Fatos essenciais sobre a Doença de Parkinson

0 149

Fatos essenciais sobre a doença de ParkinsonPara entender alguns dos fatos essenciais sobre o Mal de Parkinson, é preciso fazer antes algumas considerações importantes.

Por exemplo: Muhammad Ali tinha apenas 42 anos quando foi diagnosticado com Doença de Parkinson, em 1984.

Ele se tornou uma figura global na luta contra a doença.  Portanto, logo de início já se compreende que esta não é uma doença exclusiva de pessoas idosas, e este é um dos primeiros fatos essenciais sobre o Mal de Parkinson .

Seguindo esta linha de raciocínio, o ator Michael J. Fox soube que tinha Parkinson aos 29 anos.

Outro dos fatos essenciais sobre a Doença de Parkinson é que ela não tem cura.

Contudo, os tratamentos e as escolhas de estilo de vida podem ajudar os enfermos a manter boa qualidade de vida.

Como a doença de Parkinson afeta a todos de maneira diferente, os sintomas variam de pessoa para pessoa.

 

Muhammad Ali e a Doenca de Parkinson

Fatos essenciais sobre a doença de ParkinsonMuitos fãs e aficionados por boxe ainda lamentam o ocorrido com a lenda Muhammad Ali que morreu aos 74 anos, em uma sexta-feira à noite, devido uma septicemia.

Muhammad Ali havia sido hospitalizado dias antes com uma afecção respiratória. Um porta-voz da família disse que a morte dele se deu “devido causas naturais não especificadas”.

O campeão dos pesos-pesados tinha 42 anos quando foi diagnosticado com a doença de Parkinson em 1984 e se tornou ícone mundial na luta contra a doença.

A doença de Parkinson é um distúrbio degenerativo do sistema nervoso central que afeta as células nervosas do cérebro e dificulta o movimento.

Ele atinge um número crescente de pessoas em todo o mundo, segundo a Fundação da Doença de Parkinson.

Cerebro_parkinson_dopaminaO distúrbio é crônico e progressivo, injuriando as células nervosas que produzem dopamina.

Quando essas células se danificam ou morrem, a perda de dopamina leva a impulsos nervosos anormais e movimentos prejudicados, incluindo tremores, perda de equilíbrio e outros problemas, explica a Federação Mundial de Neurologia.

Ainda não existe nenhuma cura para a doença, mas os pesquisadores dizem que estão buscando mais pistas sobre o papel dos fatores genéticos e ambientais na doença a fim de chegar a alguma solução.

Enquanto isso, os indivíduos já diagnosticados podem tomar algumas medidas para proteger sua qualidade de vida e aproveitar seu tempo útil o máximo possível.

Nesse contexto, vale discorrer sobre alguns fatos essenciais da Doença de Parkinson visando uma conscientização global sobre o que pode ser feito por quem já teve diagnóstico confirmado.

 

Fatos relacionados ao Mal de Parkinson

 

Primeiro fato

Doença de Parkinson não é apenas “doença de gente idosa”. Apesar de o distúrbio ser tipicamente identificado por volta dos 60 anos, pessoas mais jovens também podem ser afetadas.

Fatos essenciais sobre a doença de ParkinsonA Fundação Michael J. Fox para Pesquisa em Doença de Parkinson alerta: “pessoas mais jovens podem ter isso”.

Inclusive, o próprio ator Michael J. Fox é uma prova viva das informações aqui passadas: presentemente com 58 anos, ele foi diagnosticado em 1991, aos 29 anos.

Tal tipo de incidência, aos 40 anos ou menos, é chamada de “Parkinson de início precoce”. Entretanto, o mais típico é que a doença seja diagnosticada em indivíduos a partir de 50 ou 60 anos.

 

Segundo fato

Fatos essenciais sobre a doença de ParkinsonA causa do mal de Parkinson ainda é desconhecida. Acredita-se que uma combinação de fatores genéticos e ambientais contribua para o risco de contrair o problema, diz Catherine Kopil – diretora de programas de pesquisa da fundação Michael J. Fox.

Várias mutações genéticas foram encontradas em pessoas que tem a Doença de Parkinson.

