COVID-19: Número de mortos do surto em lar de Reguengos de Monsaraz sobe para oito

0 14

“Os médicos de família são altamente diferenciados para atuar na comunidade, seguem os doentes do nascimento até à morte e fazem, sobretudo, uma medicina preventiva. Não têm conteúdo funcional para acompanhar doentes internados num hospital de campanha”, assinalou.

A responsável da OM insistiu que “os médicos de família não tem conteúdo funcional para atuar em situações de urgência e de emergência”, notando que estes idosos “têm muitas doenças associadas e, com descompensações que podem ser rápidas, pode nem sequer dar tempo para o transporte para o hospital de Évora”.

“Se a ARS do Alentejo acha que estes doentes têm de ter médico 24 horas por dia, então, provavelmente, precisam de internamento num hospital”, acrescentou.

A presidente da sub-região de Évora da OM advertiu, por outro lado, que a colocação de médicos de família e médicos hospitalares no lar de Reguengos de Monsaraz é “no mínimo abusiva e não é realizada à luz de qualquer suporte legal”, dado que o país não está em estado de emergência.

De acordo com Augusta Portas Pereira, a primeira semana após a deteção do surto no lar da FMIVPS “foi totalmente assegurada por quatro médicos do centro de Saúde de Reguengos de Monsaraz”.

“Quero fazer um elogio a esses profissionais, médicos e também aos enfermeiros, que estoicamente aguentaram durante uma semana os cuidados àqueles doentes e, por não terem condições para os tratar, viram morrer doentes no lar”, vincou.

A também médica indicou que já há médicos de família da ACES do Alentejo Central, assim como clínicos de medicina interna das unidades locais de saúde do Norte Alentejano e do Litoral Alentejano, a prestarem cuidados no lar de Reguengos de Monsaraz.

Ler  "A guerra da nossa geração." Mais 462 mortes em Espanha nas últimas 24 horas - ZAP

A presidente da sub-região de Évora da OM criticou também a decisão da ARS do Alentejo de impor a suspensão das férias de todos os médicos, enfermeiros e outros prestadores de cuidados primários do distrito de Évora, até ao dia 10 de julho, considerando a medida ilegal.

“Não estamos em estado de emergência”, observou, referindo que “os funcionários do ACES do Alentejo Central, que tanto têm trabalhado e que estão desejosos de descanso, já tinham férias pagas e perderam o que já tinham pago”.

Com a situação no lar, o concelho de Reguengos de Monsaraz regista o maior surto da doença provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2 do Alentejo, contabilizando seis mortes (cinco utentes e uma funcionária) e 140 casos ativos.

Portugal contabiliza pelo menos 1.579 mortos associados à COVID-19 em 42.454 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Fonte: Lifestyle Sapo

vote
Article Rating
Looks like you have blocked notifications!
0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades e analisar o nosso tráfego. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. Aceitar Ler mais

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x
error: Alert: Content is protected !!
Partilha isto com um amigo