Atualidade

Jerónimo diz que caminho é acelerar vacinação e não “voltar atrás”

À margem da manifestação convocada pela CGTP, que hoje junta em Lisboa milhares de pessoas, Jerónimo de Sousa foi questionado pelos jornalistas sobre aquilo que irá defender junto do primeiro-ministro, António Costa, que recebe para a semana os partidos com representação parlamentar sobre a situação epidemiológica em Portugal.

“A melhor experiência que tivemos foi a aplicação das vacinas. É este o caminho, continuar a aprofundar essa garantia que resultou bem e, naturalmente, resistimos, temos profundas reservas em relação a confinamentos, voltar para trás”, respondeu.

Para o líder comunista, “o caminho é vacinação mais rápida não só para os mais velhos, também para os mais jovens” e “tomar medidas de reforço do SNS que deem resposta aos problemas” nos serviços públicos de saúde.

“E cada um de nós, com sentido de responsabilidade, tomarmos medidas de proteção que entendermos necessárias”, acrescentou.

O objetivo, para Jerónimo de Sousa, deve passar por estas apostas e não por “medidas desgarradas, muitas vezes incompreensíveis de confinamento”.

Portugal regista hoje 2.333 novos casos confirmados de infeção com o coronavírus SARS-CoV-2, com dez mortes associadas à covid-19 e um aumento de internamentos em enfermaria e em cuidados intensivos, segundo dados oficiais.

De acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) divulgado hoje, estão agora internadas 544 pessoas, mais 16 do que na sexta-feira, das quais 88 em unidades de cuidados intensivos, mais nove do que nas últimas 24 horas.

O primeiro-ministro, António Costa, recebe na terça e quarta-feira os partidos com representação parlamentar sobre a situação epidemiológica em Portugal, antes de o Governo aprovar medidas contra a covid-19, o que poderá acontecer no Conselho de Ministros de quinta-feira.

Este calendário, que ainda não foi oficialmente comunicado pelo executivo, ficou praticamente fechado após a reunião de sexta-feira à tarde entre especialistas e responsáveis políticos, no Infarmed, em Lisboa, num momento em que o país regista um crescimento das taxas de incidência e de transmissão (Rt) da covid-19.

No final da reunião do Infarmed, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa – ladeado pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, e pelo primeiro-ministro, António Costa – afirmou que continua a haver “conjugação total dos órgãos de poder político” na resposta à covid-19, mas escusou-se a falar de medidas, remetendo essa decisão para o Governo, após consulta aos partidos.

Quanto às medidas a adotar, o chefe de Estado disse que “os especialistas apresentaram o que consideravam indispensável para esta fase” e que “a decisão sobre essa matéria pertencerá naturalmente ao Governo”, que “vai ouvir os partidos políticos e vai decidir”.

NR/HN/LUSA

Outros artigos com interesse:

Source link

0 0 votes
Article Rating
Looks like you have blocked notifications!
Este artigo é Útil?

Comenta no Facebook

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Artigos Relacionados

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Botão Voltar ao Topo
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x
error: Alert: Content is protected !!
Partilha isto com um amigo
pasaran togel