Medicação utilizada na paragem Cardiorrespiratória – PCR

0 565

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

>Define-se como paragem cardiorrespiratória (PCR) a interrupção súbita e brusca da circulação sistémica e ou da respiração, que pode ser reversível por intervenção imediata, mas leva à morte na sua ausência.

O diagnóstico é feito mediante a apresentação de: inconsciência, ausência de pulso na circulação central (artéria femoral e/ou carotídea para adultos; nas crianças a carótida ou braquial) e ausência de movimentos respiratórios.

A primeira providência que precisa ser tomada ao nos depararmos com uma pessoa inconsciente é diagnosticar a PCR (Paragem Cardiorrespiratória). Após o reconhecimento, solicitar ajuda, posicionar a pessoa no leito em decúbito dorsal e dar início à massagem cardíaca (compressões).

Principais Medicações Utilizadas na Paragem Cardio respiratória

Juntamente com as manobras de reanimação, poderão ser administradas no paciente, sob indicação médica, as seguintes drogas:

Adrenalina: Utilizada em todos os casos de PCR. Seu efeito vasoconstritor periférico intenso aumenta a pressão na aorta, melhorando o fluxo coronariano e cerebral.

A dose recomendada é de 1 mg IV repetida a cada 3 ou 5 min. Em crianças utiliza-se 0,01 mg/kg/dose, normalmente, diluindo-se 1 ampola em 10 ml de água destilada ou solução glicosada a 5% (0,1 ml/kg/dose).

Não administrar juntamente com soluções alcalinas. Lembrar, que, se não for possível a infusão IV ou IO, utilizar o dobro das doses por via endotraqueal, seguida de um bolo de 10 ml de solução salina.

2) Vasopressina: Outro potente vasoconstrictor, tão eficaz quanto a adrenalina e com menos efeitos negativos para o coração. Tem uma duração mais longa (10 a 20 min). Pode ser utilizada em todas as modalidades de PCR, no lugar da primeira ou da segunda dose de epinefrina.

Além da via IV, pode ser administrada por via intra-óssea, em dose única de 40 UI. Obs: Não disponível comercialmente

3) Atropina: Pelo seu efeito de bloqueio vagal, é utilizada nas bradicardias acentuadas e nos bloqueios atrioventriculares (BAV). Também utilizada na assistolia e na Atividade Elétrica sem Pulso.

A dose recomendada é de 0,5 a 1 mg IV/IO em intervalos de 3 a 5 min. Em crianças usa-se 0,02 mg/kg/dose. Deve-se evitar dose total maior que 0,04 mg/kg.

4)  Amiodarona: Cardiotônico com efeito comparável ao da dobutamina, já que melhora a função cardíaca e provoca a queda da resistência periférica. Pode ser utilizada alternada com adrenalina e atropina.

5) Lidocaína: Aumenta o limiar de FV e de excitabilidade dos ventrículos. Está indicada nos casos de

FV/TV sem pulso, que não respondem ao choque elétrico ou ainda em outras taquicardias, como a taquicardia ventricular com pulso.

A dose recomendada é de 1 a 1,5 mg/kg IV em bolus, podendo ser repetida metade dessa dose a cada 5 ou 10 min, num total de até 3 mg/kg. Uma dose de manutenção (2 a 4 mg/min) é sempre necessária após a reversão de uma FV/TV. Os efeitos colaterais, principalmente em idosos, são: vertigem, bradicardia, BAV e assistolia.

6) Noradrenalina (norepinefrina): Potente vasoconstritor, usado no período de recuperação pós-parada. É inativado pelo bicarbonato de sódio (não infundir em conjunto).

7) Dopamina: É o precursor químico da noradrenalina, com efeito no aumento do débito cardíaco, vasodilatação renal, sem elevar a pressão capilar pulmonar e sem causar vasoconstrição periférica. É uma droga que tem seu uso principal no período pós-parada cardíaca.

8) Dobutamina: Melhora a contração cardíaca com indicação no período pós-parada cardíaca. Produz vasoconstrição arterial sistêmica mínima nas doses usuais – 2,5 mg a 10 mg/kg/minuto.

9) Digitálico: Empregado para a redução da frequência cardíaca em algumas situações, tais como: na fibrilação ou flutter atrial ena taquicardia ventricular. Droga usada no período pós-parada.

10) Nitroprussiato de Sódio: Vasodilatador periférico, geralmente usado no período pós-parada, em associação com a dopamina ou dobutamina. Pode causar hipotensão. A solução é inativada pela luz e a infusão é feita por micro gotas.

11) Gluconato de Cálcio: Estudos recentes demonstraram que não existe efeito benéfico  com o uso do cálcio em pacientes com parada cardíaca. Sua indicação atual se restringe a alguns casos de dissociação eletromecânica (quando todos os recursos terapêuticos foram esgotados);  hiperpotassemia e intoxicação por bloqueadores de canais de cálcio. Os sais de cálcio não devem ser administrados em associação ao bicarbonato de sódio, pois precipitam.

12) Bicarbonato de Sódio: Não há indicação formal para o seu uso em PCR. Pelo contrário, efeitos colaterais têm sido apontados com o uso dessa substância. Como durante a PCR a acidose é láctica e dependente da ausência de ventilação, o restabelecimento desta costuma ser suficiente para corrigir o equilíbrio ácido-básico.

Em algumas situações causadoras da PCR – acidose metabólica, hipercalemia, intoxicação exógena por tricíclicos e, ainda, quando não se obtêm sucesso na reanimação com desfibrilação e intervenções farmacológicas, na assistolia e atividade elétrica sem pulso –, seu uso está indicado na dose de 1 mEq/kg a cada 10 min, sempre guiado pela gasometria arterial.

OBSERVAÇÕES: 

1. Medicamentos como noradrenalina, dopamina ou dobutamina são utilizadas logo após a reanimação com a finalidade de se manterem estáveis as condições hemodinâmicas do paciente.

2. A reposição volêmica rápida está indicada em situações em que a PCR for desencadeada por trauma, grandes hemorragias ou perdas volêmicas evidentes.

Fonte: Enfermagem Novidade

Leia também:

Quais Medicamentos devem estar no Carro de Emergência?

Gostar
Seguir
google

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina a nossa Newsletter e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo