COVID-19: BE propõe subsídio de risco para todos os profissionais de saúde

0 9

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

“O errado é efetivamente não terem considerado a enfermagem até agora como uma profissão de risco e é isso que tem que se fazer, tão somente isso”, defendeu.

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, disse, por seu turno, que “não podia estar mais de acordo” com a questão do subsídio de risco para os profissionais de saúde.

“Não sendo propriamente uma questão da Ordem, sendo uma questão mais do âmbito sindical, nós sempre achamos que a profissão de médico, concretamente, é uma profissão de risco e de desgaste rápido”, disse o bastonário, dando como exemplo para esta situação as elevadas taxas de suicídio e os enfartes agudo do miocárdio que são mais frequentes nos médicos do que na população em geral.

Quanto à questão de os profissionais serem recompensados, Miguel Guimarães disse que os médicos não estão à espera de serem compensados pelo trabalho dos últimos meses.

“Nós trabalhamos nestes meses da mesma forma que o fazemos sempre, isto é o nosso trabalho. É isto que temos que fazer, ajudar a salvar vidas e ajudar o Governo a ultrapassar esta fase difícil”, salientou.

Miguel Guimarães salientou a importância da revisão das carreiras para “os médicos optarem mais” por trabalhar no SNS e menos no setor social ou privado e saírem menos do país.

Relativamente à majoração por pontos para progressão na carreira, o bastonário disse que isso “é muito fácil de fazer”.

“Se, por exemplo, abrirmos os concursos todos os anos é evidente que as pessoas progrediam de forma diferente na carreira e isso já lhes trazia também alguma compensação”, declarou.

Questionada na audição sobre a questão de enfermeiros terem ficado sem vencimento em abril e este mês, a bastonária disse que todas essas questões foram enviadas para o Governo e que estão as ser resolvidas.

Esta situação aconteceu por motivos de baixa, “muitos por doença natural e outros por uma situação mais grave: foi-lhes dada doença profissional e a Segurança Social indeferiu-lhes o pedido porque não considera a covid-19 doença profissional”.

A informação que a Ordem dos Enfermeiros dispõe é que os Hospitais da Universidade de Coimbra adiantou o dinheiro aos enfermeiros e os casos que foram enviados agora e que são de outras instituições “estão a ser resolvidos ou em vias de se resolver”.

“A saúde tem de se entender com a Segurança Social, não podemos é deixar um enfermeiro com filhos com 70 euros por mês” ou deixar que tenham “400 euros negativos”, uma situação que resulta de os infetados terem de estar em casa até testarem negativo.

“Temos casos de enfermeiros que testaram negativo, após 40 ou 50 dias, por exemplo, e fruto desses acertos de meses anteriores, eles ficaram a dever ainda por cima dinheiro à instituição”.

Fonte: Lifestyle Sapo

Gostaste deste artigo? Divulga-nos junto dos teus amigos e colegas! Ajuda-nos a Manter a PortalEnf. Clica aqui para saber mais!

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades e analisar o nosso tráfego. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. Aceitar Ler mais

Share This Article:

close

Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina a nossa Newsletter e recebe todas as novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinar. Vais receber um mail... verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Partilha isto com um amigo