medicamentos podem também levar a vítima a ter convulsão. A epilepsia é uma doença de causa ainda desconhecida, em que o paciente tem crises convulsivas repetitivas e repentinas. Há também a convulsão febril, que ocorre em caso de febre muito alta.
Como a febre pode desencadear uma convulsão? à Quando a temperatura do corpo ultrapassa rapidamente os 37/38 graus, podem ocorrer seguidas descargas elétricas no cérebro. Essas descargas podem estimular neurônios e levar esses estímulos aos músculos, os quais, então, se contraem involuntariamente, gerando movimentos desordenados que caracterizam a convulsão.

 

ATUANDO EM SITUAÇÕES DE VERTIGEM, DESMAIO OU CRISE CONVULSIVA
Agora que você já sabe o que é vertigem, desmaio e crise convulsiva, é importante aprender como deve agir diante de cada uma dessas situações. O atendimento adequado aumenta, em muito, as possibilidades de melhora da vítima.
Diante de uma vítima com vertigem, você deverá ter a seguinte conduta:
1. O primeiro procedimento a ser tomado é evitar aglomeração de pessoas em torno da vítima.
2. Coloque a vítima sentada em uma cadeira com a cabeça abaixada para frente.
3. Coloque suas mãos sobre a nuca da vítima e peça que ela force a cabeça para cima enquanto você a força para baixo.
4. Após esse procedimento, verifique se há melhora ou se a tontura evoluiu para um desmaio.
Diante de uma vítima de desmaio, você deverá ter a seguinte conduta:
1. O primeiro procedimento a ser tomado é evitar aglomeração de pessoas em torno da vítima.
2. Afrouxe as roupas da vítima, como gravata, colarinho, cinto etc.
3. Mantenha a vítima deitada de costas, com a cabeça mais baixa do que o nível do corpo, elevando suas pernas.
4. Conserve as pernas elevadas a um nível acima do tórax da vítima (isso ajudará a fazer com que o sangue chegue mais rápido à cabeça).
5. Passe um pano úmido com água fria na testa e no rosto da vítima.
6. Procure arejar o ambiente onde a vítima está, ou seja, não a deixe em um ambiente sem ventilação.
Diante de uma vítima de crise convulsiva, você deverá ter a seguinte conduta:
1. O primeiro procedimento a ser tomado é deitar a vítima (caso ela esteja de pé ou sentada), evitando possíveis quedas e traumas.
2. Retire todos os objetos, tanto da vítima quanto do chão, para evitar traumas.
3. Afrouxe as roupas apertadas da vítima.
4. Proteja a cabeça da vítima com a mão.
5. Vire a cabeça da vítima para o lado, para que a saliva escorra, evitando, assim, que ela se sufoque com a própria salivação.
6. Limpe a saliva com um pano ou papel, para facilitar a respiração.
7. Terminada a convulsão, mantenha a pessoa de lado, para evitar que ela sufoque com a saliva ou o vômito.
O que não fazer durante uma crise convulsiva

Existem várias medidas erradas que são realizadas durante uma crise convulsiva. Portanto, veja a seguir o que não deve ser feito:
• NÃO se deve imobilizar os membros (braços e pernas) da vítima. Deixe-os livres.
• NÃO tente “puxar a língua” ou colocar objetos na boca para segurar a língua da vítima, pois isso pode provocar alguma lesão.
• Se a convulsão foi provocada por acidente ou atropelamento, não retire a vítima do local. Atenda-a e aguarde a chegada do socorro médico especializado.

RESUMINDO…
• O desmaio consiste na perda transitória e súbita da consciência e da força muscular, o que faz com que o paciente caia no chão. Cansaço, excesso de sol, situações de estresse e fortes emoções são as principais causas do desmaio.
• A vertigem é um distúrbio do equilíbrio, em que a pessoa sente tudo girando à sua volta.
• A labirintite (uma lesão no ouvido interno) é uma causa importante de vertigem.
• A convulsão é a contração involuntária e violenta dos músculos, em que há perda da consciência e aumento da salivação. Epilepsia, intoxicação, lesões na cabeça, meningite e hipoglicemia são as principais causas de convulsão.
• Sentar a vítima com a cabeça abaixada, colocar as mãos sobre sua nuca, pedindo que ela force a cabeça para cima enquanto você a força para baixo é a principal medida que você deve realizar diante de uma vítima com vertigem.
• Manter a vítima deitada e elevar suas pernas acima do nível do tórax são condutas importantes que devem ser tomadas diante de um caso de desmaio.
• Deitar a vítima, proteger a sua cabeça, lateralizar a cabeça e enxugar a saliva são condutas importantes diante de uma vítima de convulsão.

FONTE: Portal da Educação

Gostar
Seguir
google

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina a nossa Newsletter e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo