Brincar com a saúde! – Observador

0 35

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Manda o bom senso não brincar com a saúde. É isso, contudo, que andam a fazer os parceiros envolvidos no negócio em que a saúde se transformou em Portugal. Com efeito, desde a crise financeira provocada pelo PS até Junho de 2011, quando foi obrigado a pedir socorro às instâncias internacionais para cobrirem os défices acumulados pelo Estado português, a despesa saída directamente do bolso dos utentes para pagar cuidados de saúde não parou de aumentar, elevando-se hoje a um terço do gasto total com a saúde.

Entretanto, as seguradoras duplicaram a sua participação no negócio. Quanto à ADSE, nunca foi um sistema de saúde, como erradamente se diz, mas sim uma espécie de seguro que não respeita o cálculo de risco próprio do negócio mas que contribui para os cuidados de saúde privados com cerca de 500 milhões de euros descontados a um milhão e 200.000 funcionários do Estado actuais e antigos, os quais pagam, além dos impostos que vão para o SNS, 3,5% das reformas e ordenados brutos com a falsa promessa de essa percentagem, desproporcionada para os mais jovens, vir a baixar.

Como há décadas sucede maciçamente com a aquisição de casa própria fomentada pelo crédito bancário, também a saúde se está a «financeirizar» cada vez mais e tudo leva a crer que será esse, em grande parte, o destino do negócio através dos seguros. É deste modo que a dupla taxação da ADSE funciona hoje. Faz por isso todo o sentido aquilo que alguém dizia a respeito da proclamada «nova lei da saúde»: poeira lançada pelo PS aos olhos do eleitorado… Da mesma maneira, são ridículas as moções no sentido de parar o declínio do SNS perante os interesses financeiros e, simultaneamente, a incapacidade de o governo actualizar o sistema de pensões em função do declínio demográfico da população, o qual só pode aumentar o custo da saúde!

A proximidade das eleições (europeias em Maio e legislativas em Outubro) agudiza a conjuntura e confere uma importância cada vez maior aos eventos que se sucedem e a comunicação social agita. O governo apercebeu-se tarde que um dos sectores que mais poderá contribuir para a perda de votos do PS é, precisamente, o da saúde e não hesitou em partidarizar tudo o que tem que ver com ela, fazendo ideologia barata com uma «nova lei» que já nada mudará ao processo de financeirização em curso e com os ataques à greve dos enfermeiros.

Quando a actual ministra falou em obrigar os médicos do SNS a trabalhar em exclusividade, só revelou não ter reflectido no assunto! Não só o SNS se deve originariamente ao movimento reivindicativo das carreiras médicas no tempo de Marcelo Caetano, como o Professor João Lobo Antunes mostrou no seu derradeiro livro, como a Ordem dos Médicos estava fechada por ordem da PIDE na manhã do 25 de Abril e alguns dos seus membros presos. O sistema público de saúde sempre dependeu e continuará a depender da classe médica, bem como dos outros profissionais de saúde, para o seu funcionamento: se não por motivos melhores, porque o Estado não tem dinheiro para pagar esses «skills» ao preço do mercado!

A greve dos enfermeiros, diga-se o que se disser, é a prova disso mesmo. Assim como o sistema de saúde está em vias de financeirização acelerada, a proletarização das carreiras da saúde vai pelo mesmo caminho. Basta saber que as companhias de seguros – ADSE incluída – ainda só vão na casa de 1.500 milhões de euros por ano… Mas irão aumentar. Lá estão mais 4 mil milhões de euros saídos do bolso das «famílias», para não falar dos 200 mil euros das «instituições sem fins lucrativos», como as «Raríssimas»…

Não há provas que a guerra desencadeada, quase ao mesmo tempo, pelos sindicatos e a Ordem dos Enfermeiros e, por outro lado, pelas marcas CUF-Saúde e Luz-Saúde, seja a mesma, mas lá que parece, parece!  Seja como for, estão ligadas; se não nas suas causas, certamente nas consequências: é o valor de mercado. A Luz-Saúde é a mais interessante desses operadores para perceber o que está em jogo pois, além de ter um dos quatro hospitais em PPP, é uma marca local da financeira chinesa FOSUN, a qual, se amanhã não receber o dividendo planeado, levará os seus milhões embora daqui (o mesmo se diga da PPP norte-americana que detém o Hospital de Cascais). Note-se que a Caixa Geral de Depósitos é parte do negócio com 15% dos seguros Fidelidade, cujo maior accionista é a dita FOSUN! A «gerigonça» tem muitas batatas quentes nas mãos mas estas duas – saúde e envelhecimento – talvez ainda possam ser politicamente iludidas nas próximas eleições mas não no futuro financeiro e económico do país!

Fonte: Observador

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina aqui a nossa Newsletter e recebe todas as novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinar. Vais receber um mail... verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo