Enfermeiros: os ‘heróis sem capa’ que combatem o coronavírus no Brasil

0 192

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Hans Bossan é um dos mais de 18.000 casos de COVID-19 reportados entre trabalhadores da área.

“Nós somos muito desvalorizados pela realidade em que vivemos. É a enfermagem que está de frente, em contacto direto com o paciente, com o vírus, nessa zona de guerra. E nem todo o mundo sempre vê dessa forma”, explica à AFP na sua casa em São Gonçalo, município da região metropolitana do Rio de Janeiro, onde mora com a esposa e a filha de dois anos.

Falta pouco para começar uma semana de trabalho de 72 horas – em dois hospitais e numa emergência móvel do SAMU -, que o mantém longe de casa de quarta a domingo, com curtos intervalos para descansar e se alimentar.

“A enfermagem sempre foi sobrecarregada. E com essa pandemia a gente está duplamente carregado”, acrescentou.

Assintomático, Hans foi diagnosticado com a COVID-19 durante uma ronda de exames. Cumpriu 15 dias de isolamento em casa e depois reintegrou-se. Presume que a sobrecarga de trabalho prejudicou as suas defesas.

“Hoje eu faço plantões atrás de plantões para poder suprir as necessidades dos hospitais [substituindo colegas doentes] e sustentar a minha família. Não consigo sustentá-la com um emprego, eu sempre trabalhei em dois, hoje estou em três”, acrescenta.

Momento de “angústia” e “depressão”

Segundo o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), o salário médio da categoria (enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem) é de R$ 3.000 para uma carga horária de 30 a 44 horas por semana.

A entidade reivindica há anos uma base salarial de R$ 6.000.

Os enfermeiros “vivem este momento com muita angústia e depressão”, diz à AFP Nadia Mattos, vice-presidente do Cofen, que montou um serviço virtual de assistência psicológica 24 horas.

Os profissionais da saúde enfrentaram a primeira enxurrada de casos com falta de equipamentos de proteção individual (EPI) e treino adequados, critica Mattos.

Embora a situação tenha melhorado, “ainda temos muita denúncia de falta de EPI e, principalmente, da baixa qualidade, que não garante a proteção deste profissional”, afirma.

Dos 2,3 milhões de enfermeiros registados no Brasil, mais de 80% são mulheres.

Isto implica que, depois de jornadas duplas ou triplas, muitas voltam para casa para se ocupar dos próprios familiares, com a preocupação de não lhes transmitir o vírus.

Segundo o Conselho Internacional de Enfermeiras, sediado em Genebra, mais de 600 profissionais morreram em todo o mundo vítimas do novo coronavírus.

Dos 181 falecidos no Brasil, 39 trabalhavam no estado de São Paulo e 36 no Rio de Janeiro. Dois eram colegas próximos de Hans.

“O amor levanta-nos”

É sexta-feira e depois do almoço, Hans volta ao Centro de Terapia Intensiva do Hospital Municipal Ernesto Che Guevara, em Maricá (a 60 km do Rio de Janeiro), unidade pública de excelência inaugurada a 1º de maio.

Ele já acumula mais de 40 horas em três plantões diferentes, mas não aparenta cansaço.

Antes de entrar na sala, veste-se com um kit de máscara, luvas, túnica, gorro cirúrgico e viseira. Move-se com agilidade para verificar o estado dos pacientes, vigiando monitores que emitem apitos constantes no ambiente.

Aqui não faltam recursos. Quatro médicos e pelo menos cinco enfermeiros cuidam de uma dezena de pacientes com insuficiência respiratória, um dos sintomas do novo coronavírus.

Alguns estão entubados e sedados. Outros, como Eliane Lima, estão acordados.

“Todos os médicos e enfermeiros são excelentes. Cuidam de nós com amor, não é pouco amor não. É muito amor. O amor levanta-nos, o carinho levanta-nos”, conta à AFP esta mulher de 56 anos que respira com ajuda de uma máscara de oxigénio.

Na ala de cuidados semi-intensivos, a técnica de Enfermagem Flavia Menezes lamenta a perda de vários colegas e defende mais reconhecimento – salarial e simbólico – para a profissão, que ela define como “a arte de cuidar”.

Com orgulho, repete a frase que mandou estampar numa t-shirt: “Nem todas as heroínas usam capa”.

Fonte: Lifestyle Sapo

Gostaste deste artigo? Divulga-nos junto dos teus amigos e colegas! Ajuda-nos a Manter a PortalEnf. Clica aqui para saber mais!

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades e analisar o nosso tráfego. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. Aceitar Ler mais

Share This Article:

close

Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina a nossa Newsletter e recebe todas as novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinar. Vais receber um mail... verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Enfermeiros: os \'heróis sem capa\' que combatem o coronavírus no Brasil is highly popular post having 42 Facebook shares
Share with your friends
Powered by ESSB
Partilha isto com um amigo