Enfermeiros do SNS não chegam para postos de vacinação em massa

1 min de leitura

Carlos Ramirez / EPA

De modo a alcançar o objetivo proposto, a task force espera ter mais de 150 centros de vacinação em massa em todo o país já no próximo mês de abril, altura em que é expectável que comecem a chegar mais vacinas a Portugal.

Com a garantia da chegada de novas vacinas em grande quantidade, a task force espera que sejam vacinadas mais de 60 mil pessoas por dia em abril e mais de 100 mil em maio e junho.

Contudo, as autarquias dos concelhos com mais população alertam que não existem enfermeiros suficientes no Serviço Nacional de Saúde (SNS) para dar resposta a estes objetivos, avança o jornal Público.

Ainda assim, as autarquias têm respondido ao apelo da task force e têm aberto mais postos de vacinação.

Lisboa, Cascais, Loures, Sintra, Porto e Gaia, os concelhos mais populosos do país, apesar de terem as condições logísticas para abrir os centos de vacinação, deparam-se com o problema da falta de profissionais de saúde suficientes para dar resposta à próxima fase do processo de vacinação.

Segundo o Público, Gaia e Loures já têm disponível um posto de vacinação e preparam-se para abrir outro no próximo mês.

Em Cascais, há dois postos de vacinação operacionais e serão abertos mais dois em abril, enquanto Sintra tem cinco postos de vacinação e prevê abrir mais um.

Já em Lisboa existem 11 postos extraordinários de vacinação a funcionar.

No Porto, além de estarem disponíveis duas escolas e uma tenda de recobro ao agrupamento de centros de saúde, a autarquia quer apostar num centro de vacinação em drive thru, isto é, sem que as pessoas necessitem de sair dos carros para receberam a vacina.

Sem recursos humanos, as autarquias tentam contornar o problema contratando enfermeiros a nível excecional, mas a task force está a estudar a possibilidade de integrar as farmácias e os farmacêuticos no processo.

De acordo com a Ordem dos Enfermeiros, em Portugal, existem quatro mil farmacêuticos com competência para vacinar.

De recordar que as normas da Direção-Geral da Saúde obrigam a que, além dos enfermeiros que vacinam e dos administrativos que fazem as convocatórias e os agendamentos, esteja sempre presente um médico para atuar caso surjam reações adversas, nomeadamente choques anafiláticos.

Ana Isabel Moura Ana Isabel Moura, ZAP //

Fonte: ZAP

Assina as nossas notificações e fica actualizado

Ajuda a Manter a PortalEnf com 1 €

Podes ajudar a manter a informação independente com um pequeno donativo!(sabe mais aqui!)

 

Segue-nos:

Este artigo foi útil? 

	

 

Looks like you have blocked notifications!
91,435Fans
627Seguidores
276seguidores
 seguidores
 Seguidores
89Subscritores
3,426Membros
16,609Assinantes
 Segue o nosso canal
Faz um DonativoFaz um donativo
Queres receber as nossas notificações?
Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades e analisar o nosso tráfego. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. Aceitar Ler mais

Segue-nos
Segue a Tua Comunidade PortalEnf e recebe as Novidades!
Assina a nossa newsletter
Segue-nos
Segue a Tua Comunidade PortalEnf e recebe as Novidades!
ASsina a nossa newsletter
error: Alert: Content is protected !!
Partilha isto com um amigo