COVID-19: Capacidade de rastreio quase triplicou entre dezembro e fevereiro

1 min de leitura

Numa audição na Comissão de Saúde, na Assembleia da República, em Lisboa, Marta Temido lembrou que as autoridades avançaram também com a “simplificação dos inquéritos epidemiológicos” e a “adoção de modelos colaborativos” a este nível, que, de acordo com a governante, permitem “na maioria do país” a garantia de contacto com as pessoas nas primeiras 24 horas.

“[Quero] referir também o reforço da capacidade de rastreio das autoridades de saúde pública, quer através da mobilização de funcionários da administração central e local, estudantes e de elementos das forças de segurança e armadas. Em 13 de dezembro, o número de profissionais, equivalentes a tempo integral, a realizar inquéritos epidemiológicos era de 427 e em 04 de fevereiro ultrapassavam os 1.100”, afirmou.

Entre as medidas de resposta à pandemia de covid-19, Marta Temido lembrou também a “melhoria e expansão da linha SNS24”, o reforço da capacidade laboratorial através de um programa vertical de reforço orçamentado em 8,4 milhões de euros, “que permitiu passar de uma autonomia de 6.000 testes PCR por dia para cerca de 22.000 só na rede SNS”, e o programa centralizado de financiamento de cuidados intensivos.

Neste âmbito, a ministra da Saúde indicou a compra de mais de 1.100 ventiladores desde o início da pandemia e revelou também ter assinado na terça-feira um despacho que autoriza uma “despesa de mais de nove milhões de euros para ampliação” de outros serviços de medicina intensiva nos hospitais do SNS.

Já sobre os recursos humanos, Marta Temido destacou o regime excecional de contratação para a resposta à covid-19, permitindo “a celebração de 8.452 contratos que ainda se encontram ativos, dos quais mais de 1.300 já foram convertidos em contratos sem termo”, sendo que outros 800 estão em concurso e mais 1.251 são “suscetíveis de conversão ate ao final do primeiro trimestre”.

Segundo a intervenção de abertura da governante aos deputados da Comissão, a rede pública de saúde contava no final de 2020 com mais 9.123 trabalhadores, entre os quais 614 médicos especialistas, 3.263 enfermeiros e 3.207 assistentes, que se traduziu num aumento da despesa que estava prevista.

Reconhecendo um mês de janeiro que colocou “duramente” à prova o SNS, Marta Temido vincou que “a resposta foi dada” e que a capacidade de trabalho demonstrada tornou todo o sistema “mais forte”.

A governante apontou como metas para este ano a “aceleração da vacinação e a expansão da testagem”, a “recuperação das necessidades assistenciais não covid” e a “aprovação do estatuto do SNS”, para concretizar ainda no primeiro semestre.

Em Portugal, morreram 14.354 pessoas dos 767.919 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Fonte: Lifestyle Sapo

Assina as nossas notificações e fica actualizado

Segue-nos:

Este artigo foi útil? 

	

 

Looks like you have blocked notifications!
Queres receber as nossas notificações?
Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades e analisar o nosso tráfego. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. Aceitar Ler mais

error: Alert: Content is protected !!
Partilha isto com um amigo