Atualidade

África destaca-se pela negativa no novo Atlas da Saúde Mental da OMS

Pub

A última edição do Atlas, que é emitido de três em três anos, apresenta dados de 171 países e fornece uma indicação clara de que a crescente atenção dada à saúde mental nos últimos anos ainda não se traduz num aumento de serviços mentais de qualidade que estejam alinhados com as necessidades.

A situação é mais óbvia em África, onde existe 1,6 trabalhadores na área da saúde mental por 100.000 habitantes, menos 40 vezes do que na região europeia, que conta com 44,8 profissionais por 100.000 habitantes.

O número médio destes profissionais por 100.000 habitantes nos países que contribuíram para o Atlas é de 13, segundo o documento da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Ao nível dos psiquiatras, e tal como aconteceu nas anteriores edições de 2014 e 2017, em 2020 é notável o fosso que separa as várias regiões da OMS e dos grupos de rendimento a que pertencem: 0,1 psiquiatras e 0,9 enfermeiros por 100.000 habitantes na região africana e 9,7 psiquiatras e 25,2 enfermeiros por 100.000 habitantes na Europa.

África apresenta ainda a mais baixa percentagem de países (66% dos que responderam) que declararam que as diretrizes para a integração da saúde mental nos cuidados de saúde primários estavam disponíveis e tinham sido adotadas a nível nacional. A maior percentagem foi registada no Mediterrâneo oriental (90% dos países que responderam).

Ao nível das camas psiquiátricas, o continente africano apresenta menos de uma por 100.000 habitantes, número que sobe para 12 na região europeia.

No relatório é abordada a questão do apoio social governamental para as pessoas com doença do foro da saúde mental, com uma elevada existência a nível mundial que, contudo, não é igual para todas as regiões.

Apesar de mais de 85% dos países relataram que pessoas com estas condições de saúde mental beneficiavam, em 2020, de apoio social, em África isso não acontece, segundo a maioria (56%) dos países que respondeu.

Para a elaboração deste Atlas, os Estados-membros foram convidados a partilhar a sua estratégia, política ou plano nacional de prevenção do suicídio.

Ao todo, 35 países (21% dos países que responderam, ou seja, 18% dos Estados-membros da OMS) informaram que dispunham de uma estratégia, uma política ou um plano de prevenção do suicídio.

Em África, apenas um país (3% dos países que responderam) no continente africano informou ter essa estratégia, política ou plano autónomo para a prevenção do suicídio.

Cerca de um terço dos países no continente americano e 30% dos europeus comunicaram ter esta estratégia.

O Atlas da Saúde mental é uma compilação de dados fornecidos por países de todo o mundo sobre políticas de saúde mental, legislação, financiamento, recursos humanos, disponibilidade e utilização de serviços e sistemas de recolha de dados.

Trata-se do mecanismo de monitorização do progresso para o cumprimento dos objetivos do Plano de Ação Global de Saúde Mental da OMS.

LUSA/HN

Outros artigos com interesse:

Source link

0/5 (0 Reviews)
Looks like you have blocked notifications!
Este artigo é Útil?

Comenta no Facebook

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
error: Alert: Content is protected !!
X
X
X
Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Partilha isto com um amigo