Ordem dos Enfermeiros assina protocolo para identificar vítimas de violência

0 194

A Ordem dos Enfermeiros vai assinar um protocolo com a GNR e dois hospitais para facilitar a identificação e intervenção das vítimas de violência doméstica e maus tratos.

A Ordem dos Enfermeiros vai assinar um protocolo com a Guarda Nacional Republicana (GNR) e dois hospitais, na sexta-feira, em Lisboa, no sentido de criar mecanismos de cooperação na identificação e intervenção junto de vítimas de violência doméstica e maus tratos.

Em declarações à agência Lusa, a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, realçou que se trata de um projeto piloto “inédito no país” que pretende a intervenção das autoridades policiais e dos enfermeiros em casos de violência que, muitas vezes, não são identificados.

“A maioria das vítimas de violência doméstica entram pela porta de urgência do hospital e a primeira pessoa que vêm é o enfermeiro na triagem. Muitas vezes, são pessoas mais frágeis do ponto de vista emocional até, e, muitas vezes, não dizem [que são vítimas de violência]”, explicou Ana Rita Cavaco, salientando que a Ordem pretende que haja intervenção nos casos, “juntamente com a GNR”.

Assim, o protocolo de cooperação vai ser assinado na sexta-feira, entre a Ordem dos Enfermeiros, a GNR, o Hospital de Cascais – Dr. José de Almeida e o Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca (Amadora-Sintra), por forma a apoiar as vítimas com os enfermeiros especialistas em saúde mental e as forças de segurança.

“O que se pretende é que, identificada uma vítima desta natureza, que apresente sinais de ser uma vítima de violência doméstica ou de outro tipo de violência – podemos estar a falar de idosos -, seja chamado esse enfermeiro, que é especialista em saúde mental, para poder apoiar melhor a pessoa, e que seja acionada também a GNR”, acrescentou a bastonária.

De acordo com Ana Rita Cavaco, o projeto será realizado numa área muito específica em dois hospitais e haverá uma formação gratuita em enfermagem de saúde mental para os especialistas na área e para os enfermeiros de triagem, que são os primeiros a ter contacto com as vítimas.

Publicidade

“A Ordem irá dar formação gratuitamente aos enfermeiros da triagem, [pois] são aqueles que em primeiro lugar contactam com estas vítimas, e aos enfermeiros especialistas em saúde mental”, disse a bastonária, explicando que “a formação [em enfermagem de saúde mental] será uma formação conjunta dada pela Ordem dos Enfermeiros e pela GNR”, com uma componente de enfermagem forense.

A bastonária assegurou que o objetivo é haver formação para os militares da GNR e para os enfermeiros e, para isso foi criada uma comissão para monitorizar os planos – que já estão em marcha – e implementar o projeto, que deverá tornar-se, a curto e médio prazo, uma realidade em todo o território nacional.

“[A iniciativa] começa no hospital de Cascais e Amadora-Sintra. E, se correr bem, se identificarmos que é uma mais valia, que nós pensamos que sim, para a população, pretendemos alargá-la a todo o país”, indicou, referindo que poderá ser uma realidade a “curto e médio prazo”.

A assinatura do protocolo vai acontecer na sexta-feira, às 11:00, no Comando Territorial da GNR de Lisboa, na Calçada do Combro.

Lusa / SO

Guardar post(0)
0/5 (0 Reviews)
O melhor da PortalEnf...

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...

Partilha isto com um amigo