Os riscos para os profissionais de saúde vão muito para além do vírus

0 328

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

A par do risco de contrair Covid-19, a ansiedade, horas de sono insuficientes, a fadiga e as dores nas costas têm influência na saúde e no desempenho da actividade dos profissionais de saúde que estão na linha da frente contra a pandemia, conclui o segundo questionário do Barómetro da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), divulgado esta quarta-feira.

«Ao caracterizar os factores de risco profissionais a que estão expostos os profissionais de saúde, torna-se claro que estes não se esgotam no vírus SARS CoV-2, agente da Covid-19. O contacto com doentes (ou casos suspeitos) de Covid-19 tem repercussões a nível psicológico, constatando-se que quase três quartos dos respondentes apresentam níveis de ansiedade elevados ou muito elevados como resposta às situações de stress que vivenciam.

A análise ao segundo questionário revela também que «quase 15% dos respondentes apresentam níveis de depressão moderados ou elevados».

Ainda na área psicossocial, o Barómetro constata que «quase metade dos profissionais de saúde (44,8%) refere que dorme menos de seis horas diárias».

É também realçado o facto de 44,8% dos profissionais de saúde não terem praticado exercício físico na última semana e apenas 2% referirem fazer exercício todos os dias. «Tal pode, eventualmente, estar relacionado com o elevado número de alusões à presença de dores musculoesqueléticas (ou desconforto) a nível da coluna vertebral– raquialgias, que não tinham anteriormente e que podem estar relacionadas, para além das exigências do trabalho, por exemplo com à sobrecarga causada pelos EPI que usam», explica a ENSP num comunicado.

Fatores de risco microbiológicos

Em relação aos fatores de risco microbiológicos, os resultados continuam a mostrar que «cerca de um terço (33,4%) dos 5180 profissionais de saúde não realiza a automonitorização diária».

A grande maioria dos profissionais de saúde que participaram no segundo questionário e trabalham em hospitais menciona que o Serviço de Saúde Ocupacional (ou de Saúde e Segurança do Trabalho) gere o risco de contágio para a Covid-19 na sua instituição. Apesar disso, «32,9% referem que no local em que trabalham não existe Serviço de Saúde Ocupacional (ou não os apoia). Desses, 87,5% trabalham fora dos hospitais e 58% em Aces/Medicina Geral e Familiar». Este valor aumenta quando os resultados dos questionários são agregados e situa-se nos 36,6%, o que representa um «substantivo número de profissionais de saúde sem sistema organizado de proteção e vigilância da sua saúde, neste caso do contágio pelo SARS-CoV2 (COVID-19) como risco profissional», salienta a nota à Imprensa.

Quanto aos Equipamentos de Proteção Individual (EPI), a sua disponibilização na última semana, em relação às semanas anteriores, é considerada pelos profissionais de saúde melhor (31,7%) ou mesmo muito melhor (40,7%). A sua disponibilidade aumentou para a maioria na última semana (55,1%), apesar de 11% considerarem que piorou bastante, em particular nos Aces. Na opinião da grande maioria dos respondentes (80,2%) os EPI são adequados.
Este segundo questionário dirigido a profissionais de saúde recolheu, entre os dias 16 e 24 de abril, 2059 respostas, totalizando agora um universo total de 5180 questionários respondidos.

As respostas são maioritariamente de profissionais do setor público (92,1%), nomeadamente enfermeiros (39,6%), médicos (26,4%), técnicos de diagnóstico e terapêutica (18,6%), assistentes operacionais (2,9%), farmacêuticos laboratoriais e hospitalares, nutricionistas, psicólogos, entre outros.

A maioria dos respondentes trabalha em hospitais (48,9%), Agrupamentos de Centros de Saúde – Aces (43,2%), em Cuidados Continuados (1,2%) e em outros locais de prestação de cuidados (6,7%) como as farmácias hospitalares e comunitárias e em laboratórios.

Neste segundo questionário, ao contrário do primeiro, em que o Norte estava representado com quase 40% dos respondentes, a representatividade geográfica assume dominância na região de Lisboa e Vale do Tejo (68,3%), seguido do Norte (14,5%) e do Centro (13,9%) do país.

Consulte todos os resultados aqui .

Fonte: Univadis

Gostaste deste artigo? Divulga-nos junto dos teus amigos e colegas! Ajuda-nos a Manter a PortalEnf. Clica aqui para saber mais!

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades e analisar o nosso tráfego. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. Aceitar Ler mais

Share This Article:

close

Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina a nossa Newsletter e recebe todas as novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinar. Vais receber um mail... verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Os riscos para os profissionais de saúde vão muito para além do vírus is highly popular post having 470 Facebook shares
Share with your friends
Powered by ESSB
Partilha isto com um amigo