Assim sendo, o estilo de vida também pode desempenhar um papel no desencadear dos eventos que culminam no problema.

As pesquisas mostraram que, aqueles que consomem bebidas contendo cafeína, por exemplo, demonstram ter menores riscos de contrair Parkinson, embora uma relação de causa e efeito ainda não tenha sido totalmente comprovada.

 

Terceiro fato

Fatos essenciais sobre a doença de ParkinsonDiagnosticar a Doença de Parkinson não é algo simples. Não existe ainda um teste diagnóstico específico para problema.

Em vez disso, os médicos procuram por quatro características chave do distúrbio do movimento.

Para começar a diagnosticar a doença, os médicos usam um acróstico mnemônico da palavra em inglês “TRAP”:

T- Tremor ou tremor em repouso, envolvendo o polegar, mão inteira, braço, queixo, lábios e pés.

R- Rigidez sentida pelo médico ao girar o pulso ou o cotovelo de um paciente.

A- Acinesia ou bradicinesia (falta de movimento ou lentidão de movimento) ao caminhar ou tentar mover um braço

P- Postura instável, tornando necessário se apoiar em algo para manter o equilíbrio ao caminhar ou se levantar de um assento.

Não obstante, antes de fechar o definitivamente o diagnóstico de Parkinson, os médicos procuram descartar outras condições, efeitos adversos de medicações que causam sintomas similares, artrite ou outros problemas de saúde.

Observar os sintomas, além de fazer uma boa anamnese e perguntar aos pacientes se eles são naturalmente rígidos, lentos ou instáveis, é apenas parte do processo de diagnóstico.

 

Quarto fato

Fatos essenciais sobre a doença de ParkinsonA doença de Parkinson não é apenas identificada por tremores e outros sintomas externos.

Enquanto os sintomas externos são usados como base para diagnóstico, a condição envolve muito mais.

Há o que se chama popularmente entre alguns especialistas de “sintomas invisíveis”. Estes incluem problemas de sono, constipação, fala arrastada e problemas de humor, como a depressão.

Os sintomas variam muito de um paciente para o outro conforme os “guidelines” de neurologia.

Em verdade, há um dito popular entre os neurologistas: “se você conheceu um paciente com Parkinson, conheceu UM paciente com Parkinson.”

Isso porque o conjunto ou combinação de sintomas pode variar bastante de um indivíduo para outro.

Patrocinado

 

Quinto fato

Fatos essenciais sobre a doença de ParkinsonEducar sobre o mal de Parkinson pode melhorar a qualidade de vida de familiares e de pacientes.

Sabe-se bem que a boa qualidade de vida é possível nos mais diversos tipos de patologias crônicas.

Na Doença de Parkinson, se o paciente procurar por um bom profissional para tratamento, tiver bom acompanhamento e um bom plano de cuidados pessoais nada impede que a qualidade de vida exista.

Entretanto, vale lembrar que pacientes com Parkinson e outras condições associadas, tais como hipertensão, colesterol alto e outras condições crônicas, precisam ser manejados com mais regularidade.

Em adição, quanto mais eles se informam, mais eles podem advogar por si mesmos e pedir ajuda aos membros de suas equipes de saúde, bem como aos cuidadores diretos.

 

Sexto fato

Fatos essenciais sobre a doença de ParkinsonO tratamento deve ser individualizado e adaptado aos sintomas de cada pessoa.

Embora ainda não exista cura para a doença de Parkinson, o tratamento pode ajudar o paciente a ter uma vida de melhor qualidade.

O tratamento primário para tremores, acinesia e rigidez é, usualmente, uma combinação de drogas, cujo objetivo é repor a dopamina perdida.

Mas os sintomas da doença de Parkinson não só variam de paciente para paciente – diversas pesquisas apontam que os pacientes também relatam não ser igualmente incomodados pelos mesmos sintomas.

Nesse contexto, é importante que a equipe esteja atenta e procure descobrir exatamente o que mais incomoda a seus pacientes afetados pelo mal de Parkinson.

Para alguns, o pior sintoma pode ser a constipação. Para outros, os tremores ou problemas posturais podem ser os maiores desafios.

