Costa congratula-se com construção de fábrica de vacinas em Paredes de Coura

1 min de leitura

De visita às obras de construção da fábrica do grupo farmacêutico espanhol Zendal, António Costa apontou aquele investimento como um exemplo para que Portugal olhe para a fronteira com Espanha “não como uma barreira, mas sim como uma oportunidade”.

“É muito importante que esta fábrica exista. Esta fábrica significa aumentar a capacidade na Península ibérica e na Europa de produção de vacinas. O conjunto da Europa tem uma capacidade limitada de produção de vacinas, isto é uma enorme fragilidade”, vincou.

Sublinhando que a fábrica foi pensada há três anos, muito antes da pandemia de covid-19, Costa lembrou que as vacinas “vão ser crescentemente importantes no futuro”.

“Muito provavelmente, vamos conseguir vencer a pandemia antes de esta fábrica estar concluída. Este investimento não foi pensado por causa da pandemia, está a ser feito para preparar o futuro”, enfatizou.

Disse ainda que a fábrica, além de vacinas, vai também criar empregos “altamente qualificados”.

Para o governante, a fábrica da Zendal em Paredes de Coura constitui “um grande exemplo” para olhar para a fronteira com Espanha não como uma barreira, mas como uma oportunidade.

Com sede em Porrino, na Galiza, a Zendal vai expandir-se para Paredes de Coura, no distrito de Viana do Castelo, com uma unidade que deve estar pronta até ao final do ano, num investimento de 15 milhões de euros que criará, na fase de arranque, 30 postos de trabalho.

Como frisou António Costa, este é um caso em que não há competição entre os dois lados da fronteira, mas sim cooperação, um exemplo que considera deve ser seguido.

Sublinhando que o interior é a parte do território nacional que está mais perto da fronteira com Espanha, Costa defendeu que é necessário “reinventar a geografia”, para que o interior deixe de ser “as traseiras de Portugal” e passe a assumir-se como “uma centralidade no mercado do ibérico”.

“O interior não pode ser as traseiras de Portugal, tem de ser uma centralidade no mercado do ibérico, porque assim deixamos de estar a falar para 10 milhões de portugueses e passamos a falar para 60 milhões de consumidores que é o total do mercado ibérico”, sublinhou.

LUSA/HN

Outros artigos com interesse:

Source link

Assina as nossas notificações e fica actualizado

Segue-nos:

Este artigo foi útil? 

	

 

Looks like you have blocked notifications!
91,484Fans
627Seguidores
276seguidores
 seguidores
 Seguidores
89Subscritores
3,417Membros
16,724Assinantes
 Segue o nosso canal
Faz um DonativoFaz um donativo
Queres receber as nossas notificações?
Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades e analisar o nosso tráfego. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. Aceitar Ler mais

Segue-nos
Segue a Tua Comunidade PortalEnf e recebe as Novidades!
Assina a nossa newsletter
Segue-nos
Segue a Tua Comunidade PortalEnf e recebe as Novidades!
ASsina a nossa newsletter
Partilha isto com um amigo