Atualidade

Investigadora da Faculdade de Ciências da ULisboa distinguida com bolsa do European Research Council

“Com este projeto queremos criar uma ferramenta que permita prever se, e de que forma, os ecossistemas conseguem responder e resistir a mudanças ambientais, como as que são geradas pelas alterações climáticas ou mudanças antropogénicas”, diz Inês Fragata.

O projeto DYNAMICTRIO pretende avaliar como é que a evolução das interações entre espécies afeta a capacidade do ecossistema recuperar após perturbações externas, usando uma combinação de modelação teórica e evolução experimental. Para tal, Inês Fragata irá seguir a evolução em tempo real de um ecossistema com três espécies (planta, ácaro herbívoro e ácaro predador), desde o ADN até às dinâmicas de ecossistemas. Também será testado o impacto de uma alta concentração de azoto (composto principal dos fertilizantes) na estabilidade/extinção do sistema.

Inês Fragata concluiu o doutoramento em Biologia, especialidade em Biologia Evolutiva, em 2015, na Ciências ULisboa e a curiosidade foi o que a levou a escolher esta profissão. O ano passado foi galardoada com uma Medalha de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência para estudar o impacto que o cádmio presente nas folhas do tomateiro tem na alimentação dos ácaros-aranha, e de que forma é que esta conhecida praga agrícola se adapta a esta alimentação. Perceber como é que o conhecimento sobre o processo evolutivo pode ajudar a parar ou abrandar processos como a resistência a antibióticos ou a pesticidas continua a ser um dos seus desafios.

Para Inês Fragata este projeto representa “um grande passo” e uma “aventura”, uma vez que se trata de um reconhecimento importante e que permite estabelecer uma linha de investigação. “Para poder fazer as experiências associadas a este projeto é necessário não só uma equipa grande, mas também um espaço específico. Isto não seria possível sem este tipo de financiamento. (…) É um projeto com vários desafios, portanto estou à espera de muitos altos e baixos e definitivamente muito trabalho”, diz.

O projeto DYNAMICTRIO visa perceber melhor qual é o papel da estabilidade do ecossistema no potencial evolutivo das populações. Inês Fragata espera perceber se o ecossistema é mais ou menos resiliente quando as espécies evoluem juntas. “Estudar o impacto destes processos a diferentes níveis biológicos vai permitir-nos perceber fatores importantes para a resiliência dos ecossistemas”, conclui.

Inês Fragata concluiu o doutoramento em Biologia, especialidade em Biologia Evolutiva, em 2015, na Ciências ULisboa e a curiosidade foi o que a levou a escolher esta profissão. O ano passado foi galardoada com uma Medalha de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência para estudar o impacto que o cádmio presente nas folhas do tomateiro tem na alimentação dos ácaros-aranha, e de que forma é que esta conhecida praga agrícola se adapta a esta alimentação. Perceber como é que o conhecimento sobre o processo evolutivo pode ajudar a parar ou abrandar processos como a resistência a antibióticos ou a pesticidas continua a ser um dos seus desafios.

PR/UL/HN

 

Outros artigos com interesse:

Source link

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang