De Itália aos Estados Unidos. Os profissionais de saúde e o heroísmo contra o coronavírus

0 19

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

“Vivo com minha esposa e meus filhos. Quando chego em casa a noite, corro para tomar uma ducha, mas é difícil evitar que as crianças pulem em cima de você”, conta.

“Como precaução tomo cloroquina, mas ainda não sabemos se funciona como método de prevenção ou cura, mas eu faço como precaução”, admite.

“Temos medo, como todo o resto da população. Medo de ter colocado a máscara de maneira errada, medo de ter ajustado incorretamente o traje quando recebemos um paciente com sintomas, medo”, confessa o médico.

“Quando você acorda de manhã e sente um pouco de dor de cabeça, se questiona: ‘Será o vírus? Será que chegou a minha vez”, revela.

Espanha: pacientes sozinhos, sem famílias

“É difícil ver os pacientes sozinhos e sem que as famílias possam acompanhá-los”, admite Antonio Álvarez, enfermeiro de 33 anos da UTI do Vall d’Hebron, o maior hospital de Barcelona.

Ele conta que liga para os parentes de seus pacientes todos os dias e, caso entrem na fase terminal, tenta fazer com que um integrante da família possa dizer adeus atrás do vidro que isola a pessoa em um box.

“Se despedem deles da porta e provavelmente será a última vez que poderão observá-lo”, comenta, antes de recordar que os funerais estão proibidos.

“Se fosse um membro da minha família, não conseguiria ficar calado, atrás da porta. É uma situação muito difícil, um luto muito complicado”, lamenta.

Turquia: é como “estar na guerra”

“Todos trabalham duro, como se estivessem na guerra”, afirma o professor Nuri Aydin, reitor da Faculdade de Medicina de Cerrahpasa, em Istambul.

“A atmosfera aqui não é a de um local de trabalho normal, mas a de um campo de batalha”, completa ao percorrer o hospital.

Quase 60% dos casos de coronavírus na Turquia foram registrados em Istambul, uma cidade em expansão, com mais de 15 milhões de habitantes e capital econômica do país.

Por temer contaminar seus familiares, alguns funcionários da enfermaria dormem em hotéis ou residências para estudantes.

“Estão fazendo algo sobre-humano. Não tem preço o trabalho que estão fazendo. Estão a serviço da humanidade”, resume Aydin.

Estados Unidos: sem proteção

“Somos os combatentes nos postos avançados (…) e não temos as armas nem a armadura para nos protegermos do inimigo”, afirmou Judy Sheridan-Gonzalez, enfermeira da unidade de emergência durante um protesto organizado diante de um hospital de Nova York.

Como acontece em outros países, as enfermeiras reclamam da falta de máscaras, de trajes e de equipamentos de proteção. Elas temem por suas vidas e as de seus pacientes.

Com aproximadamente 195.000 casos confirmados de COVID-19 e quase 10.000 mortes, o estado de Nova York é o epicentro da pandemia que afeta os Estados Unidos, atualmente o país com o maior número de contágios.

Benny Mathew, outro enfermeiro de 43 anos, revela que contraiu o vírus depois de atender pelo menos quatro pacientes. Quando a febre diminuiu, o hospital pediu que retornasse ao trabalho.

“O único critério é a febre. Pediram que colocasse a máscara e voltasse. Faltavam funcionários, então o meu dever era retornar, mas tinha medo de transmitir a doença a meus colegas e aos pacientes que não têm o coronavírus”, destacou.

Filipinas: um “pesadelo”

“Isto é um pesadelo”, afirma Ferdinand de Guzmán, médico do hospital São Lázaro de Manila, de 60 anos e do grupo de risco.

O centro especializado em doenças infecciosas nunca havia registrado algo assim, apesar de ter vivenciado diversas epidemias.

O números de leito na UTI é limitado e os médicos são obrigados a “classificar” aos pacientes que chegam ao local.

“Não queremos acreditar que somos Deus, mas os médicos têm que tomar decisões”, explica. Por isto, a volta para casa depois de uma jornada de trabalho de 12 horas vira um desafio.

“Não queremos voltar, tememos por nossas famílias”, confessa.

Alemanha: ajudar o vizinho

“Tivemos dois pacientes, de 64 e 68 anos, que chegaram de Colmar, na França, e que retornaram a seu país recuperados”, conta Thomas Kirschning, de 44 anos, coordenador da UTI do hospital de Mannheim, próximo da fronteira.

“Foi estimulante para a equipe poder ajudar, porque ainda tínhamos vagas em Mannheim e a França enfrentava uma situação de emergência”, explica.

Retornar para casa à noite, no entanto, provoca apreensão. “Estamos tentando não cometer erros e não colocar nossas vidas em perigo”, afirma o médico, casado e que tem duas filhas.

“É evidente que a pandemia influencia nossas relações. Todos estamos um pouco preocupados, minha família por mim e eu pela minha família”, resume.

Fonte: Lifestyle Sapo

Gostaste deste artigo? Divulga-nos junto dos teus amigos e colegas! Ajuda-nos a Manter a PortalEnf. Clica aqui para saber mais!

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades e analisar o nosso tráfego. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. Aceitar Ler mais

Share This Article:

close

Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina a nossa Newsletter e recebe todas as novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinar. Vais receber um mail... verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

De Itália aos Estados Unidos. Os profissionais de saúde e o heroísmo contra o coronavírus is highly popular post having 33 Facebook shares
Share with your friends
Powered by ESSB
Partilha isto com um amigo