Verónica decide não repetir eutanásia

0 50

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Uma enfermeira portuguesa relata a experiência “traumatizante” que viveu num caso de eutanásia a uma mulher saudável na Bélgica, onde a prática é autorizada.

A eutanásia “é simplesmente uma forma de desistência [da vida]”. É a opinião da enfermeira portuguesa Verónica Rocha, com quem a TSF conversou em Bruxelas. Ela viu-se envolvida num caso de eutanásia de uma mulher saudável. Descreve esta prática, autorizada na Bélgica, como uma experiência que a traumatizou. Considera que, uma vez autorizada a lei, é difícil um profissional recusar-se a colaborar. Mas, é isso que promete fazer, caso apareça outra situação de eutanásia, na casa de repouso onde trabalha como enfermeira, em Bruxelas.

As palavras saem-lhe em catadupa, quando fala da eutanásia que foi obrigada a preparar.”Comecei a ficar mal, desde o dia em que soube que iria existir [um caso de] eutanásia [na casa de repouso], porque sabia que o único problema daquela pessoa era a solidão”, confessa a enfermeira portuguesa, a quem tinham dito que “não teria de fazer parte da equipa” nem teria de “assistir”. Mas, não foi o que aconteceu.

Verónica Rocha soube, em cima da hora, que faria parte da equipa responsável pela eutanásia de uma das utentes da casa de repouso onde trabalha. Foi informada com a chegada do médico.”Ele diz-me: estou no elevador à sua espera. E eu perguntei: como assim? “Vamos subir, foi a resposta””, disse a enfermeira, que ainda ainda questionou o médico se teria mesmo de subir, uma vez que não se sentia “preparada”.

Minutos depois estava no quarto da mulher, “saudável” de 70 anos. Com “a filha em lágrimas”, o médico deu a ordem para o início do processo.

“Não se importa de meter o soro a profundir?”, pediu o médico e a enfermeira, “muito nervosa”, procurou a veia e apontou a agulha. “Estava bastante nervosa. Acho que nunca me custou tanto picar uma pessoa como naquele dia (e era uma mera profusão)”, disse à TSF, confessando ainda que, já com a eutanásia em curso, começou “a chorar”.

“A senhora limpou-me as lágrimas e disse-me: “Verónica, não chores, porque eu estou feliz”. Perguntei-lhe como pode estar feliz com uma decisão destas? Ela diz que “é o melhor e o que mais deseja”.

A enfermeira conta que a mulher ainda lhe disse que ela “sempre a cuidou bem” e que “sempre gostou” da portuguesa, que acabou por lhe confessar que “não concordava” com a eutanásia de um modo geral, mas especialmente com aquela, por se tratar de uma pessoa que “não tinha nenhuma doença”.

“A chorar disse-lhe obrigado, mas não lhe poderia desejar boa sorte porque eu era contra aquilo que ela estava a fazer. Ela respondeu: “penso que a minha filha também””, contou a enfermeira, relatando um momento em que o processo de eutanásia está prestes a tornar-se irreversível.

“[A filha] dizia: “mãe, recusa. Por favor. Eu venho aqui todos os dias. Levo-te para minha casa. Entretanto, (…) ouço o médico a dizer à filha: “chegou a hora. Despeça-se da sua mãe. Deram um beijo. A filha disse: “amo-te”. Amo-te, foi a resposta da mãe”, conta a enfermeira, que “preferia não ter assistido a nada daquilo”.

“O médico injetou duas ampolas de 05 ml de uma substância. Começou a profundir e só lhe pergunta “está bem?” e ela [responde] “muito bem”. Não tirei os olhos da senhora. Vejo-a tranquila”, contou Verónica Rocha, explicando ainda que quando restavam “três mililitros” da substância usada pelo médico a senhora começou “a ir” e, no final dos 10 mililitros “já não tinha vida”. O processo final durou menos de “um minuto”.

“Ele [o médico] fechou-lhe os olhos. Colocou-lhe a mão sobre o coração, não há batimentos. E, a pessoa começa a arrefecer instantaneamente”, contou a enfermeira portuguesa, garantindo ainda que “recusará participar numa próxima eutanásia”, embora saiba que está “num país em que a qualquer momento podem dizer: tens que subir de novo” para o piso onde o doente estiver instalado.

Verónica Rocha expressa uma opinião muito negativa, que “já tinha antes”, contra a eutanásia. Mas, a sua convicção tornou-se “mais forte”, depois da experiência que viveu.

“As pessoas só têm noção do que é eutanásia, depois de assistirem à eutanásia. [Diz-se que] é uma morte digna ou uma morte sem sofrimento e uma morte rápida. Mas, simplesmente, é um método fácil de desistência”, considera a enfermeira que terminou o curso há dois anos, chegou a Bruxelas há ano e meio, para trabalhar numa enfermaria geriátrica, depois de não ter conseguido emprego em Portugal.

Fonte: TSF

Ouça a reportagem com o testemunho de Verónica Rocha

Gostar
Seguir
google

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina a nossa Newsletter e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo