Cortinas divisórias de leito hospitalar estão contaminadas por Staphylococcus aureus resistente à meticilina

4 4.208

Um pequeno estudo mostrou que duas semanas após instaladas, 87,5% das cortinas divisórias dos leitos hospitalares estavam contaminadas por Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA, do inglês Methicillin-Resistant Staphylococcus aureus).

“Nós sabemos que as cortinas divisórias representam um grande risco de contaminação cruzada, pois são manuseadas com frequência, porém trocadas com menor periodicidade”, disse o autor do estudo Kevin Shek em comunicado à imprensa.

“A alta taxa de contaminação que observamos no décimo quarto dia pode significar um momento oportuno de intervenção para limpar as cortinas ou para trocá-las”.

Kevin, do BSc Med Research Program, Max Rady College of Medicine na University of Manitoba em Winnipeg (Canadá), junto com o Dr. Rakesh Patidar, Ph.D., microbiologista do departamento de microbiologia na University of Manitoba, e colaboradores, publicou seus achados na edição de setembro do periódico American Journal of Infection Control.

Apesar do contato direto entre as pessoas ser a principal via de transmissão das infecções relacionadas com o atendimento na saúde, as superfícies no ambiente também são fontes de contaminação conhecidas e importantes, segundo os autores. Estudos prévios mostraram que as cortinas hospitalares estão frequentemente contaminadas, mas a taxa de contaminação não era conhecida.

Por isso, os pesquisadores conduziram um estudo piloto prospectivo longitudinal no qual foram obtidas culturas de cortinas divisórias instaladas em uma unidade regional de queimados/cirurgia plástica durante um período de 21 dias. O estudo foi feito com 10 cortinas divisórias convencionais recém lavadas: quatro em uma enfermaria de quatro leitos, quatro em quartos com dois leitos e duas cortinas de controle em quartos sem atendimento direto aos pacientes ou contato com profissionais da saúde. Nenhum paciente com MRSA ocupou nenhum dos quartos, e as cortinas foram instaladas aproximadamente a 30 cm dos leitos. As cortinas foram trocadas quando estavam visivelmente sujas ou na troca de pacientes antes do vigésimo primeiro dia.

As culturas foram coletadas nos dias 01, 03, 07, 10, 14, 17 e 21. Em cada um destes dias, foram obtidas duas amostras de cada cortina, utilizando uma placa de cultura para cada cortina. As amostras foram retiradas do lado da cortina voltado para o paciente, próximo da extremidade da bainha; uma amostra foi obtida de uma altura acima dos ombros e outra abaixo. Nos dias subsequentes, as amostras foram retiradas nas mesmas alturas, mas laterais aos locais utilizados anteriormente, com o objetivo de evitar a contaminação dos locais anteriormente utilizados.

Contaminação geral por microrganismos
As cortinas de controle tiveram pouca contaminação por microrganismos durante os 21 dias, partindo de uma média de 0,10 unidades formadoras de colônias (UFC)/cm2 no primeiro dia até uma média de 0,60 UFC/cm2 no 21º dia. As outras cortinas mostraram-se cada vez mais contaminadas, com médias de 0,20; 1,17; 1,57; 1,80; 1,69 e 1,86 UFC/cm2 nos dias 1, 3, 7, 10, 14 e 17, respectivamente. A contaminação destas cortinas aumentou acentuadamente para um valor médio de 5,11 UFC/cm2 no vigésimo primeiro dia.

  1. “Até onde sabemos, não existe um padrão definido para avaliar a higiene das superfícies hospitalares. Contudo, o que tem sido proposto é que os hospitais adotem pelo menos o mesmo padrão de higiene das áreas de preparação de comida. Por exemplo, o Reino Unido especificou que os equipamentos de processamento de alimentos devem ter < 2,5 UFC/cm2; no vigésimo primeiro dia, 75% das cortinas excederam este limite de segurança”, segundo os pesquisadores.

Contaminação por MRSA
No décimo dia, quatro das oito cortinas testadas tiveram resultado positivo para MRSA, e no décimo quarto dia, sete, ou 87,5%, das oito cortinas do teste foram positivas para MRSA.

Os pesquisadores foram surpreendidos por estes resultados, disse o autor sênior do estudo, o Dr. Sarvesh Logsetty, médico, ao Medscape. Os autores sabiam que a contaminação das cortinas era provável por sua manipulação pelas pessoas.

“Mas o nível encontrado foi surpreendente, assim como o número de cortinas contaminadas por MRSA”, explicou.

Perguntas sem resposta
“A presença do MRSA e o número de UFC sugerem que as cortinas são uma fonte de contaminação cruzada nos hospitais”, escreveram os autores. “Estes dados sugerem que intervenções para limpeza ou troca de rotina das cortinas devem ocorrer aproximadamente depois de 14 dias de sua colocação”.

Contudo, o Dr. Sarvesh admite que é preciso conhecer melhor os desfechos dos pacientes antes de os hospitais começarem a gastar quantidades enormes de dinheiro limpando cortinas. “A sujeira na cortina modifica a incidência de infecção de feridas para alguém, ou o risco de uma pessoa adquirir MRSA”?

A outra questão é “podemos fazer algo barato, como limpar as cortinas toda semana ou a cada duas semanas, ou realmente precisamos lavá-las?”, acrescentou.

Segundo o Dr. Sarvesh, um dos pesquisadores, o Dr. Song Liu, Ph.D., do departamento de engenharia de biosistemas da Faculty of Agricultural and Food Sciencesna University of Manitoba, é especialista em química de superfícies. O grupo espera avaliar técnicas para o uso de superfícies autolimpantes em cortinas divisórias. O pesquisador enfatizou ainda que este estudo é uma iniciativa multidisciplinar contendo especialistas em clínica, microbiologia e química de superfícies.

“Este é o futuro da pesquisa na saúde: um modelo colaborativo de diferentes pessoas com diferentes especialidades. Ninguém mais pode fazer tudo sozinho”.

Este estudo recebeu apoio financeiro de Firefighters Burn Fund (Manitoba), uma doação de Natural Sciences and Engineering Research Council of Canada Discovery, e uma doação de Collaborative Health Research Projects Operating. Os autores declararam não ter nenhum conflito de interesses relevante.

Am J Infect Control. 2018;46:1019-1021. Artigo

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina aqui a nossa Newsletter e recebe todas as novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinar. Vais receber um mail... verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo