SNS deve ser reorganizado para acabar com desresponsabilização, diz Aranda da Silva

0 55

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

O SNS deve ser reorganizado, porque o modelo atual desresponsabiliza os dirigentes, e tem de ter mais financiamento, defendem os autores de um livro sobre a matéria que é hoje a apresentado em Lisboa.

Numa iniciativa da Fundação para a Saúde – Serviço Nacional de Saúde (FSNS) é apresentado hoje o livro “Serviço Nacional de Saúde – Breve interpretação e bases para a sua transformação”, acompanhado de um debate, tudo inserido nas comemorações dos 40 anos do SNS.

José Aranda da Silva, presidente da FSNS, explicou à Lusa que uma das questões mais importantes propostas no livro é a “reorganização funcional” do SNS, porque o serviço “continua a ter sistemas de organização que desresponsabilizam os dirigentes a todos os níveis”. “Tem de haver uma responsabilização dos dirigentes”, salientou.

E depois é preciso olhar para o financiamento, “que tem sido manifestamente insuficiente nos últimos anos”. Aranda da Silva explicou que a despesa em saúde “baixou brutalmente” a partir de 2010/12 e que “ainda não se recuperou”.

Em termos europeus, Portugal “é dos países que menos gasta em Saúde”, mas é também daqueles onde as pessoas pagam diretamente mais pela Saúde, disse o antigo presidente do Infarmed (autoridade do medicamento) e bastonário da Ordem dos Farmacêuticos.

O livro (com dezenas de contribuições) é a primeira iniciativa da FSNS para assinalar os 40 anos do SNS e começou a ser feito há cerca de dois anos pelo médico Luís Ferreira Marquês (que morreu entretanto). Conta a história do SNS, contém depoimentos inéditos e faz propostas para um SNS melhor, que responda aos desafios atuais e de futuro.

As propostas assentam, disse o responsável à Lusa, em três partes, com a primeira a salientar que o SNS é um instrumento para o desenvolvimento e coesão social, “um instrumento que cria valor”, porque “há muito a ideia de que a saúde é só uma despesa” e não a de que é um investimento que tem retorno.

A segunda parte, prosseguiu Aranda da Silva, centra-se nos cidadãos em geral e nos profissionais que trabalham no SNS, e a terceira relaciona-se com a organização do SNS, que deve ser “predominantemente pública”.

É preciso também, disse, envolver mais os cidadãos nos processos de decisão, que têm de sentir o SNS como património de todos, e é preciso despolitizar o Serviço, que tem estado “muito ligado aos ciclos políticos”. O SNS, defendeu, tem de ter uma entidade própria, com funções que separem a gestão política da gestão do próprio SNS.

No livro que é hoje apresentado defende-se por exemplo planos plurianuais para o SNS, modos de pagamento associados a resultados em saúde, ou “permitir, estimular e garantir transparência, rigor e aplicação criteriosa de donativos cívicos”.

É que, justifica-se no livro, cidadãos têm questionado como podem apoiar financeiramente o desenvolvimento do SNS sem que tal levasse a uma situação de privilégio ou de desresponsabilização do Estado.

Depois diz-se, entre outras propostas, que o trabalho em dedicação plena no SNS dever ser estimulado e compensado, que se deve investir numa boa rede de serviços de proximidade, ou que se deve reforçar o “cuidar em casa”.

SO/Lusa

Gostaste deste artigo? Divulga-nos junto dos teus amigos e colegas!

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Share This Article:

close

Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina a nossa Newsletter e recebe todas as novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinar. Vais receber um mail... verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

SNS deve ser reorganizado para acabar com desresponsabilização, diz Aranda da Silva is highly popular post having 26 Facebook shares
Share with your friends
Powered by ESSB
Partilha isto com um amigo