Sindicato dos enfermeiros acusa governo de sobrecarregar hospitais para decretar requisição civil – Observador

0 7

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Lúcia Leite, presidente da Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE), disse que o governo “deu instruções às instituições para agendar doentes prioritários em número excessivo àquilo que a capacidade instalada permitia”: “Numa situação normal seria difícil dar resposta àquelas listas. Em funcionamento em período de greve seria impossível. Foram criadas as condições para que o governo pudesse decretar a requisição civil”, acusou ela em entrevista à TVI.

A responsável sindical disse que esta é uma estratégia do governo para “utilizar uma figura jurídica extrema para resolver o problema dos enfermeiros”. Ainda assim, insiste que não vou houve falhas nos serviços mínimos e afirma que qualquer queixa que o primeiro-ministro apresente à Procuradoria-Geral da República é “um boicote à greve”. Quanto à requisição civil, a presidente da ASPE opina que “o que o governo pretendeu foi esvaziar a greve”: “Deixa de ter efeitos práticos porque os cidadãos ficam obrigados a se apresentarem ao serviço”.

A ASPE avisou o Governo para o risco de surgirem formas de luta “mais incontroláveis” que não sejam suportadas por sindicatos, considerando que os enfermeiros não ficarão serenos face à decisão de requisição civil.

Lúcia Leite, rejeita os fundamentos para a requisição civil decidida hoje em Conselho de Ministros e considera que o Governo “optou por um caminho que parece fácil, mas que lhe pode trazer dificuldades bem maiores no futuro”. “Não acredito que os enfermeiros, depois de verem como os governantes os desrespeitam, vão ficar serenos com esta decisão”, declarou Lúcia Leite à agência Lusa, indicando que o sindicato ainda vai analisar o alcance da requisição civil “antes de tomar decisões”.

Ainda assim, a presidente da ASPE diz que teme que “possam aparecer outras formas de luta suportadas em movimentos inorgânicos”, formas essas que possam ser “mais incontroláveis”. “Mas estou de consciência tranquila. Avisei a senhora ministra da Saúde sobre esse risco”, disse.

A presidente da ASPE entende que a fundamentação para a requisição civil “está ferida de verdade” por se basear num incumprimento dos serviços mínimos que “não aconteceu”. Em declarações à Lusa, Lúcia Leite considerou que “o incumprimento dos serviços mínimos é falso” e que o Governo usou estratégias para “ficcionar factos”.

Vários enfermeiros estão a utilizar a Internet para sugerir que os profissionais faltem ao trabalho, agora que a requisição civil anunciada pelo governo colmata os problemas que a greve provocaria.

“Já ouvi que os enfermeiros colocam a hipótese de abandono dos serviços. Todos têm direito a faltar cinco dias seguidos ou dez intercalados. Portanto, se se organizarem nesse sentido não haverá sequer lugar a serviços mínimos. Já tinha dito à ministra da Saúde que os movimentos inorgânicos de enfermeiros têm uma enorme contestação latente e que eu, como dirigente sindical, nem preciso de os mobilizar, porque a ministra e o primeiro-ministro fazem-no muito bem”, disse Lúcia Leite,  presidente da Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros de Portugal (ASEP), ao Expresso.

A Ordem dos Enfermeiros confirma que os enfermeiros estão a pensar faltar ao trabalho como nova forma de protesto: “Estamos a ser sobrecarregados com mensagens de enfermeiros a defender a ideia de se juntarem num movimento para abandonar os serviços”, confirmou ao mesmo jornal a bastonária Ana Rita Cavaco.

Em reação ao comunicado do governo, a Ordem dos Enfermeiros convocou os sindicatos que decretaram a greve cirúrgica, Sindepor e ASPE, e o Movimento Greve Cirúrgica para uma reunião na próxima terça-feira ao início da tarde. Na reunião estarão também os enfermeiros diretores dos centros hospitalares onde decorre a referida greve.

No mesmo documento, a Ordem dos Enfermeiros sublinha que “a Bastonária estará ao lado dos enfermeiros, como sempre tem estado e vai continuar a estar, no protesto agendado para as 9h junto ao Hospital de Santa Maria”.

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor) afirmou-se surpreendido por o Governo decretar requisição civil na greve cirúrgica dos enfermeiros, argumentando que essa figura não se justifica quando os serviços mínimos são cumpridos.

“Estamos surpreendidos porque não conseguimos entender qual a razão para esta requisição civil”, disse à agência Lusa o dirigente sindical Carlos Ramalho lembrando que houve pareceres de “alguns consagrados professores de direito” que concluíram que “não era possível uma requisição civil quando os serviços mínimos estão assegurados, e é isso que tem acontecido”.

Carlos Ramalho acusa o Governo de conduzir “um processo político de manipulação da opinião pública, anunciando que as cirurgias não estavam a ser feitas” e garante que os enfermeiros podem provar que “isso é falso”.

“Acompanhámos os piquetes de greve e sabemos que muitos dos tempos operatórios não foram devidamente utilizados e sempre estivemos disponíveis para negociar com os conselhos de administração a abertura de mais salas operatórias sempre que as situações o justificassem”, declarou.

O sindicato vai contactar o seu advogado para “reagir juridicamente” e Carlos Ramalho apontou que a requisição civil hoje decretada “só veio ajudar a unir ainda mais os enfermeiros, que estão disponíveis para o que for necessário, sempre dentro dos limites que a lei permite”.

Fonte: Observador

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo