Atualidade

Eleições após pico de vaga pandémica e com 180 a 250 mil eleitores em isolamento

“No fim do mês, deveremos ter entre 180 e 250 mil pessoas que podem ir votar, mas que estão isoladas”, adiantou à agência Lusa o professor do departamento de matemática do Instituto Superior Técnico, que não inclui neste universo os menores de 18 anos e os potenciais abstencionistas, com base no histórico de participação em anteriores eleições.

Segundo Henrique Oliveira, a previsão do total de isolamentos devido à Covid-19 em 30 de janeiro, dia das eleições para a Assembleia da República, é de 450 a 500 mil pessoas, com um mínimo estimado de cerca de 300 mil.

“Nas últimas eleições houve cerca de 50% de abstenção. Nem toda a gente que está isolada quer ir votar”, salientou o matemático, para quem “entre 180 e 250 mil são aqueles para quem é necessário arranjar um sistema que os leve a votar” nas próximas legislativas.

O especialista em sistemas dinâmicos estimou ainda que o pico da atual vaga pandémica possa acontecer em Portugal entre 20 e 24 deste mês, quando o país poderá ter entre 100 e 130 mil infeções diárias pelo coronavírus SARS-CoV-2, das quais poderão ser reportadas pelas autoridades de saúde cerca de 45 mil.

“Em 30 de janeiro já devemos ter passado o pico e estar a descer bastante na incidência, mas, nessa altura, ainda podemos ter internamentos elevados e um número de mortes na ordem das 30 por dia”, tendo em conta a diferença de tempo que existe entre a infeção e o óbito, prevê.

A estimativa é que, nesta vaga, o número de mortes, na média a sete dias, possa atingir o máximo de 30 a 35 e que os doentes em cuidados intensivos cheguem aos 240 e os internamentos gerais aos 2.500.

“O número de mortes, em média a sete dias, vai continuar a subir gradualmente. A nossa previsão é que a mortalidade se vai manter acima dos 20. Ontem (quarta-feira) atingimos 21,7 mortes em média a sete dias, o que não acontecia há dez meses”, alertou.

De acordo com o matemático, até há dois dias, a positividade dos testes, também na média a sete dias, estava em 12,7%, um valor “elevadíssimo” e que representa o triplo da taxa de setembro, o que significa que o país pode estar com três vezes mais casos do que os registados pelas autoridades de saúde.

“A testagem só revela a ponta do iceberg. Os casos ainda estão elevados”, alertou.

Em declarações à Lusa, o professor recorreu também ao indicador desenvolvido por especialistas do Instituto Superior Técnico e pela Ordem dos Médicos, assente nos dados dos internamentos, dos cuidados intensivos, da letalidade, da incidência e do índice de transmissibilidade (Rt), para perspetivar a pressão sobre os serviços de saúde.

De acordo com Henrique Oliveira, na quarta-feira Portugal estava no índice 97,6, apenas a 2,4 pontos do limiar de 100, a partir do qual a resposta do sistema de saúde a outras patologias fica comprometida.

“Vamos passar os 100 pontos, o que significa que estamos a hipotecar a capacidade do sistema para tratar pessoas que não têm covid-19, mas provavelmente não vamos atingir os 120”, que é o valor previsto neste sistema para o nível de catástrofe na resposta de saúde, estimou.

Perante os dados atuais, Henrique Oliveira constatou que a Covid-19 “é a doença contagiosa que continua a matar mais em Portugal”, ainda responsável por uma média superior a 20 óbitos diários.

“Não há nenhuma doença infecciosa que ponha cerca de 160 pessoas nos cuidados intensivos. É uma percentagem brutal das camas disponíveis para doença infecciosa”, disse o matemático, ao salientar, porém, que os números atuais são muito inferiores aos registados na vaga do início de 2021.

Em 30 de janeiro de 2021, apenas um mês depois de ter arrancado a vacinação, Portugal registou 12.435 infeções pelo coronavírus, menos 28.510 do que os 40.945 casos notificados na quarta-feira, mas a pressão sobre os serviços de saúde era muito superior, assim como o número de óbitos.

Nesse dia de 2021 foram registadas 293 mortes associadas à Covid-19, 6.544 doentes estavam internados em enfermaria e 843 necessitavam de cuidados intensivos, enquanto na última quarta-feira registaram-se 20 óbitos e 1.635 internados e 167 pessoas em unidades de medicina intensiva.

Ou seja, o número de pessoas que morreram na quarta-feira, em comparação com 30 de janeiro de 2021, é 93% mais baixo, estando internados menos 75% dos doentes em enfermaria e 80% em cuidados intensivos, numa altura em que 8,7 milhões de pessoas têm a vacinação completa e quase 3,5 milhões receberam a dose de reforço.

LUSA/HN

Outros artigos com interesse:

Source link

Looks like you have blocked notifications!
93,875Fans
627Seguidores
276seguidores
6,774seguidores
3,579Seguidores
94Subscritores
3,369Membros
15,245Assinantes
 Segue o nosso canal
Faz um DonativoFaz um donativo
Pub

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Permainan judi slot online terbaik

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.
Partilha isto com um amigo
pasaran togel