“À ministra da Saúde resvalou-lhe o pé para o chinelo” – Observador

0 30

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Carlos Silva não tem dúvidas de que o agravar das relações entre o Governo e os enfermeiros tem crescido também por culpa da ministra da Saúde. Para o secretário-geral da UGT, neste tipo de negociações, “é fundamental perceber-se que do outro lado está um interlocutor e à ministra da Saúde resvalou-lhe o pé para o chinelo.” E, defende, Marta Temido “entendeu que não havia condições para negociar. Houve uma radicalização de posições. O ideal é que se termine a greve mas o Governo deve ter a consciência que a opinião pública está alertada para a situação que se vive no SNS”.

Numa entrevista à Rádio Renascença e ao jornal Público desta quinta-feira, Carlos Silva argumenta que a situação tem vindo a ficar mais tensa nos últimos tempos mas vem de longe. “Há um acumular de situações nos últimos anos que não foram resolvidas. É evidente que há um momento em que temos que parar para pensar. Esse momento chegou não apenas por causa da questão da requisição civil. Esta tensão tenderá a distender-se”, diz.

A posição dos sindicatos dos enfermeiros, reconhece, têm tido um mau acolhimento na opinião pública. É o caso do Sindepor, afeto à UGT. Embora admita que possa haver exageros e que já tenha feito alguns alertas nesse sentida, Carlos Silva diz que a sua função “não é dar tau-tau a ninguém. É criar um patamar de intervenção pública que reflita que é a generalidade da opinião na UGT”. Assim, o sindicalista entende que as reivindicações dos enfermeiros são justas e que este não é momento de “abdicar das lutas”.

O líder desta central sindical admite que existem culpas dos dois lados. Tanto enfermeiros como o Executivo têm contribuído à sua maneira para que o ponto de ebulição tenha sido atingido. No entanto, o secretário-geral da UGT não hesita em concluir que na balança das culpas o prato do Governo pesa mais. Sobretudo depois de ter avançado com a requisição civil. “Acho que é preciso parar para pensar para evitar aquilo que grassa na opinião pública: que há um abuso de direito ou uma utilização abusiva da greve. Mas a requisição civil veio trazer para a luta outros sindicatos que estavam à espera para ver.”

E se o Governo polarizou o debate, Carlos Silva defende que é o Chefe de Estado que deve intervir como mediador. “Há um apelo [para que Marcelo Rebelo de Sousa seja mediador do diálogo] e estou a favor desse apelo. Mas cabe ao Governo olhar para o espelho e perceber qual é o caminho que quer fazer. Cabe ao Presidente da República criar pressão“,entende Carlos Silva.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para [email protected] ou, pessoalmente, para Sónia Simões ([email protected]) ou para João Francisco Gomes ([email protected]);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Fonte: Observador

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo