Unidades EPE vão poder contratar sem autorização das Finanças

1 min de leitura

Os hospitais, institutos e unidades locais de saúde EPE do Serviço Nacional de Saúde (SNS) vão ver fortalecida já a partir deste ano a sua autonomia de gestão, podendo contratar e substituir pessoal sem autorização prévia do Ministério das Finanças, anunciou esta sexta-feira o Ministério da Saúde.

Num comunicado (https://www.sns.gov.pt/noticias/2019/07/05/autonomia-de-gestao-das-epe-do-sns/), a Tutela informa que a decisão consta de um despacho conjunto dos secretários de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, e do Tesouro, Álvaro Novo, que já foi assinado e que prevê que durante este ano e nos anos seguintes seja desenvolvido e aplicado o projeto de reforço da autonomia de gestão das Entidades Públicas Empresarias (EPE) que integram o SNS.

«Torna-se essencial criar as condições que permitam obter mais e melhores resultados a partir dos recursos disponíveis, ou seja, aumentar a eficiência do SNS, sendo para isso necessário melhorar a eficácia dos instrumentos de planeamento e de governação, recuperar a autonomia e a responsabilidade da gestão no SNS, permitindo uma prestação de cuidados de saúde de qualidade, com segurança e em tempo útil», lê-se no texto do diploma.

No despacho, os secretários de Estado do Tesouro e Adjunto e da Saúde defendem que a responsabilização e a consequente autonomia «contribuirá também para a melhoria das condições de financiamento e redução expectável do endividamento, que permitirá o acesso a regras menos restritivas no cálculo dos fundos disponíveis para a assunção de compromissos sem autorização prévia».

As unidades de saúde serão agrupadas em três grupos: o primeiro com as entidades mais eficientes de cada grupo de benchmarking utilizado pela Administração Central do Sistema de Saúde, o segundo com aquelas que têm níveis de eficiência intermédios (entre 95% e 80% do mais eficiente do grupo de benchmarking) e o terceiro com as EFE com níveis de eficiência mais baixos (inferiores a 80%).

O normativo prevê igualmente a criação de uma Estrutura de Acompanhamento e Avaliação de Desempenho (EAAD) para acompanhar, monitorizar e a avaliar «o desenvolvimento das funções de gestão nas EPE integradas no SNS» e que terá representantes da tutela da Saúde, de entre a ACSS e de cada Administração Regional de Saúde (ARS), e um máximo de três representantes nomeados pela área das Finanças.

Esta estrutura deverá acompanhar «localmente e em proximidade» o desempenho operacional das EPE do SNS, detetando eventuais desvios ao cumprimento das orientações e dos compromissos assumidos em termos de desempenho assistencial e económico financeiros.

Deverá igualmente emitir recomendações para implementação de medidas concretas que contribuam para corrigir eventuais desvios detetados, estabelecendo prazos para a sua aplicação.

O despacho pode ser lido na íntegra aqui .

Fonte: Univadis

Assina as nossas notificações e fica actualizado

Ajuda a Manter a PortalEnf com 1 €

Podes ajudar a manter a informação independente com um pequeno donativo!(sabe mais aqui!)

 

Segue-nos:

Este artigo foi útil? 

	

 

Looks like you have blocked notifications!
91,435Fans
627Seguidores
276seguidores
 seguidores
 Seguidores
89Subscritores
3,426Membros
16,609Assinantes
 Segue o nosso canal
Faz um DonativoFaz um donativo
Queres receber as nossas notificações?
Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades e analisar o nosso tráfego. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. Aceitar Ler mais

Segue-nos
Segue a Tua Comunidade PortalEnf e recebe as Novidades!
Assina a nossa newsletter
Segue-nos
Segue a Tua Comunidade PortalEnf e recebe as Novidades!
ASsina a nossa newsletter
error: Alert: Content is protected !!
Partilha isto com um amigo