Serviço Nacional de Saúde não pode acabar, defendem profissionais

0 257

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Responsáveis de várias áreas da Saúde coincidiram na importância e necessidade de que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) se mantenha, mas também defenderam melhorias e mais financiamento, sendo a falta de apoios o maior problema.

Num debate organizado pela consultora FDC sobre a pergunta “E se o SNS acabar?” responderam que “não pode acabar” as bastonárias das ordens dos Enfermeiros e dos Farmacêuticos, um dirigente da Ordem dos Médicos, um diretor da Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (APIFARMA), e ainda o diretor de uma consultora na área da Saúde e antigo secretário de Estado Manuel Delgado.

Todos concordaram que o SNS é fundamental, “um pilar da democracia e da coesão”, como disse Ana Rita Cavaco, da Ordem dos Enfermeiros, ou “a maior conquista que chegou com o 25 de abril”, como disse João de Deus, pela Ordem dos Médicos.

Manuel Delgado, que se demitiu do Governo na sequência do escândalo que envolveu a associação Raríssimas, defendeu também o SNS como sendo um modelo que não sendo perfeito é o menos mau, e porque é o único que “garante minimamente a universalidade e a equidade e que menos induz o consumo desnecessário de recursos”.

Para o diretor da APIFARMA, Heitor Costa, o SNS “tem forças que o fazem único, universal, transversal e um garante da possibilidade de um continuo de cuidados”. Maria de Belém Roseira, responsável pela revisão da lei de bases da Saúde, haveria de dizer depois do SNS que a grande virtuosidade do sistema é a correção das desigualdades.

O SNS “é o único serviço público criado após o 25 de abril que nos compara adequadamente com outros países europeus, que nos enche de orgulho, não vamos acabar com ele, vamos é saber como o melhorar”, disse Maria de Belém.

Como melhorar foi a outra parte das intervenções de cada responsável, num debate que teve a participação de três jornalistas que trabalham habitualmente a área da Saúde e que admitiram que há anos ouvem as mesmas queixas e propostas.

Que o SNS é “claramente subfinanciado”, como disse Heitor Costa, que se podia fazer melhor, nomeadamente em gestão, como acrescentou Manuel Delgado, que em Portugal não se olha para a Saúde “como um investimento mas como uma despesa”, como frisou João de Deus.

Uma “harmonia” entre sistemas privados e públicos de Saúde era importante, avançou o representante dos médicos, porque, disse, “não duplicar exames era importante”. Ana Paula Martins já tinha pedido mais financiamento para o SNS. E disse que nos fogos florestais do ano passado, quando tudo funcionou mal, o que melhor funcionou foi o SNS.

E Ana Rita Cavaco, mais crítica, acrescentou à falta de dinheiro a falta de camas nos hospitais, a falta de enfermeiros, o país que funciona por “castas profissionais” que permite que um médico recuse um lugar (no interior do país por exemplo), a desumanização, a falta de material, de lençóis ou cobertores, de medicamentos também. “Mas para os bancos há sempre dinheiro”, lamentou.

Ainda assim, apesar de todas as queixas, o SNS é para continuar. “Somos um país que não pode deixar cair o SNS”, já tinha dito Paula Martins.

E depois porque ao SNS vai parar tudo, “a pobreza, a fome, o frio, o analfabetismo e a iliteracia”, como diria no encerramento Maria de Belém Roseira.

Gostar
Seguir
google
Fonte Diário de Notícias

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina a nossa Newsletter e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo