Gouveia e Melo defende que vacinação por “grupinhos” é ineficaz – ZAP

1 min de leitura

Mário Cruz / Lusa

Henrique Gouveia e Melo, coordenador do plano de vacinação contra a covid-19, defendeu que Portugal deve começar a vacinar também por idade. O responsável da task force considera que “não faz sentido ficar a maior parte da população à espera que se vacinem os grupinhos todos”.

A vacinação apenas por grupos prioritários tem os dias contados.

Em entrevista à rádio Renascença e ao jornal Público, Henrique Gouveia e Melo, coordenador da task force para a vacinação, defendeu que o atual modelo carece de uma “organização muito complexa e cheia de regras” e por isso “dificulta toda a logística e a eficiência do processo”.

A alteração do plano, com o critério a passar a ser também a idade, está a ser discutido com a Direção-Geral da Saúde (DGS).

“Os planos têm de mudar, se os planos não mudam, o mundo não muda (…) Não se pode pensar que os planos são imutáveis”, afirma.

Para o Vice-Almirante “não faz sentido ficar a maior parte da população à espera de que se vacinem estes grupinhos todos e a acumular vacinas que podiam estar a dar proteção a pessoas”, defendeu.

Segundo o coordenador da task force o primeiro teste desta nova metodologia deve avançar na terceira semana de abril. “Vamos começar com a faixa etária que estiver por preencher, presumo que será na faixa dos 70, depois 60, depois 50, depois 40, até acabarmos”, frisou na entrevista.

A vacinação em massa contra a covid-19 prevê que as próprias pessoas a vacinar possam auto agendar a toma da vacina com a sua inscrição numa plataforma digital.

“Tenho 100 mil lugares para encher todos os dias, e, em vez de andar à procura de 100 mil pessoas para encher os lugares, quero que essas pessoas se cheguem à frente e de forma proativa tentem preenchê-los”.

“As pessoas vão poder escolher a data e o local porque isso facilita imenso o processo”, acrescentou.

Por outro lado, apesar de admitir a participação das farmácias na vacinação contra a covid-19, Gouveia e Melo, sublinha que isso acontecerá apenas “em último caso”.

O coordenador da task force sugere que os farmacêuticos podem colaborar nos centros de vacinação em massa, preparando vacinas e libertando os enfermeiros dessa tarefa.

Gouveia e Melo volta a frisar que vê a pandemia como uma verdadeira guerra e não há espaço para baixar as armas. “Isto é uma guerra, não são tanques, carros de combate, navios, não são pessoas a disparar sobre nós, é um vírus a disparar sobre nós”, referiu.

Ana Isabel Moura Ana Isabel Moura, ZAP //

 

Fonte: ZAP

Assina as nossas notificações e fica actualizado

Segue-nos:

Este artigo foi útil? 

	

 

Looks like you have blocked notifications!
Queres receber as nossas notificações?
Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades e analisar o nosso tráfego. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. Aceitar Ler mais

error: Alert: Content is protected !!
Partilha isto com um amigo