Exército do Canadá quer saia da farda mais curta para atrair mulheres

0 8

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Bumblee_Dee / Canva

Para aumentar o alistamento de mulheres, o exército do Canadá está a considerar fazer alterações à farda, encurtando as saias, e referir-se às medalhas como “bling”, palavra em inglês usada para se referir acessórios caros e aparatosos.

De acordo com o jornal The Ottawa Citizen, que usou a lei de acesso à informação do país para obter documentos estratégicos de 2016 a 2018 das Forças Armadas, as propostas estão a ser apresentadas para aumentar o alistamento feminino em 25% até 2026. As mudanças incluem orientações sobre roupas e apresentações nas redes sociais.

Para tratar da questão do recrutamento de mulheres, foi criada uma equipa, que criou uma série de documentos a examinar vários impedimentos ao aumento do alistamento feminino, dos 15,9% em que se encontra hoje. No relatório, a equipa observa que “barreiras sistémicas permanecem em vigor, tornando o Exército uma opção menos desejável para a maioria das jovens canadianas”.

A questão dos uniformes foi apresentada como uma preocupação. O Comité de Vestimenta das Forças Armadas do Canadá, o grupo que determina padrões para roupas militares, é maioritariamente do sexo masculino, o que resultou em uniformes para mulheres soldados que são desconfortáveis ​​e difíceis de vestir.

O grupo recomenda que o comité seja reformado para que 25% seja constituído por mulheres para fornecer feedback sobre o ajuste e o estilo das roupas. Uma mudança funcional seria encurtar as saias usadas pelas mulheres soldados e trocar os sapatos.

Os documentos também continham propostas para anunciar carreiras nas forças armadas canadianas que enfatizavam a amizade e a confiança nos colegas de trabalho.

Uma proposta tinha anúncios com slogans, como por exemplo,  “As minhas jóias são as minhas medalhas”. Também foram recomendadas mensagens sobre os papéis do exército canadiano em ajuda a desastres e manutenção da paz, em oposição ao combate direto.

O papel das mulheres nas forças armadas canadianas evoluiu ao longo dos anos. Durante a II Guerra Mundial, só foram autorizados a servir em capacidades de não-combate, como administração, culinária e enfermagem. Com a aprovação da Lei Canadiana de Direitos Humanos de 1985, as oportunidades militares para as mulheres expandiram-se ainda mais e, em 1987, foram autorizadas a assumir postos de combate direto.

O recrutamento de ambos os sexos tem sido um problema recentemente. De acordo com um artigo de 2018 na Legion, uma revista que se concentra na história militar canadiana, o número total de membros da caiu de 58 mil para 56.300 entre 2011 e 2016, mesmo com o aumento das necessidades de pessoal.


Fonte: ZAP

Classifica este artigo: [ratings]

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Loading
Loading...
Share This Article:

close