falta de dinheiro para contar tempo de serviço de enfermeiros é falsa questão – Observador

0 13

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, disse este domingo, em Coimbra, que é “uma falsa questão” alegar que não há dinheiro para contabilizar o tempo de serviço dos trabalhadores, designadamente dos enfermeiros.

“Não devemos misturar questões orçamentais com as questões sobre as próprias carreiras [profissionais]. É uma falsa questão dizer que não há dinheiro para contabilizar o tempo de serviço dos trabalhadores”, sustentou Catarina Martins, questionada pelos jornalistas, em Coimbra, depois de ter participado numa reunião com trabalhadores dos CTT.

“Essa foi a desculpa utilizada para todas as conquistas que foram feitas logo no início da [atual] legislatura, como, por exemplo, acabar com os cortes inconstitucionais dos salários, garantir o aumento do salário mínimo ou o descongelamento das pensões”, recordou a coordenadora do Bloco de Esquerda (BE).

“Disse-se que não havia dinheiro e não era verdade”, salientou.

Ficou provado, aliás, que, “quando se recuperam os rendimentos do trabalho, salários e pensões, a economia melhora e as contas públicas também melhoram porque, como todos nós sabemos, os enfermeiros, como os outros trabalhadores, não vão colocar o seu dinheiro em ‘offshores’, vão utilizá-lo naquilo que precisam e, com isso, vão dinamizar a economia portuguesa”, defendeu Catarina Martins.

“Foi isso que provámos, nos vários setores da economia, e isso continua a ser verdade e é nisso que o Bloco de Esquerda continua a acreditar”, sublinhou.

Sobre a proposta do Governo para ultrapassar o conflito com os enfermeiros, que está em debate público, Catarina Martins considera que ela tem “uma falha grave”, pois não “reconhece o tempo de serviço” destes profissionais, colocando aqueles que “têm muito tempo de serviço, que foram avaliados, que progrediram na carreira” com “um salário como se tivessem começado a trabalhar agora”.

Essa situação “não é aceitável”, pois “em todas as carreiras, o tempo de serviço, as responsabilidades dos trabalhadores, a sua avaliação, devem ser tidas em conta”, para os enfermeiros e para todos os profissionais, sustentou a líder bloquista.

A proposta para os enfermeiros é “parecida” com aquela que o Governo fez para os técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica, que “foi publicada em decreto-lei, contra a opinião dos sindicatos” e sobre a qual “o BE pediu a apreciação parlamentar”, acrescentou.

“Se o Governo insistir no [mesmo] erro em relação aos enfermeiros”, o Bloco de Esquerda “não deixará de fazer o mesmo”, isto é, de pedir a apreciação do diploma na Assembleia da República.

Mas, sublinhando que a proposta está em debate público, a coordenadora do BE defendeu: “O que nós esperamos é que o Governo compreenda a absoluta necessidade de respeitar as carreiras e o tempo de serviço e a correta contagem desse tempo de serviço”, concluiu Catarina Martins, insistindo que “isto é válido para todas as carreiras, seja no [setor] público ou no privado”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para [email protected] ou, pessoalmente, para Sónia Simões ([email protected]or.pt) ou para João Francisco Gomes ([email protected]);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Fonte: Observador

Este post foi útil?

Clique numa estrela para o avaliar!!

Classificação média / 5. Contagem de votos:

Este post foi útil para ti...

Segue-nos nas redes sociais!

We are sorry that this post was not useful for you!

Let us improve this post!

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo