Restrições e novas variantes criam riscos à economia da zona euro

Tempo de leitura: 2 minutos

“O início das campanhas de vacinação em toda a zona euro proporciona a luz ansiosamente esperada no final do túnel, mas ao mesmo tempo o ressurgimento dos casos de covid-19, as mutações do vírus e as medidas rigorosas de contenção constituem um risco negativo significativo para a atividade económica da zona euro”, declarou Christine Lagarde.

Falando no arranque da sessão plenária do Parlamento Europeu, em Bruxelas, a responsável vincou que “a pandemia gerou uma grave crise de saúde pública e económica” e uma “contração económica sem precedentes”.

E, apesar de os procedimentos de vacinação em curso “darem esperança”, os cidadãos “em toda a Europa continuam a enfrentar as terríveis consequências sociais e económicas do vírus e o futuro permanece incerto”, assinalou a líder do banco central.

“A produção permanece muito abaixo dos níveis pré-pandémicos e a incerteza sobre a forma como a pandemia irá evoluir permanece elevada”, acrescentou.

Ainda assim, a responsável disse esperar que, “quando as medidas de contenção forem levantadas e a incerteza diminuir, a recuperação seja apoiada por condições de financiamento favoráveis, políticas orçamentais expansionistas e uma recuperação da procura”.

Para o permitir, a presidente do BCE assegurou que a instituição continuará com uma “postura de política monetária de acomodação” e defendeu “condições de financiamento favoráveis para colocar a recuperação económica numa trajetória autossustentável”.

Além disso, as “políticas monetária e orçamental devem continuar a trabalhar lado a lado”, tanto ao nível dos países como a nível europeu, sustentou Christine Lagarde, considerando que só assim se poderá “reforçar a recuperação na zona euro e enfrentar o impacto da pandemia”.

Na sua intervenção perante os eurodeputados, Christine Lagarde considerou ainda que “uma recuperação mais sólida é uma pré-condição para relançar a inflação em torno da sua trajetória pré-pandémica”.

Em janeiro deste ano, de acordo com a responsável, registou-se um “aumento acentuado” na inflação da zona euro, que ainda assim “permanece baixa”.

“Isto pode ser atribuído a uma procura fraca e a uma folga significativa nos mercados de trabalho e de produtos e, embora se espere que a inflação global continue a aumentar nos próximos meses, é provável que as pressões subjacentes sobre os preços permaneçam moderadas devido à fraca procura, às baixas pressões salariais e à apreciação da taxa de câmbio do euro”, estimou ainda Christine Lagarde.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.316.812 mortos no mundo, resultantes de mais de 106 milhões de casos de infeção.

Em Portugal, morreram 14.354 pessoas dos 767.919 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

Outros artigos com interesse:

Source link

Assina as nossas notificações e fica actualizado

Segue-nos:

Este artigo foi útil? 

	

 

Looks like you have blocked notifications!
Queres receber as nossas notificações?
Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades e analisar o nosso tráfego. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. Aceitar Ler mais

error: Alert: Content is protected !!
Partilha isto com um amigo