Contaminação impõe uso de garrotes descartáveis nas unidades de saúde – Atualidade

0 423

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Intitulado “A disseminação microbiológica associada aos garrotes utilizados durante a punção venosa periférica: achados de uma ‘scoping review’”, o trabalho partiu da revisão científica de vinte estudos feitos em diversos países – Reino Unido (oito), Brasil (dois), EUA (dois), Alemanha, Austrália, Coreia do Sul, Paquistão, Portugal, Nigéria, Nova Zelândia e Turquia (um estudo em cada país) –, entre 1986 e 2017, num total de 1.479 garrotes analisados.

De acordo com a ‘scoping review’ (revisão sistematizada destinada a mapear estudos científicos relevantes em determinada área), conclui-se que “as taxas de contaminação variam entre os 10 e os 100%”, salienta a ESEnfC.

“Quinze dos vinte estudos analisados revelam a existência de contaminação em pelo menos 70% dos garrotes observados”, acrescenta.

Para os investigadores do TecPrevInf, citados pela ESEnfC, os resultados encontrados na ‘scoping review’ são corroborados pelos resultados da investigação desenvolvida pelo projeto numa unidade hospitalar da região Centro de Portugal, que apresentou “uma taxa de contaminação de 86% em 35 zaragatoas”, recolhidas para análise em garrotes utilizados na cateterização venosa periférica.

“Os microrganismos isolados encontrados foram similares aos identificados na literatura, também no que respeita a microrganismos multirresistentes”, realçam ainda os investigadores.

O projeto TecPrevInf visa promover a utilização de tecnologias inovadoras na prática clínica dos enfermeiros, com vista à prevenção de infeções associadas aos cuidados de saúde, relacionadas com o uso do cateter venoso periférico.

Fonte: Lifestyle Sapo

[ratemypost] [ratemypost-result]

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo