Artigo de opinião : Onde pára a enfermagem?

0 214

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

O que sobra de cada um de nós quando aguentamos o que não se entende como se aguenta?

O que pode acontecer quando se ultrapassam os limites e se fala num cansaço incomensurável?

Como mostrar que um braço partido, uma ferida, são tão visíveis e fundamentalmente mensuráveis, preocupantes, quanto uma dor aqui ou acolá, uma palavra, o tempo para dizer essa palavra,  o tempo para levantar um diagnostico sensível que promova uma atitude?

Como se consegue ter tempo para perceber o outro se não houver tempo para o escutar?

Como se consegue uma voz única quando cada um é deparado com uma escolha de situação no seu processo contratual e de escolha de empregos?

Como explicar ao mundo que não se pode aceitar tudo de olhos vendados,à tarefa, porque há um grau de complexidade major quando cuidamos de alguém?

O enfermeiro é aquele ser que milagrosamente está lá. É a peça, o intercâmbio, a “miscelânea” de um tudo que se não fosse tão “tudo” nada seria igual.

O problema é que por isso mesmo o enfermeiro é uma pessoa que escolheu ser enfermeiro. Cabe tanta coisa no “ser enfermeiro” e na definição de enfermagem que quase diria que o enfermeiro é humano + sobre humano (porque vê essenciais invisíveis ao olho comum) + “tartaruga ninja” porque dribla no seu dia a dia situações inusitadas, quer por palavras, quer por gestos, e quantidade de gestos, dos mais diversos ser e estar que se conhece na acção.

Cada um, também,  por suas individuais razões, está lá, a cuidar do outro.

Ser cabalmente sensível de conseguir ver o que mais ninguém vê,  é tão proporcional como ser sensível para aceitar que nem todos o vão compreender no que vê, na necessidade de agir fora da rotina e de determinado modo.

Se o País não estivesse numa fase de “furos” nos bolsos, se me permitem, com uma riqueza tão mal distribuída, se calhar haveria espaço para se perceber a importância no investimento em alguém que cuida. Ser cuidado pelos enfermeiros não seria um privilégio de alguns, mas de todos, independentemente de altruísmo.

Cuidar não tem preço. Tê-lo-à apenas quando a vida, a dignidade humana, o tiverem.

A vida é única e os mágicos do cuidar vão fazendo esforços pelo seu altruísmo.

Todos sabem que são importantes e que sem eles, nada seria o mesmo. Sabem-no melhor quem deles já necessitou.

De algum modo todos reconhecem a sua importância.

Quando é que se vão observar decisões definitivas, sem vendas  e em consonância, com aquilo que se sabe?

Lúcia Matias
Mestre em enfermagem

Gostar
Seguir
google

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina a nossa Newsletter e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo