You dont have javascript enabled! Please enable it!
Notícias

Hipertensão pulmonar: conhecer para cuidar melhor

 Nesta doença os fatores patológicos alterados que levam à mesma são variados e complexos, podendo ir desde fatores  genéticos (que explicam o risco de certas pessoas), a fatores desencadeantes como medicamentos, vírus ou produtos tóxicos.

A HPP é uma doença rara e que na sua forma idiopática abrange em Portugal algumas centenas de doentes, contudo, pode estar associada a um conjunto de doenças cardíacas, pulmonares, reumatológicas, hematológicas, virais e tromboembolismos pulmonar, etc, e assim envolver milhares de doentes, que irão necessitar do apoio de várias especialidades médicas para o seu tratamento.

Por outro lado, qualquer que seja a sua causa irá provocar profundas alterações nos vasos pulmonares, pois todos os componentes da parede do vaso pulmonar estão alterados, levando à obstrução da artéria e aumento das forças ditas vasoconstritoras, que aumentam a pressão pulmonar, resultando na dificuldade da circulação do sangue, provocando a falência do coração e dos pulmões. Estas alterações levam a sintomas como cansaço, falta de ar, edemas das pernas, e com a evolução clinica, ao internamento hospitalar e à morte do paciente.

Por estas razões a HP é uma doença que põe em risco a vida do doente e que, até há alguns anos,  apresentava uma mortalidade elevada, sendo raros os doentes que sobreviviam ao fim de dois anos, no entanto, com as  novas terapêuticas, medicamentos e terapêuticas cirúrgicas é possível melhorar a qualidade de vida e reduzir de forma significativa a mortalidade destes doentes.

Relativamente à classificação desta doença, esta foi estabelecida em reuniões da Organização Mundial de Saúde (OMS), encontrando-se dividida em cinco grupos: um primeiro grupo que engloba as formas idiopáticas, hereditárias e secundárias a doenças do tecido conjuntivo, síndrome de imunodeficiência humana, cardiopatias congénitas, schistosomiase e hipertensão portal; uma segunda forma que envolve as  secundárias, a doença do lado esquerdo do coração; uma terceira que envolve as devidas hipóxia e doenças pulmonares; uma quarta devido a doença tromboembólica pulmonar crónica ou outras obstruções da artéria pulmonar e uma quinta devido a causas multifatoriais ou desconhecidas como anemia hemolítica crónica, sarcoidose ou insuficiência renal crónica.

O doente com HP não apresenta sintomas específicos que permitam identificar logo a doença, sendo que os mesmo às vezes só se manifestam quando a doença já se encontra agravada, sendo referidas a falta de ar, cansaço, fadiga, edemas nas pernas e até a sincope ou desmaio com o esforço, estes sintomas manifestam a falência progressiva do coração, em especial do ventrículo direito. Os profissionais de saúde necessitam de um apurado senso clinico para procurar a HP como causa dos sintomas do paciente.

Especificamente, o diagnóstico de HP implica um conjunto de análises e exames para o seu diagnóstico e para compreender a causa. O eletrocardiograma, as provas funcionais respiratórias o angiotac torácico  e o ecocardiograma são os exames mais importantes, em especial o ecocardiograma que informa de maneira não invasiva a pressão da artéria pulmonar, mas é sempre necessário confirmar o diagnóstico através do cateterismo direito, um exame invasivo que também  ajuda a definir o tratamento.

Para tratar os doentes do grupo 1 há um conjunto de  fármacos com ação vasodilatadora  que são fundamentais para reduzir a mortalidade e morbilidade, pertencendo a três grupos farmacológicos os antagonistas da endotelina, os prostanóides e os inibidores da fosfodiasterase, podendo ser usados em associação. Para os doentes de grupo 4 é fundamental o uso da anticoagulação, podendo ser associada a terapêutica vasodilatadora, mas para estes a melhor terapêutica é a cirurgia, a tromboendarterectomia pulmonar que irá eliminar os trombos que são a causa da doença. Como terapêutica alternativa ou complementar para certos casos pode ser usada a angioplastia pulmonar. 

Para os pacientes dos restantes grupos deve ser usada a terapêutica habitual daquelas patologias e não está demonstrada a eficácia de terapêutica especifica de hipertensão pulmonar como nos grupos 1 e 4 .

Por último, deve ser salientado que o tratamento destes doentes implica a existência de uma equipa multidisciplinar onde é fundamental o trabalho de enfermagem no apoio clinico e na execução de diversas terapêuticas orais e endovenosas, assim procura-se através da colaboração  de várias especialidades médicas uma melhor reabilitação e qualidade de vida dos doentes.

Um artigo do médico Nuno Lousada, Cardiologista do Centro Hospitalar de Lisboa Norte.

Fonte: Lifestyle Sapo

Segue a PortaLEnf: Follow on FacebookTweet about this on TwitterFollow on LinkedIn
0 0 votes
Article Rating
Looks like you have blocked notifications!

Pub

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Artigos Relacionados

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Botão Voltar ao Topo
';
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x
Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Permainan judi slot online terbaik

error: Alert: Content is protected !!
Partilha isto com um amigo
pasaran togel