Hemocultura e os Cuidados de Enfermagem

0 119

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

A hemocultura é um exame realizado para isolar e ajudar a identificar os patógenos na bacteriemia (invasão da corrente sanguínea por bactérias) e septicemia (disseminação sistêmica dessa infecção). Consiste na inoculação de um meio de cultura com uma amostra de sangue e sua incubação. As hemoculturas conseguem identificar aproximadamente 67% dos patógenos no decorrer de 24 horas e até 90% no decorrer de 72 horas.

A bacteriemia pode ser intermitente, transitória ou contínua. O momento ideal de coleta da amostra para hemoculturas depende do tipo suspeito de bacteriemia (intermitente ou contínua) e da necessidade ou não de iniciar a terapia farmacológica, independentemente dos resultados.

São considerados valores de referência

Negativos para patógenos.

Os achados anormais

– Níveis elevados (culturas positivas).

– Infecções associadas a bacteriemia transitória leve.

– Staphylococcus epidermidis e Propionibacterium (em pacientes imunocomprometidos).

– Mycobacterium tuberculosis e complexo M. avium (em pacientes com infecção pelo vírus da imunodeficiência humana).

– Infecções por Streptococcus pneumoniae e outras espécies de Streptococcus, Haemophilus influenzae, Staphylococcus aureus, Pseudomonas aeruginosa, Bacteroides, Brucella, Enterobacteriaceae, bacilos coliformes e Candida albicans.

A finalidade

– Identificar o microrganismo etiológico nos casos de bacteriemia e septicemia.

– Confirmar o diagnóstico de bacteriemia.

As causas de interferências

– Uso do frasco dos meios de cultura incorretos, ocasionando possível prevenção de crescimento aeróbico.

– Terapia antimicrobiana atual ou anterior, podendo ocorrer resultado falso-negativo.

– Remoção das tampas dos frascos de cultura à cabeceira do leito, possível prevenção de crescimento anaeróbico.

Os cuidados de enfermagem

– Evitar coletar a amostra de sangue de um cateter intravenosa (IV) já existente.

– Usar uma veia abaixo do cateter IV ou no braço oposto.

Antes do exame

– Confirmar a identidade do paciente usando dois identificadores, de acordo com as normas da instituição.

– Esclarecer ao paciente sobre o exame, e que a hemocultura é realizada para ajudar a identificar o microrganismo responsável pelos sinais e sintomas.

– Comunicar ao paciente que não há necessidade de restringir o consumo de alimentos e de líquidos.

– Informar ao paciente que poderá haver um leve desconforto devido ao torniquete e das picadas de agulha.

Durante o exame

– Calçar luvas.

– Limpar o local de punção venosa com swab de algodão e em seguida com swab de iodo, fazendo um movimento circular e centrífugo.

– Esperar ao menos 1 minuto para que a pele do paciente fique seca.

– Remover o iodo residual com swab de álcool ou remover o iodo depois da punção venosa.

– Aplicar o torniquete.

– Efetuar a punção venosa, coletando 10 a 20 ml de sangue no adulto. Ressalta-se que se o paciente for criança, deve-se coletar 2 a 6 ml de sangue.

– Limpar as partes superiores dos frascos de cultura com álcool ou iodo, ou outro agente antisséptico, de acordo com as normas da instituição e trocar a agulha da seringa.

– Em caso de ser utilizado caldo de cultura, acrescentar a amostra de sangue a cada frasco até obter uma diluição de 1:5 ou 1:10. Exemplo, acrescentar 10 ml de sangue a um frasco de cultura de 100 ml. O tamanho do frasco pode variar, dependendo do procedimento realizado na instituição.

– Em caso de utilização de uma resina especial, adicionar a amostra de sangue à resina nos frascos de cultura e invertê-los delicadamente para misturar.

– Em caso de ser utilizada a técnica de lise-centrifugação (Isolator®), coletar o sangue diretamente em um tubo especial de coleta e processamento.

– Apontar o suposto diagnóstico na folha de requisição do laboratório, bem como o uso atual ou recente de terapia antimicrobiana.

– Enviar imediatamente cada amostra ao laboratório após a sua coleta.

Após o exame

– Aplicar pressão direta no local da punção venosa até a interrupção do sangramento.

– Verificar o local de punção venosa quanto à ocorrência de hematoma, caso haja formação de hematoma, aplicar pressão direta.

– Preparar para iniciar a terapia antimicrobiana, conforme prescrição.

É importante lembrar que toda orientação, por mais simples que pareça, é fundamental para a realização adequada do exame.

REFERÊNCIAS

FISCHBACH, F. T. Exames laboratoriais e diagnósticos em enfermagem. 9. ed. – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016
SMELTZER SC, Bare BG. Brunner & Suddarth: Exames Complementares. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011

Fonte: Enfermeiro Aprendiz

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo