SIM lamenta que não haja dinheiro para a saúde, mas haja para os bancos

0 57

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) acusa Mário Centeno de «troçar dos portugueses» quando diz que «não há dinheiro para o Serviço Nacional de Saúde, mas anuncia que os bancos podem continuar a receber, se precisarem, vários milhões de euros do Estado».

Num comunicado, o sindicato lembra que, em 2018, o valor injetado pelo Estado no Novo Banco andará em torno dos 450 milhões de euros e que, entre apoios a bancos e a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, «o valor injetado pelo Estado nos bancos já ultrapassa os 17 mil milhões de euros».

Recentemente, o ministro das Finanças admitiu ainda que o Estado pode vir a apoiar o Montepio e adiantou que o Novo Banco pode precisar de mais injeções de capital em 2019, sublinha o SIM, concluindo que «afinal, o problema não é a falta de dinheiro, mas sim a prioridade».

«Terão os hospitais e restantes unidades do Serviço Nacional de Saúde de mudar de nome, passando a ser entidades bancárias, para poderem receber o financiamento de que tanto precisam», pergunta o sindicato.

O comunicado pode ser lido aqui

Este post foi útil?

Clique numa estrela para o avaliar!!

Classificação média / 5. Contagem de votos:

Este post foi útil para ti...

Segue-nos nas redes sociais!

We are sorry that this post was not useful for you!

Let us improve this post!

Fonte Univadis
Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo