Mesmo confinando, modelo prevê 1154 doentes em UCI

2 min de leitura

Portugal deverá ter 1.154 doentes internados em cuidados intensivos num pico na primeira semana de fevereiro, mesmo com um confinamento igual ao de março, avança um modelo da NOVA Information Management School.

Portugal deverá duplicar o número de doentes internados em cuidados intensivos até à primeira semana de fevereiro, mesmo com um confinamento igual ao de março, prevê um modelo da NOVA Information Management School (IMS).

Segundo o jornal Público, ainda que o país feche tudo como na “primeira vaga”, e que os cidadãos adotem os mesmos comportamentos, o modelo antecipa um pico de 1.154 doentes em cuidados intensivos na primeira semana de fevereiro. Este é um cenário preocupante dada a pressão sobre o SNS, uma vez que a taxa de mortalidade entre os doentes que vão para cuidados intensivos tem vindo a subir.

Num dos cenários indicados pelo modelo, a quebra da taxa de transmissibilidade obtida com o confinamento equivaleria a 90% do que foi conseguido em março – contudo isto requer o uso generalizado de máscaras e medidas de distanciamento social e desinfeção das mãos. Neste cenário, o pico de novos casos diários rondaria os 10.500 (alcançado por estes dias) e a 7 de fevereiro a incidência poderia cair para os 4.407 novos casos a cada dia.

No entanto, mesmo assim, o impacto sobre o número de internamentos teria o habitual atraso – a estimativa é de que se atingiriam os 6.710 internados, dos quais 1.154 em UCI. Portugal tinha, à meia-noite desta segunda-feira, 5.291 internados e 670 pessoas em cuidados intensivos.

No caso de uma quebra de transmissibilidade menos eficaz, de 60% (em relação a que foi obtido em março), então o pico de novos casos seria alcançado entre 21 e 23 de janeiro, com cerca de 11 mil novos casos por dia. Aí, a incidência seria de 6.505 novos casos a 7 de fevereiro, com 7.446 doentes covid internados, dos quais 1.193 em cuidados intensivos.

Já num cenário em que o confinamento é ainda menos eficaz, 30%, o valor mais elevado de novas infeções seria de cerca de 12.500 novos casos (entre dia 28 e 30), com uma incidência de 11.730 novos casos e 8.705 doentes internados e 1.247 em estado crítico – um pico que seria atingido a 7 de fevereiro.

“É um tsunami”

O serviço de urgência do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, está em rutura. A confirmação é dada ao Expresso por dois profissionais de saúde daquele espaço. Os que têm chegado àquela unidade são maioritariamente doentes covid-19. Os turnos estão maiores, os médicos e enfermeiros estão exaustos e há baixas entre eles, infetados ou com a necessidade de isolamento. Há falta de macas e há ambulâncias a ficarem bloqueadas por isso.

Atualmente, o hospital tem ocupadas, nas unidades de cuidados intensivos, 20 camas para doentes covid e outras seis para doentes não covid. Só entra quem tem possibilidade de sobreviver, mas o cuidado de saúde está a atuar cada vez mais tarde, por isso os doentes vão chegando em estado pior. Nesta altura já se começam a fazer escolhas.

A idade média dos doentes críticos que por lá passaram ou que ainda lá permanecem está entre 58 e 62 anos. O doente crítico mais novo tinha 22 anos, o mais idoso pouco mais de 85.

Para além da falta de espaço e de pessoal, há carência de macas. E isto promove um problema: as ambulâncias que levam os doentes, que não podem abandonar sem a sua maca, têm de esperar pelo escoamento do serviço, pelo que ficam ali imobilizadas, indisponíveis para irem buscar outros doentes com outras patologias.

“Muitas vezes não temos sítio onde deitar os doentes. Não somos só nós, atenção, está a acontecer noutros sítios também. O doente está na ambulância porque não há uma maca onde o deitar. É um problema com que nos estamos a debater”, explica Meneses Oliveira, médico-intensivista, ao Expresso.

A Ordem dos Enfermeiros disponibilizou uma “declaração de exclusão de responsabilidade” a todos os enfermeiros para acautelar eventuais ações disciplinares, civis ou mesmo criminais dos doentes a seu cargo, nas circunstâncias que se vivem com a pandemia covid-19.

“No âmbito da atual crise pandémica, com os hospitais em situação de catástrofe, as equipas de enfermeiros abaixo das dotações recomendadas (no regulamento 743/2019 de 25 de setembro) não se encontram em condições de garantir a prestação de cuidados em segurança e com qualidade, nem a vida das pessoas”.

“Não obstante estarem a desenvolver todos os esforços, os profissionais não conseguem chegar a todos”, alerta a Ordem dos Enfermeiros.

Face a esta situação, a Ordem disponibilizou uma declaração a todos os enfermeiros para acautelar a eventual responsabilidade disciplinar, civil ou mesmo criminal dos doentes a seu cargo.

Nesta declaração, que deverá ser enviada pelos enfermeiros que o pretendam aos conselhos de administração, “os profissionais reiteram que a dotação adequada é fundamental para salvaguardar o exercício profissional em segurança, o que manifestamente não se verifica atualmente, facto que apenas pode ser imputável à gestão da instituição e que, por si só, coloca em risco a prática adequada da profissão”, salienta.

Fonte: ZAP

Assina as nossas notificações e fica actualizado

Ajuda a Manter a PortalEnf com 1 €

Podes ajudar a manter a informação independente com um pequeno donativo!(sabe mais aqui!)

 

Segue-nos:

Este artigo foi útil? 

	

 

Looks like you have blocked notifications!
91,435Fans
627Seguidores
276seguidores
 seguidores
 Seguidores
89Subscritores
3,426Membros
16,609Assinantes
 Segue o nosso canal
Faz um DonativoFaz um donativo
Queres receber as nossas notificações?
Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades e analisar o nosso tráfego. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. Aceitar Ler mais

Segue-nos
Segue a Tua Comunidade PortalEnf e recebe as Novidades!
Assina a nossa newsletter
Segue-nos
Segue a Tua Comunidade PortalEnf e recebe as Novidades!
ASsina a nossa newsletter
Partilha isto com um amigo