Por isso, o plano de tratamento precisa ser adaptado à preocupação e desconfortos mais urgentes.

 

Sétimo fato

Fatos essenciais sobre a doença de ParkinsonVale a pena considerar alguns estudos clínicos – qualquer que seja o tipo. Toda vez que um paciente com doença de Parkinson visita seu médico, a sugestão é que se discuta o que há de novo.

Saber se o paciente X ou Y é elegível para algum ensaio clínico pode trazer grandes mudanças de cunho prático para toda a realidade em que esteja inserido o mesmo.

O campo da pesquisa está em constante evolução e, por isso, vale a pena perguntar se quaisquer estudos, ensaios ou pesquisas recentes seriam benéficas para aquela pessoa em particular.

Participar de ensaios clínicos, por exemplo, pode dar acesso a certos tratamentos não disponíveis através dos meios comuns.

Contudo, antes de sugerir que uma pessoa se inscreva em algo, é preciso ponderar bastante sobre todos os riscos e benefícios a fim de evitar dar esperanças vãs ao paciente e seus entes queridos.

 

Oitavo fato

Fatos essenciais sobre a doença de ParkinsonAltos níveis de stress podem piorar a progressão da doença de Parkinson.

Assim sendo, orientar acompanhamento psicológico e participação em grupos de apoio pode ajudar a aliviar isso.

O simples ato de conversar sobre o problema ajuda a aliviar uma parte do stress, uma vez que uma das fontes dele é o grande esforço que se faz para esconder a condição de pessoas próximas.

 

 

Nono fato

Fatos essenciais sobre a doença de ParkinsonHospitalizações podem ser muito arriscadas para os pacientes com mal de Parkinson.

Algumas pesquisas envolvendo grupos diversos de doentes mostraram que, pacientes com doença de Parkinson correm risco de tomar seus medicamentos de rotina nos horários errados e contrair infecções quando hospitalizados.

Estes fatores podem levar à da saúde deles como um todo e, embora as hospitalizações às vezes sejam necessárias, a preferência é evitá-las o máximo possível.

Nesses casos, as orientações são manter sempre o plano de tratamento em dias, tomar todas as medicações conforme instruções e, finalmente, optar por buscar atendimento em ambulatórios ou clínicas médicas em vez de hospitais – sempre que possível.

 

Decimo fato

Fatos essenciais sobre a doença de ParkinsonEpisódios depressivos ou mesmo a depressão maior podem afetar mais da metade de todos os pacientes com Parkinson. Já a ansiedade afeta cerca de 40% deles.

Tanto a ansiedade quanto a depressão podem afetar o estado de saúde geral de uma pessoa com Parkinson – muito mais do que os sintomas motores, diz a Federação Mundial de Neurologia.

Em adição, conforme pesquisa em saúde mental feita pela OMS, nos pacientes com doença de Parkinson em geral, a depressão e a ansiedade ocorrem juntas.

Felizmente, o tratamento ajuda muito e há opções de terapias complementares variadas para dar suporte ao tratamento primário.

As opções adicionais vão desde exercícios físicos ate medicações, psicoterapia, terapia da fala, meditação, aromaterapia, fitoterapia, cinesiologia, técnica de Alexander, e muitas outras.

 

Ideias finais

O mal de Parkinson é uma doença neurodegenerativa, progressiva, que afeta um número crescente de pessoas em todo o mundo.

Fatos essenciais sobre a doença de ParkinsonConhecer o problema e as opções em torno dele, bem como as estratégias para ter uma vida saudável é fundamental para pacientes e todos os envolvidos no processo do cuidar.

Embora não haja ainda uma cura para a doença, as pesquisas avançam a cada dia.

Logo, manter uma boa nutrição, praticar exercícios, ater-se ao plano de cuidados e buscar apoio psicológico perfará o grande segredo para a manutenção da qualidade de vida do paciente com mal de Parkinson – ate que a cura seja ulteriormente encontrada.

 

Fontes

Federação Mundial de Neurologia

Parkinson e Eu

Este artigo foi útil?

5/5 (1 Review)
Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...

Partilha isto com um amigo