Notícias

Salários, saúde, professores, regionalização e voto eletrónico. O programa eleitoral do PS

Manuel De Almeida / LUSA

António Costa apresentou as linhas gerais do programa do PS no início desta semana, mas só publicou o documento esta sexta-feira, momentos antes da apresentação de Rui Rio.

Momentos antes de Rui Rio apresentar publicamente sobre o programa eleitoral, o PS publicou no site do partido o seu próprio documento.

Na Saúde, e num momento em que o mundo está a braços com uma pandemia, destaca-se a lei de emergência em saúde pública, “com vista a qualificar e robustecer o enquadramento jurídico que sustenta as medidas de prevenção, controlo e mitigação decretadas pelas autoridades de saúde”.

O PS compromete-se também a aumentar o número de camas de cuidados paliativos, na Rede Nacional de Cuidados Paliativos, em todas as regiões.

Quanto às carreiras, garante a criação da carreira de técnico auxiliar de saúde, prevê a valorização dos enfermeiros “designadamente através da reposição dos pontos perdidos aquando da entrada na nova carreira de enfermagem” e promete implementar progressivamente o “regime de trabalho em dedicação plena” dos médicos.

No documento, surge também a proposta de rever incentivos “pecuniários e não pecuniários” para a atrair e fixar médicos em zonas carenciadas e a promessa de “substituir o recurso a empresas de trabalho temporário e de subcontratação de profissionais de saúde”.

Na Educação, o documento elenca como prioridades o aumento do número de profissionais nas escolas, assim como o “combate à precariedade e promoção da vinculação, descongelamento das carreiras e voltando às progressões, investimento na formação contínua, devolução aos docentes de um papel mais ativo no desenvolvimento curricular”.

Conforme elenca a Renascença, Costa compromete-se a alterar o regime de recrutamento dos professores, “com a introdução de fatores de estabilidade reforçada no acesso à carreira”, garantindo a “redução da mobilidade entre escolas, sempre que se justifique, com a vinculação direta em quadro de agrupamento ou quadro de escola e com a reorganização dos quadros de zona pedagógica”, ou seja, numa tentativa de fixar de vez os docentes.

Na área Fiscal, o PS quer rever os escalões do IRS “de forma a desagravar os impostos sobre o rendimento das classes médias e assegurar uma maior equidade no tratamento de todos os tipos de rendimentos”. No documento, não fica descrito qual o número de escalões a fixar.

É abordada também a “criação de um quadro fiscal adequado para que as empresas assegurem, a par da criação de emprego líquido, políticas salariais consistentes em termos de valorização dos rendimentos e de redução das disparidades salariais, centrado na valorização dos salários médios”.

A valorização do mínimo de existência e a correção de elementos de regressividade que desincentivam o aumento de rendimento dos trabalhadores, em particular dos salários próximos do salário mínimo nacional, é também para dar continuidade.

O aumento gradual do salário mínimo também se mantém inscrito no documento socialista, com o objetivo de chegar aos 900 euros em 2026.

 

Quanto à Função Pública, o PS sinaliza a intenção de rever a Tabela Remuneratória Única, “com vista a garantir que todas as carreiras possuem posições remuneratórias que permitam o seu normal desenvolvimento”, e assume como compromisso “retomar a regularidade das atualizações salariais anuais”.

No programa eleitoral surge também o referendo à regionalização. O partido compromete-se a criar “as condições necessárias para a concretização do processo de regionalização, mediante a realização de um novo referendo em 2024”.

Na área das alterações climáticas, o Partido Socialista aposta na descarbonização da indústria, onde pretende “implementar os investimentos de 715 milhões de euros” que estão previstos no Programa de Recuperação e Resiliência (PRR)”.

Há também uma aposta forte “no âmbito do hidrogénio”, prevendo-se um investimento de 185 milhões de euros” com a “criação de uma rede de postos de abastecimento a hidrogénio”.

Por último, no que diz respeito às alterações ao processo eleitoral, o PS dá a garantia de “consolidar e alargar a possibilidade de voto antecipado em mobilidade”, ou “generalizar a experiência de voto eletrónico presencial, já testada no distrito de Évora, nas últimas eleições europeias”.

Fala-se ainda da “desmaterialização dos cadernos eleitorais” ou do “recurso alargado às tecnologias de informação para simplificar os procedimentos eleitorais”.

  ZAP //

Fonte: ZAP

Looks like you have blocked notifications!
93,875Fans
627Seguidores
276seguidores
6,774seguidores
3,579Seguidores
94Subscritores
3,369Membros
15,245Assinantes
 Segue o nosso canal
Faz um DonativoFaz um donativo

Comenta no Facebook

Pub

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Permainan judi slot online terbaik

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.
Partilha isto com um amigo
pasaran togel