You dont have javascript enabled! Please enable it!
Notícias

ERS remete para ordens profissionais processo de doente que morreu em Chaves

No documento publicado ‘online’, no sítio oficial da entidade reguladora e consultado hoje pela agência Lusa, a ERS acrescentou ainda que a deliberação deverá “ser levada ao conhecimento do Ministério Público”.

E emitiu uma instrução ao Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD) para que assegure procedimentos que “garantam que os registos clínicos dos utentes sejam fiáveis e reproduzam a real situação clínica, bem como os cuidados efetivamente prestados”.

O caso remonta a outubro de 2019, quando a família de uma mulher de 43 anos, que sofria de epilepsia e que morreu na unidade de Chaves do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD), acusou a instituição de “abandono e negligência”.

Na altura o centro hospitalar anunciou a abertura de um processo, o qual foi arquivado “por não ter resultado indiciada a violação dos deveres profissionais por parte dos trabalhadores do CHTMAD, não havendo, por isso, lugar a procedimento disciplinar”.

A mulher foi internada a 19 e 21 de outubro e acabou por morrer no hospital e, segundo disse a sua família, na altura, as circunstâncias da morte não foram claras, tendo-se sentido mal na casa de banho e morrido pouco depois, após manobras de reanimação.

A ERS procedeu à abertura de um processo de inquérito ao caso com o objetivo de aferir se à utente “foram prestados cuidados de saúde de qualidade, sendo questionado o acompanhamento prestado no decurso dos episódios de urgência e internamento, entre os dias 19 a 23 de outubro de 2019”.

E disse que, atendendo aos elementos recolhidos nos autos, “não resulta clara a causa de morte da utente, isso mesmo decorrendo do relatório clínico elaborado pelo perito médico da ERS”.

A entidade solicitou pareceres clínicos a perito médico que, depois de analisar os registos médicos e de enfermagem, concluiu que “não é possível objetivar a causa de morte, aparentemente, inesperada desta utente que só ficou internada a aguardar resolução do problema social”.

O perito falou ainda em “prescrições médicas não coerentes e sem justificação registada”, num “registo de administração de medicação não de acordo com a prescrição (incompleto) e sem identificação do profissional de enfermagem responsável” e referiu que “continua a não se poder excluir a possibilidade da toxicidade dos psicofármacos utilizados”.

A ERS refere que “no caso concreto não foi assegurada a certeza e rigor dos procedimentos ínsitos à administração de medicação”.

Na sua decisão, datada de 15 de outubro, e publicada na terça-feira, a Entidade reguladora refere que “é à Ordem dos Médicos e à Ordem dos Enfermeiros” que “caberá aferir da adequabilidade clínica da atuação dos profissionais do CHTMAD” e que, por isso, “deve o processo ser encaminhado para estas entidades, solicitando que logo que possível, deem conhecimento à ERS das conclusões que venham a ser apuradas”.

Na instrução emitida, a entidade reguladora quer que o CHTMAD garanta, de “imediato”, o “cumprimento dos procedimentos internos relativos ao processo de gestão e administração da medicação, com o objetivo de garantir a qualidade e a segurança dos cuidados de saúde prestados, designadamente garantindo a correta prescrição e administração de medicação”.

O centro hospitalar tem ainda que “assegurar a existência de procedimentos que garantam que os registos clínicos dos utentes sejam fiáveis e reproduzam a real situação clínica, bem como os cuidados efetivamente prestados” e “garantir em permanência, através da emissão e divulgação de ordens e orientações claras e precisas, que os referidos procedimentos sejam corretamente seguidos e respeitados por todos profissionais”.

A Lusa questionou o CHTMAD sobre esta deliberação, no entanto não obteve resposta até ao momento.

Durante o processo e chamado a pronunciar-se, o CHTMAD garantiu que “cumpre os procedimentos internos relativos ao processo de gestão e administração da medicação” e que os seus “registos clínicos são fiáveis e reproduzem a real situação clínica dos seus utentes, bem como os cuidados que efetivamente lhes presta”.

Acrescentou que utiliza programas informáticos específicos onde regista a prescrição e administração da medicação aos seus utentes e, relativamente ao caso da utente falecida em 2019, salientou que as “prescrições médicas de psicotrópicos estão devidamente justificadas”.

Fonte: Lifestyle Sapo

Segue a PortaLEnf: Follow on FacebookTweet about this on TwitterFollow on LinkedIn
0 0 votes
Article Rating
Looks like you have blocked notifications!

Pub

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Artigos Relacionados

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Botão Voltar ao Topo
';
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x
Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Permainan judi slot online terbaik

error: Alert: Content is protected !!
Partilha isto com um amigo
pasaran togel